[Avenida do Mal] O Contexto, as Ninharias e o País de Sacristia

| Partilhar
O país acorda e lê jornais como rotina tal quem nem por ele dá conta. E o atordoamento é tão grande e tão crónico que tão pouco se lhe dá importância. No teatro de propaganda e contestação, os actores são tão fracos e farsolas que já ninguém lhes liga patavina. Na hora, até votam neles. E não lhes adianta, os do descontentamento e os da Covilhã, de bigodes eles e elas, a insultar como populares à porta do Tribunal de Portimão, o Primeiro-Ministro e sua máquina. Podem não ser comunistas, mas são chatos e enfadonhos como eles, por muito respeito que lhes tenha. A imaginação peca, é de qualidade absurda e até dá pena a quem vê notícias. Parecem claques da Nacional. Sócrates faz jogging na Praça Vermelha e eles não.

Mas sublinhe-se do que resta da RTP, na incongruência de um pivot que se queixa das orientações do Governo na grelha e no alinhamento, mas tão pouco se incomoda com isso. Agarra-se à cadeira e ao estaminé montado, como teatro de marionetas, e na fantochada é o fantoche-mor. De resto por ali, mostra-se aquela que é a ambiguidade do governo e socialistas que se dizem com o tais. O laicismo na Estação pública fica-se pela RTP2, em horários para intelectuais de olheiras. O nobre, e na RTP1, dá lugar a Eucaristias e Touradas. Hinos ao que a Nossa Senhora fez pela Rússia. E os russos que se cuidem. Se antes tinham um coisa má, agora têm coisa pior. Nunca vi tão urgente um 4º Segredo de Fátima que lhes salvasse daquela bandalheira. E neste mundo, bem precisávamos de uma meia dúzia deles. E a Irmã Lúcia, rezem-lhe pela alma, já não anda por cá nos seus óculos de garrafão.

No outro contexto, no anfiteatro desnaturado da Assembleia da República, afilam-se uns dias de debate aceso. O Palco dos Marretas que aí se montará, nas suas berradelas ensaboadas, a lavar-nos as mentes em gargalhadas e rejubilo, o Orçamento em flash disk e, neste país, com muito pouca capacidade de armazenamento. Mas Vivas! que estará abaixo dos 3%, o ano que vem. Viva o feito e os homens. E como na viagem à Índia, ainda que à custa do trabalho e do sacrifício de todos e, em 2008, do álcool e tabaco. Nem nos refúgios à desgraça.

Aliás mais que esquisito neste Portugal de preços à europeia e salários sul-americanos, onde este ambiente de sacristia, faz com que se mantenham baixos e apertados. E só acho estranho, agora que penso, porque é que pessoas de igual qualificação por aqui ganham muito mais para lá da fronteira? Porque é que obras de iguais orçamento e envergadura pagam piores ordenados por cá, e ainda dão direito a derrapagem? Algo na entremeada com certeza. Tido como fisiológico nesta nação entregue a coorporações e a fretes, de fortunas da noite p'ró dia.

13 comentários:

  1. Magistral. Neste texto está tudo. Este texto até diz por que é que me pus a andar desse covil de gatunos para fora.

    ResponderEliminar
  2. Os melhores posts do blog são do Vítor Pimenta(Avenida do Mal).
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  3. CLAP CLAP CLAP CLAP!! Muito bom...

    ResponderEliminar
  4. Braga está entregue à bicharada....

    ResponderEliminar
  5. bate-se no governo e no poder insituído e a povaça delira... pseudo-elites!!!

    ResponderEliminar
  6. Muito bem escrito.
    Os meus parabéns.

    Jose Azevedo, Braga

    ResponderEliminar
  7. Sorte a de Mac Adriano! Fosse eu mais novo e sem descendência, e seguir-lhe-ia o exemplo.
    Parabéns pelo post, Vítor Pimenta!

    ResponderEliminar
  8. Caro José Manuel Faria,

    Por isso é que o Vitor escreve aqui :)

    Abraço,
    PM

    ResponderEliminar
  9. Vitor:

    Escreves muito bem e tens um sentido crítico muito apurado. E para quando uma crónica num jornal?
    Confesso que tomei conhecimento do teu blog através do "Avenida Central" e, não desfazendo Pedro, o teu é simplesmente genial.
    Acho que as tuas opiniões deviam sair do digital e passar para o papel, porque são, de facto, muito boas.

    Parabéns pelo blog Vitor

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores