Livrai-nos do Fumo!

| Partilhar
«Exclusão social», «Tarrafal» ou «fundamentalismo» são algumas das reacções dos fumadores à nova lei do tabaco. Reacções que não merecem qualquer comentário até porque aquilo de que se queixam é exactamente o mesmo de que poderiam queixar-se todos os que têm sido impedidos de frequentar os locais pejados de fumo desrespeitador.

Um estabelecimento comercial, ainda que propriedade privada, não pode sujeitar os clientes a uma agressão que faça perigar a sua integridade física. A complacência social relativamente ao tabaco deriva da ignorância secular sobre os seus malefícios e a nova Lei peca por chegar com várias décadas de atraso. A insistência em forçar os outros ao convívio com o fumo sempre esteve muito aquém do bom senso e os fumadores nunca se inibiram de fumar em tudo quanto era espaço colectivo, ao arrepio das mais elementares normas de convivência social.

Acrescente-se que não tenho nada a obstar à existência de espaços para fumadores. Mas por favor não insistam em fazer-me estar no seu convívio.

15 comentários:

  1. Parece-me que esta revolta toda vai acabar rapidamente. É simplesmente uma questão de hábito.

    Porque eu duvido que, aqueles que agora dizem que nunca irão a um sítio onde não seja permitido fumar, não andem de vez em quando de avião ou de autocarro, não vão ao cinema ou a outros locais onde ninguém fuma...

    Só que, por ser prática habitual, nestes casos o problema de não se poder fumar nem sequer se coloca...

    Penso que vai suceder o mesmo..

    Cumps

    ResponderEliminar
  2. É verdade que a revolta poderá acabr rapidamente (devido ao hábito).
    Mas também é verdade que este pode ser um "trunfo" jogado pelo comércio tradicional (apesar de pouco saudável), procurando aumentar um pouco os seus clientes.

    ResponderEliminar
  3. Quem lê estes gritos desesperados dos fumadores fica com a ideia de que abrimos a Caixa de Pandora e de que a guerra civil vai estalar a qualquer momento. Uma parte da população prepara-se para resistir heroicamente perante a outra parte, que supostamente a quer espezinhar, aniquilar, quem sabe até obrigar a ser saudável. Ora, francamente! Tenhamos a noção das proporções e do que dizemos.

    Testemunhos como estes dão uma triste imagem dos fumadores. Dão a imagem de que eles não existem para além dos momentos em que estão a fumar. Vinte e quatro sobre vinte e quatro horas! Não será um fumador capaz de estar num café ou num restaurante sem que tenha obrigatoriamente de estar a fumar?

    É que a lei não vai obrigar as pessoas a andarem com uma letra escarlate a dizer que são fumadoras. Só as vai impedir de violarem direitos de terceiros, algo que até aqui acontecia de maneira flagrante e sistemática.

    A lei pode não ser perfeita (não é perfeita), mas dificilmente uma legislação desta natureza conseguirá ser. Assim como é uma ilusão pensar que se poderia chegar a um diploma consensual.

    Acho muito bem que se definam roteiros de espaços para fumadores, que até podem ser uma oportunidade de negócio a explorar. Em relação aos restante locais, penso que é a altura de relembrar a célebre tirada de António Vitorino: HABITUEM-SE!

    ResponderEliminar
  4. não liguem, quando passou a ser proibido fumar nos autocarros da stcp (o meu pai contou-me) o escarcéu foi o mesmo, passado pouco tempo já quase ninguém ligava e um ano depois já era normal não fumar. já na altura, o meu pai (então fumador) achou bem. creio que a maioria dos fumadores é sensata e sabe que entrar em parvalheira só os torna ridículos...

    ResponderEliminar
  5. finalmente posso reclamar com fundamento e sem ouvir tretas... a lei assiste-me...

    ResponderEliminar
  6. Caramba, vocês são mesmo uns chatos FUNDAMENTALISTAS!!
    Eu fumo, gosto de fumar e não estou disposto a deixar de fumar...POSSO?!
    Eu não vou a um café para tomar só o café, nem a restaurante só para comer...é um acto social. Eu e os meus amigos, quase todos fumadores, também temos esse direito. Mais uma vez, QUE HAJA DIREITO DE OPÇÃO! Ninguém vos obriga a ir para sítios com fumo, ainda não compreenderam....é tão difícil de entender?!
    Eu não ponho os pés onde não me deixarem fumar. Já tenho uma lista de estabelecimentos, em Braga, onde poderei fumar sem ter "melgas" a chatearem.

    Bem hajam!

    ResponderEliminar
  7. O que há aqui, parece-me, é um grande equívoco - resultante de puro desconhecimento da lei que agora entrou em vigor.
    Abreviando ao máximo, porque aquela lei é complexa e cheia de letras miudinhas, no fundamental o que se passa é que se torna agora praticamente impossível criar estabelecimentos para fumadores ou optar por essa "tipologia", nos já existentes. O que se passa agora, na prática, é que não podem existir cafés, restaurantes ou similares para fumadores. Toda a gente, incluindo ou principalmente o pessoal da comunicação social, diz que sim senhor, "o proprietário pode optar" e, por consequência, os clientes também. NÃO É VERDADE. Leiam a lei, por favor. Decifrem, se puderem, nomeadamente os Artigos 4 e 5.
    Do mesmo modo que ninguém é obrigado a ir um bar "gay" ou a frequentar assiduamente os lupanares, assim como ninguém deverá ser forçado a comer cabidela ou papas de sarrabulho, mesmo que não haja mais nada no cardápio, também não existe nenhuma obrigatoriedade para que um não fumador tenha de gramar as baforadas dos fumadores; portanto, não porá os pés nos locais a eles e por eles reservados. O problema, precisamente, é que tal coisa passou a não existir. Portanto, não vale a pena tentar dourar a pílula: esta lei é fundamentalista, sim, e ditatorial, sim, e nazi, sim, sim, sim. Aliás, por falar em nazi, e a propósito de um comentário anterior: palpita-me que a obrigatoriedade de dístico na lapela, para os sub-humanos do cigarrito, será o passo seguinte desta verdadeira, terrível, sádica Endlösung.

    ResponderEliminar
  8. Mas será assim tão difícil perceber que se trata da saúde pública?!
    Ninguém proíbe aos fumadores de se matarem lentamente com o fumo do tabaco. Fumem em vossa casa, nos vossos jardins, num parque,ao ar livre, etc., etc., onde quiserem menos em espaços fechados... Ainda há muitos sitios onde podem calmamente travar o vosso cigarrinho, mas eu é que não sou obrigado a respirar esse aroma bastante apreciável e benéfico para a minha saúde enquanto janto num qualquer restaurante ou café.
    Não argumentem com as vossas tretas de pseudo - intelectuais.

    ResponderEliminar
  9. Irra, que há pessoal com a cabeça dura...O santinho, não sabe ler?

    ResponderEliminar
  10. Em nome da saúde e da higiene, o que já se fez na História da Humanidade! 63 anos não é assim tanto tempo para que se tenha esquecido. Intimamente relacionado com este assunto, também a aversão aos intelectuais, Flip.
    Proponho uma reflexão mais atenta sobre o comentário de JPG.

    ResponderEliminar
  11. jpg

    «Decifrem, se puderem, nomeadamente os Artigos 4 e 5.»

    Repare que são artigos bastante objectivos. É feita uma enumeração exaustiva, em vez de serem lançados meia dúzia de conceitos indeterminados só ao alcance de juristas.

    sou eu, pá!
    «Eu não ponho os pés onde não me deixarem fumar. Já tenho uma lista de estabelecimentos, em Braga, onde poderei fumar sem ter "melgas" a chatearem.»

    De certeza que quem apoia a lei é que é fundamentalista?

    De qualquer forma, boa sorte. Só uma fracção do espaço desses estabelecimentos estará disponível para isso. Por outro lado, também necessitará de sorte com o "ambiente" desses tais estabelecimentos.

    ResponderEliminar
  12. Em resposta ao "Sou eu, pá!":

    De todas as pessoas que já vi discutir isto, o teu argumento é *de longe* o pior de todos. Ok, vá lá, não tem direito a esse nome, sequer..
    Então quer dizer, se tu gostas de fumar, mesmo que isso prejudique as pessoas que estão à tua volta, tu tens *DIREITO* de fumar?
    Eh pah, imaginemos que estão 10 pessoas num café (onde agora não se pode fumar), todos não-fumadores... vais entrar lá e dizer que tens direito de fumar e eles que se ponham a andar? É uma estupidez :)

    Queres fumar o teu cigarrinho, fá-lo em casa, no conforto do teu sofá, onde apenas terás o noticiário a contrariar o teu vício. Ninguém te obriga a fumares nos cafés, restaurantes, etc... fumas em casa, e depois vais onde queres. Ou então fumas quando voltares a casa.

    "QUE HAJA DIREITO DE OPÇÃO!" Eu, ao ir a um café, tenho o direito de não levar com o fumo dos cigarros dos outros... por isso, o vosso "direito de opção" acaba aí. Mas ainda podem optar por fumar:
    1) antes de entrar
    2) depois de sair
    3) durante a estadia, mas lá fora
    4) em casa

    Ou seja, ainda podem fumar... Eu queria rir-me: se vocês com esta lei já fazem assim tanto barulho, gostava de ver como reagiriam se o tabaco fosse considerado ilegal. Ui, morriam todos! Devia ser só posts nos blogs acerca das depressões que começaram com a lei que proibia o tabaco... devia ser lindo, devia, a ver como têm reagido algumas pessoas...

    Sinceramente, até parece mal... isto tornou-se uma "guerra" entre fumadores e não-fumadores, sem ser preciso... a maior parte dos fumadores que conheço concordam com esta nova lei, e não têm problema nenhum com ela (muitos deles a fumarem aos maços por dia); apenas vejo que realmente ainda há meia dúzia que teimam em fazer barulho (sem razão nenhuma)

    ResponderEliminar
  13. Pois é, caríssimo António Pedro; há pessoas que não se calam quando o que lhes impõem é algo injusto. Felizmente há pessoas assim! Há cafés, restaurantes, etc....(até ver!) que cheguem para todos. Pela milésima vez, os estabelecimentos referidos são também espaços de sociabilização, você não está a ver os fumadores a virem fumar para a porta de uma discoteca, bar, restaurante, etc., não é viável, nem faz sentido Os sítios que frequento, os fumadores são a imensa maioria, e quem lá vai "sabe do que a casa gasta", ou seja, estão lá porque querem. Esta lei fascista acaba com o nosso direito a fumar. QUE HAJA O DIREITO DE OPÇÃO, espaços para fumadores, e espaços para não fumadores...uff!

    ResponderEliminar
  14. Caro jpg

    Tenho que concordar com o jam, não percebo qual é a tua dificuldade em interpretar os referidos artigos, são mais do que claros.

    Efectivamente existe a opção dos estabelecimentos em permitir ou não fumar, desde que sejam cumpridos os pressupostos exigidos para que tal se verifique:

    -Estejam devidamente sinalizadas, com afixação de dísticos em locais visíveis. – visível do exterior do estabelecimento
    -Sejam separadas fisicamente das restantes instalações, ou disponham de dispositivo de ventilação, ou qualquer outro, desde que autónomo, que evite que o fumo se espalhe às áreas contíguas
    -Seja garantida a ventilação directa para o exterior através de sistema de extracção de ar que proteja dos efeitos do fumo os trabalhadores e os clientes não fumadores

    De referir somente que nos espaços inferiores a 100m2, pode ser estabelecida a permissão de fumar em todo o estabelecimento.
    Nos superiores a 100m2 podem ser criadas áreas para fumadores com até um máximo de 30 % do total respectivo, ou espaço fisicamente separado não superior a 40 % do total respectivo.

    Como vês é simples.

    E como foi dito anteriormente, eu também sou da opinião que esta agitação toda criada à volta desta proibição vai passar rápido, daqui a um ano já é tão normal que já ninguém se vai queixar.

    MR

    ResponderEliminar
  15. Camaradas fumadores,

    Nem um cêntimo para quem sustentar esta lei anti-tabágica Taliban.

    GREVE GERAL!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores