Da Pornografia das Subvenções

| Partilhar
A RTP, televisão de Lisboa e do Porto que às vezes se lembra de dar notícias sobre o resto do país para ilustrar a província, recebe mais dinheiro dos nossos impostos do que a CP que gere os comboios de todo o país.

Os Metros de Lisboa e do Porto recebem 40,5 milhões de euros. Enquanto isto, as populações de Mirandela, Amarante e Vila Real foram privadas da ferrovia.

A Carris e a STCP recebem 74 milhões de euros enquanto as transportadoras públicas do resto do país não recebem nada.

As assimetrias são escandalosas e inexplicáveis. Olhando para isto só me apetece perguntar porque é que não vendem a RTP, privatizam a CP, Metros, Carris e STCP. Depois salve-se quem puder. Agora obrigarem-me a pagar os meus transportes em bilhetes e os dos outros em impostos é que não.

7 comentários:

  1. Teoricamente, a regionalização seria uma solução para acabar com estas assimetrias orçamentais. Na realidade num país regionalizado seriam as capitais dessas regiões as beneficiárias dessas verbas.

    Aqui o problema está na mentalidade de quem gere o dinheiro público e isso só se resolve daqui a mais de 100 anos, quando a mentalidade mudar, que será após uma excelente reforma na Educação (que nunca acontecerá).

    Emigramos?

    ResponderEliminar
  2. Tens muita razão. Os gajos da RTP conseguiram vir a Braga entrevistar pessoas de Lisboa na véspera do último Braga-Benfica.

    ResponderEliminar
  3. Vá lá, os TUB não tem qualquer apoio à operação!

    Olha, os SMTUC de Coimbra também não!

    ResponderEliminar
  4. Portugal continua a ser o Terreiro do Paço.
    Um desgraçado de um reformado que more numa aldeia do concelho de Boticas e tenha que se deslocar ao hospital de Chaves para fazer um tratamento médico, tem de se deslocar num autocarro de uma enpresa privada que lhe cobra o preço real do bilhete e ainda com os seus impostos subsidia os yupis de Lisboa para se deslocarem de metro para o trabalho, sabendo que a região da capital tem os rendimentos per capita mais altos do país.
    è um filme que passa ao contrário: O Pobre Subsidia o Rico.
    Almerindo Margoto

    ResponderEliminar
  5. Esqueci de dizer: PORNOGRAFIA é um nome que fica aquém da realidade…

    ResponderEliminar
  6. Concordo plenamente Pedro. A RTP deveria ser privatizada. O serviço público que tem feito é decrépito e a suspeição sobre pressões governamentais não abona a seu favor. Assim, era mais justo e mais transparente. No entanto parece que a neblina e a opacidade beneficiam os superiores da nação. É inacreditável receber mais do que a CP, cuja utilidade pública é inquestionavelmente superior. Enfim, é mais fácil privatizar a saúde das pessoas…

    João Rodrigues

    ResponderEliminar
  7. REGIONALIZAÇÃO
    Eis a questão.

    Dentro de uma visão psicológica, diz-se que o ser humano Maduro, é aquele que tem
    uma grande experiência de vida e uma visão melhor dessa no sentido filosófico.

    Portugal é um País com assimetrias regionais bastante acentuadas, nas áreas mais pobres
    investimos mais na construção de equipamentos e de infra-estruturas do que na promoção
    de actividades que permitam a criação de emprego.
    Facilmente assiste-se ao encerramento de um centro médico… e á abertura, por exemplo uma piscina municipal!!!

    Não tenhamos dúvidas, todos queremos o melhor para a nossa Região.

    Apesar de estar firmemente convicto que a instituição das regiões administrativas possam contribuir para reduzir os gastos públicos,
    o que considero, verdadeiramente, essencial é que, não os aumentam.
    Portugal está abaixo da média da UE em termos de autarcas eleitos. É pura demagogia, para não dizer outra coisa, dizer-se que Portugal
    tem excesso de representação autárquica.
    Aonde Portugal apresenta indicadores, verdadeiramente, excessivos é em termos de nomeações políticas por parte do poder central e,
    também, no número de deputados da Assembleia da República. O acto de Iniciar ou fazer Politica não tem nem deve ser efectuado
    somente na Capital, poder-se-á fazer ou iniciar na região onde o Futuro Politico dessa fora a escolha dos cidadãos.

    O tema Regionalização não terá muita relevância nos próximos debates eleitorais.
    Em altura de crise, haverá outras prioridades. Além disso, todos sabemos que num momento de crise
    todos os Estados se Centralizam….
    Vamos continuar com o debate aberto, fazendo com que o mesmo Fique Maduro
    actual e que num futuro próximo se faça a consulta Popular, mas atenção:
    Se desta vez falhar, então não haverá Regionalização tão depressa. Costuma dizer-se que não há duas sem três.

    Saudações Marítimas
    José Modesto

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores