A cara devia encher-se-lhes de vergonha

| Partilhar
O Público noticia mais um capítulo da cruzada civilizacional da Igreja Católica. Desta feita, o alvo é a Amnistia Internacional, uma organização que tem sido incansável na defesa dos Direitos Humanos.

O cardeal Renato Martino, presidente do Conselho Pontifício do Vaticano para a Justiça e Paz, defende que os indivíduos e as organizações que se sintam identificados com os princípios católicos devem retirar o seu apoio à Amnistia Internacional, depois de esta organização se ter declarado a favor da prática do aborto em certos casos, como violações e risco de vida para a mulher.

A Amnistia Internacional sempre se declarou neutral em relação à polémica sobre o aborto. Mas em Abril passado rompeu com esse silêncio, defendendo a prática em casos de violação ou sempre que a saúde ou a própria vida da mulher esteja em perigo, pressupostos que, segundo Martino, são moralmente indefensáveis.

A Igreja Católica tem o direito de dizer o que lhe apetecer aos seus fiéis e de financiar as instituições que bem entender. Mesmo que o critério seja "a defesa do aborto em condições de violação dos direitos humanos..." O que é certo é que Jesus Cristo coraria de vergonha se visse a acção desta Igreja que reclamam como sua e que se verga perante tantas atrocidades, preferindo atacar quem trabalha na defesa dos direitos humanos.

10 comentários:

  1. Pedro, a questão não é assim tão simples. O próprio presidente da Amnistia Internacional Portuguesa, quando interpelado pela comunicação social para reagir às declarações desse cardeal, disse que tínhamos de ser prudentes a tratar essa questão (a das declarações e a posição da AI sobre o aborto). A verdade é que pode a AI estar a começar a meter-se em questões que não lhe interessa combater, pelo menos à luz do que tem vindo a ser a sua acção até agora.

    ResponderEliminar
  2. A agenda da AI não pode estar sujeita às pressões de NENHUMA confissão religiosa. Defender o aborto em caso de violação dos direitos humanos está inscrito nos princípios fundamentais da AI.

    ResponderEliminar
  3. Oh Márcio, já se sabe que és ateu, por isso não é necessário que nos lembres tal coisa sempre que se fala de religião.

    Pedro, não se trata de estar sujeita a pressão. Não estou aqui a defender da opinião exprimida por um cardeal numa revista que deu a um semanário americano. Estou a falar do risco que existe de a Amnistia Internacional, uma organização que até agora tem-se mostrado muito nobre na sua acção, vir a enveredar por caminhos que não o seu.

    Pelo que percebi, a posição da Amnistia Internacional é salvaguardar os direitos humanos da mulher que opte por abortar. Espero é que isto não degenere num apoio a causas como a legalização do aborto, ou então a luta contra a mesma. Porque isso significaria um descer a um nível que não me parece aconselhável para a posição que ocupa essa organização.

    ResponderEliminar
  4. eu acho que vergonha nao chega... a ICAR tem minado a nossa sociedade ao longo de seculos com as suas teorias e incoerencias... Esta traiçao a maior associaçao de defesa dos direitos do homem é mais um capitulo da triste historia do vaticano e dos seus papinhas...

    ResponderEliminar
  5. Não me espanta. Estamos a falar de uma organização (igreja) que ainda há pouco tempo, na altura do aborto em Portugal, defendia, por intermédio dos seus prelectores que o aborto era pecado e como tal dava para ir para o inferno...

    ResponderEliminar
  6. koolricky, não é bem assim... Tanto que essa noção de inferno cheio de labaredas e com o Demo vermelho é medieval e está completamente ultrapassada. Já não falam os responsáveis da Igreja que tal pessoa, por fazer tal acto, vai parar ao Inferno...

    A posição da Igreja era declaradamente contra o aborto, por vários motivos que eles adiantavam, mas não usando o argumento de ser "pecado e como tal dava para ir para o inferno", mas antes como um atentado à vida e ao direito à mesma.

    Concorde-se ou não com a posição, essa deturpação da argumentação da Igreja não beneficia ninguém. Bem, talvez beneficiasse, mas isso será outra história...

    ResponderEliminar
  7. Ergolas, estás a dar o puro exemplo de uma pessoa que não sabe o que se passa no interior rural, onde os padres ainda mandam mais do que os Presidentes de Câmara.

    ResponderEliminar
  8. Vejo com agrado que em Portugal há pessoas que não vão atrás de balelas religiosas. Como livre pensador primeiro, e ateu logo a seguir, subscrevo e apoio as opiniões expressas por Márcio, Atento e Koolrycky.
    Continuem, que eu prometo voltar com eMail address.
    B. Warren

    ResponderEliminar
  9. Koolricky, sei muito bem que no "interior rural" os padres têm um grande poder de influência na opinião dos seus fiéis. E também sei que usaram uma argumentação contra o aborto errada tanto pelo teor como por ir contra aquilo que tinha sido apregoado pelos seus superiores.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores