[Avenida do Mal] Ladrões de iPods

| Partilhar
Faço esta crónica hoje mais caseira porque das reflexões como as anteriores guardo-as para semanas seguintes... Já o Pedro dizia que Braga sofre desta bruma de insegurança, que não lembra outras alturas neste país de brandos costumes, inquisição e regicídios, torturas do sono, autos-de-fé como novelas ao final do dia. Confuso, mas também eu fiquei, pois no ground zero da Área que delimita a Universidade em prédios encavalitados, de janelas pregadas umas em frente das outras, também me calhou a experiência de me ver atingido pela tal vaga da confraria do alheio. Esta que tão pacificamente me vinha passando ao lado, por muitos lamentos que me tenham chegado aos ouvidos.

Mas fica mais esforçado o raciocínio porque forçada também a fechadura do meu velho carro de 88, porta aberta no trinque, visse eu o interior da viatura removida, guarda-luvas (facilmente) arrombado e papelada no lugar do morto. Alguém me tinha assaltado o carro e procurado pertences que não os dele. Verificado o conteúdo: inúmeros recibos de 4 euros e 70 da portagem até ao Nó de Basto (uma roubalheira diga-se), papelada de seguro, cassetes, o rádio para as mesmas e o livrete. Tudo lá. Quem quer que fosse não levou nada e até devia ter tido pena, nem as cassetes do Júlio Iglésias herdadas me levaram. Quase que esperei uma nota de 5 e um bilhete para ir comer qualquer coisa.

O tamanho de importância do tema, para lá da caricatura, é clarificador de que o crime neste país é quase de topo de gama: ou vai em dinheiro ou em dispositivos eletrónicos de última geração. Tão pouco Valentim os convence da vantagem de um micro-ondas.... Tirando o crime de grande envoltura, de sociedade com grandes diferenças, complexo e aracnóide como burocracia russa, o crime de pequeno delito da zona envolvente à Universidade do Minho é pelo telemóvel e pela Zara, pelo mp3, o chantilly nos morangos e, neste modernismo das aparências, parece mais importante que a fome. E face a preços europeus, em salsichas e indumentária da que se tem de mostrar aos outros, o caminho é roubar ou herdar. Mais que a canalhada, o modelo social português e este sistema educativo, que não qualifica nem incute uma cultura de responsabilidade, precisam de um valente puxão de orelhas, antes que mais viaturas de 80 sejam conspurcadas em vão.

1 comentário:

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores