Sobre a Porrada de 3 em 3 Anos

| Partilhar
A Notícias Sábado de 6 de Outubro foi entrevistar o Monsenhor Luciano Guerra, Reitor do Santuário de Fátima.

Na sua opinião, uma mulher agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?
Depende do grau da agressão.

O que é isso do grau da agressão?
Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.

Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?
Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não. Evidentemente que era um abuso, mas não era um abuso de gravidade suficiente para deixar o homem que a amava.

17 comentários:

  1. Totalmente ridículo. Não percebo como é possível alguém fazer declarações assim...

    ResponderEliminar
  2. É do mais inacreditável que li nos últimos tempos. Não sei se devo rir, ou se chorar por causa da estupidez das palavras de tão nobre monsenhor. Lamentável!

    ResponderEliminar
  3. Roubaste-me o post, Pedro :)

    É realmente lamentável que alguém com responsabilidades no interior de uma instituição como a igreja católica tenha desclarações deste tipo. Pior do que isso, a entrevista tem uma semana e pocuas foram as vozes indiginadas que se levantaram contra tamanho absurdo.

    ResponderEliminar
  4. Caro Samuel,

    Ninguém diz nada porque a violência doméstica é encarada com naturalidade por demasiada gente.

    ResponderEliminar
  5. é nestas alturas que acho que um tipo como este devia ter nascido mulher e ter casado com um daqueles homens que está a defender...realmente isto é de doidos

    ResponderEliminar
  6. Não é verdade que a violência doméstica seja encarada com naturalidade por muita gente. É um tema que tem preocupado a sociedade civil em geral, e as instituições de apoio à vítima em particular.
    O cerne da questão está nas próprias mulheres vítimas de violência que continuam a ocultar a sua realidade com vergonha de encarar o seu problema perante a sociedade e, sobretudo, com receio que a violência aumente caso ela acuse aqueles que lhe batem e agridem. Essas mulheres ainda duvidam muito da capacidade das instituições para as ajudarem e mais uma vez a vergonha de assumirem que o marido ou mesmo os filhos lhe batem.

    ResponderEliminar
  7. helena, concordo...mas se tivermos em conta que muitas das mulheres vítimas de violência - a psiocológica também conta, não é só socos e pontapés - que mais medo tem de falar são mulheres casadas pela igreja, que ainda sentem desconforto em relação ao divórcio. e certamente que esse monsenhor há-de lidar com elas todos os dias. o vergonhoso é, de facto, nem nos santuários encontrarem alento...

    ResponderEliminar
  8. Caro Pedro,
    Em visita pelo teu blog, deparei-me com esta anedota. Será que, se eu desse um estalo ao dito Monsenhor, poderia ser acusada de violência?! Vá lá, é só um estalo... não é nada que eu vá fazer todas as semanas! Peço desculpa, mas tenho mesmo de brincar com a situação. O sentido de humor salva-nos (espero) da estupidificação.
    Um beijinho e parabéns pelo blogue

    ResponderEliminar
  9. Fixe! Já avisei a minha cara metade q vao levar um soco de 3 em 3 anos!

    ResponderEliminar
  10. Perdoai-o Senhor (?) que ele não sabe o que diz...

    Perdoai-me a mim também Senhor (?) mas não é por ser um Monsenhor ou outra coisa qualquer a dizer uma coisa destas que não lhe vou deixar de chamar estúpido. Mas o problema é que isto não é uma opinião pessoal do Monsenhor, se estivesse na pele da mulher... Esta parvoíce é apenas mais uma a juntar a tantas outras que a igreja defende.

    Desculpe avozinha, sei que gosta muito da missinha, e do senhor abade, mas que se f... lá a igreja que tanto me fala.

    ResponderEliminar
  11. Pedro comento o teu post da seguinte maneira, como hoje é o dia mundial da pobreza faço uma pergunta que junta as duas coisas,pobreza e igreja como pode a mesma que tens fortunas de biliões de euros não dár um cêntimo para combate há pobreza????

    Visitem o meu blog:

    http://wwwbragablog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Monsenhor que nada, isso é tudo uma cambada de ignorantes que passavam fome em casa e os pais entregaram-nos a um seminário. Gente infeliz que nem sabe o que é a vida. Tudo desgraçados, frustrados e que querem descarregar as frustrações nos outros. A culpa é de quem dá destaque a esses tipos. De mim não levam nada nem permito que os meus filhos se aproximem se quer deles, é gente que não me inspira nenhuma confiança.

    ResponderEliminar
  13. Pois eu não me admiro nada, não é que tenha nada contra a igreja, mas os mesmos já deviam ter um pouco de tento na lingua, e ver que já não estamos na idade média, mas infelismente a eclesia ainda está na idade das trevas isto sem ofensa para ninguem, e as mulheres para alguns desses senhores (chamemos aos bois pelos nomes) são m..... e uma das razões é os sacerdotes não se poderem casar para saber e ter uma familia e saber os sacrificios que os pais têm de durante a vida enfrentar, tapam os olhos com os dedos abertos fingindo que não vêm.
    O povo catolico também tem muita culpa no cartório ao branquear tais declarações e não se manifestar, a beatice ainda é regra nas nossas aldeias e cidades, quem viu o espectáculo que foi hoje Fátima ficou deveras estupefacto que a maioria de peregrinos que lá se deslocou foi para ver a nova igreja, atropelavam-se uns aos outros para ver quem entrava primeiro e até ofenderam os seguranças que estavam à porta, os que se metiam à frente das cameras da televisão para serem vistos na parvone, fizeram-me lembrar o célebre "EMPLASTRO"
    foi uma cena digna de um país do terceiro mundo, a igreja devia ter vergonha e gastar o dinheiro é com os pobres, pois Cristo veio ao mundo segundo se diz para libertar os pobres e oprimidos, não estou a inventar nada. E assim vai este País de MACHOS LATINOS onde até un sacerdote diz que dar uma chapada de 3 em tres anos não é motivo para divorcio, a meu ver quem merece uma boa Bofetada é quem pense e fale desta maneira.
    Um abraço para todas a Mães do mundo...

    ResponderEliminar
  14. Em resposta a Sérgio Gonçalves:
    Deve-se informar melhor porque o que diz não é bem assim. A maior parte das instituições de solidariedade social em Portugal são de cariz religioso, bem ou mal, são as únicas a se preocuparem com a pobreza e exclusão social. E se fizer uma pesquisa a nível internacional vai verificar que quem realmente se preocupa com a pobreza são os Missionários. Pessoas de grande valor que dão a sua vida para tornar um pouco melhor a de muitas pessoas que tendem morrer à fome. Por mais que não seja cristão ou não simpatize com a igreja é um facto que não pode negar.
    LSC

    ResponderEliminar
  15. eu tinha listo esta asneira.. que vergonha. e n, n sou nenhum do contra. sou dos que reza. mesmo assim, que vergonha.

    ResponderEliminar
  16. Fogo... o homem devia estar possuído pelo demo! Eu tinha uma tia de uma vizinha k batia no marido... mas era com ternura...lol
    Inaceitável...ainda bem que são excepções a pensar assim dentro da igreja ou assim quero crer.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores