A Outra Pérola da Boavista

| Partilhar
Vodafone in Porto

A construção decorreu ao longo dos últimos dois anos, num investimento total de €13,4M. Está em funcionamento a Casa Vodafone do Porto, um projecto com assinatura dos arquitectos José António Barbosa e Pedro Guimarães.

9 comentários:

  1. Também aqui: http://www.dezeen.com/2009/11/23/vodafone-headquarters-by-barbosa-guimaraes/

    ResponderEliminar
  2. Mais um imóvel de um dos fundos de investimento imobiliàrio do MilleniumBCP. Muito bem conseguido por sinal.

    ResponderEliminar
  3. Estéticamente inteligente, com bom impacto visual. Se na envolvente houver uma boa zona verde, ficará excelente.

    ResponderEliminar
  4. Bem já vi que toda a gente elogia arquitectonicamente o edificio, mas facil é desenhar no papel ou no PC, trabalho dificil é daqueles que lhe fizeram a cofragem e posterior betunagem, exes sim os verdadeiros artistas, e por sinal os mais mal pagos, não só financeiramente mas também em reconhecimento!

    Este edificio e a casa da musica na Boavista, são obras fantasticas, eu sou do contra quando estas são de caracter publico, gasta-se milhões em exteriores aparatosos, para servir aos caprichos de arquitectos, quando são financiados pelo privado, nada a dizer, o dinheiro é deles!

    ResponderEliminar
  5. Caro Pedro Freitas, em parte dou-lhe razão, os construtores também merecem o elogio, porém, para fazê-lo convenientemente teria de visitar o edifício e também esperar uns anos para poder avaliar se foi realmente bem construído do ponto de vista estrutural (ver se os isolamentos se aguentam, se o edifício não se degrada permaturamente, se os acabamentos foram bem aplicados, etc.). Já não concordo com a ideia de que é facil desenhar no PC, porque desenhar toda gente faz, mas fazê-lo de uma forma criativa, diferente, original e, ao mesmo tempo, enquadarada com o espaço e a sua vivência, já é bem mais difícil.
    Quanto ao elogio arquitectónico, da minha parte, é apenas direccionado para a fachada que a foto mostra, já que nunca visitei o edifício, muito menos o conheço interiormente para poder estabelecer um juízo que avalie a totalidade da obra do arquitecto em causa.

    ResponderEliminar
  6. Caro Abel Alves, vejo que nunca trabalhou directamente nas áreas que abordei, porque se o fizesse daria-me razão! Os carpinteiros de Cofragens, e os encarregados desta obra, é que tiveram todo o merito, há coisas que são facieis de exprimir pela nossa mente, dificil é partir para a acção. Eu não estou a tirar mérito aos arquitectos, não eles têm o seu, é criativo e dinamico, se é funcional ou não, também não lhe sei dizer, eu aqui aponto o dedo a nós, sociedade, que muitas vezes não dá o valor a quem tambem o deve ter, muitos dos trabalhadores arriscam as suas vidas para que o trabalho fique como se deseja, 70% dos trabalhadores da construção civil passam dificuldades economicas.

    Caro Abel Alves, acho que percebeu mal as minhas palavras, e quanto á parte que disse "para fazê-lo convenientemente teria de visitar o edifício e também esperar uns anos para poder avaliar se foi realmente bem construído do ponto de vista estrutural (ver se os isolamentos se aguentam, se o edifício não se degrada permaturamente, se os acabamentos foram bem aplicados, etc.). " quando aparecem estes defeitos, maior parte das vezes a culpa não é dos "construtores", porque assim como eles seguiram o projecto de fachada, também seguem os projectos de Isolamentos, de acabamentos,de águas pluvias e saneamento, e todos os outros, isto é o mesmo que um enfermeiro muitas vezes faz o que o médico manda, os construtores é igual, nesta obra houve um fiscal, contratado pelo dono de obra, para ver exatamente se os projectos se estão a cumprir.

    ResponderEliminar
  7. Não tenho qualquer problema em elogiar os trabalhos de construção de um edifício, nem tiro mérito algum aos construtores, mas o post e o edifício em causa, pelo facto de não o conhecer, limita-me para poder avaliar a qualidade de construção. Por que se uma caixilharia, um azuleijo, um soalho, ou uma canalização forem mal aplicados, ou se uma tela de alcatrão deixou escapar uma fuga, etc... isso não é apenas da responsabilidade dos projectos de arquitectura e engenharia, penso eu.

    Quanto à estética da fachada principal do edifício posso avaliá-la como boa, tendo em conta que tenho uma foto, e o mérito dessa boa estética é do arquitecto que a pensou e trabalhou para que passasse de imaginação a projecto passível de se tornar uma realidade. Já os construtores têm o mérito de os tornar uma realidade pelo seu trabalho de construção, que é de elevado risco e esforço físico, e que requer conhecimentos sobre materiais e aplicabilidade prática dos mesmos, mas nunca o mérito estético.

    ResponderEliminar
  8. Não tenho qualquer problema em elogiar os trabalhos de construção de um edifício, nem tiro mérito algum aos construtores, mas o post e o edifício em causa, pelo facto de não o conhecer, limita-me para poder avaliar a qualidade de construção. Por que se uma caixilharia, um azuleijo, um soalho, ou uma canalização forem mal aplicados, ou se uma tela de alcatrão deixou escapar uma fuga, etc... isso não é apenas da responsabilidade dos projectos de arquitectura e engenharia, penso eu.

    Quanto à estética da fachada principal do edifício posso avaliá-la como boa, tendo em conta que tenho uma foto, e o mérito dessa boa estética é do arquitecto que a pensou e trabalhou para que passasse de imaginação a projecto passível de se tornar uma realidade. Já os construtores têm o mérito de os tornar uma realidade pelo seu trabalho de construção, que é de elevado risco e esforço físico, e que requer conhecimentos sobre materiais e aplicabilidade prática dos mesmos, mas nunca o mérito estético.

    ResponderEliminar
  9. Caro Pedro Freitas, eu acho que que também percebeu mal as minhas palavras. Não tirei mérito nenhum aos construtores, como também não atribuí mérito à totalidade da obra em causa, do ponto de vista arquitectónico. Apenas elogiei a estética do edifício.


    Parece-me é que o Pedro, de forma contraditória, está de certa forma a desvalorizar o mérito dos arquitectos e também dos construtores. Quando diz - "quando aparecem estes defeitos, maior parte das vezes a culpa não é dos "construtores", porque assim como eles seguiram o projecto de fachada, também seguem os projectos de Isolamentos, de acabamentos,de águas pluvias e saneamento, e todos os outros isto é o mesmo que um enfermeiro muitas vezes faz o que o médico manda".


    Portanto se percebi, os construtores limitam-se a seguir os projectos de arquitectura e de engenharia, não fazem nada sozinhos, é isso? e portanto, na maioria dos casos como diz, não têm responsabilidades nas falhas que enventualmente possam ocorrer porque se limitam a seguir os projectos. Então a cupla é quase sempre dos projectos que estão mal feitos, é isso?
    A ideia que o Pedro está a fazer passar é a de uma desresponsabilização quando corre mal, e o reclamar o mérito apenas quando a coisa corre bem? O caro Pedro é que parece que não trabalha directamente nessa área.


    Vejo a coisa de outro modo. Sem o conhecimentos e os trabalhos de arquitectura e de engenharia, certos tipos de construção não eram possíveis de erguer apenas com os conhecimentos dos constructores, a menos que estes soubessem de arquitectura e de engenharia. Por que há cálculos a fazer para garantir que o edifício se possa construir.


    Realmente desenhar é fácil, mas desenhar jogando com a criatividade e a imaginação, e ao mesmo tempo, com utopia e a realidade, cumprindo regras de construção, regulamentos legais, solucionando os cálculos geométricos, estrurais..., entre outros, já é bem mais complexo.

    Da mesma forma, para os construtores também não é fácil construir um edifício, sendo que exige também, conhecimentos, e o correr riscos que os engenheiros e arquitectos não têm. Mas esse mérito não pode ser atribuído à estética da obra em si, mas antes à capacidade de execução, de esforço físico, etc... São coisas diferentes.


    Isto é muito simples de compreender.
    Para construir um edifío, os construtores necessitam do trabalho de arquitecturos e engenheiros. Por sua vez, estes, necessitam do trabalho dos construtores para tornar o seu trabalho uma realidade. É portanto, uma relação de interdependência. E quando num edifíco surgem problemas, na maioria dos casos a culpa foi das falhas de comunicação nessa relação, cuja responsabilidade pode ter sido de qualquer das partes, quer de arquitectos, construtores e seus fiscais, ou engenheiros... assim como dos médicos ou dos enfermairos no outro exemplo.


    Por sua vez, se por exemplo, uma equipe médica for bem sucedida, certamente que poderá ter também, muito mérito de enfermegem na base desse sucesso, e que até possa estar camuflado pelo estatuto dos médicos, mas, nunca consideraria sensato retirar o mérito aos conhecimentos médicos num caso de sucesso clínico, que são diferentes dos de enfermagem, apesar de complementares.

    À parte as falhas de comnunicação, também há falhas na execução, isto é, podem ocorrer erros na realização dos projectos, da responsabilidade dos arquitectos e engenheiros. Da mesma forma, podem ocorrer erros de construção que são da responsabilidade dos constrututores. Todos têm responsabilidades e dentro da relação de interdependência, os trabalhos de cada profissão tembém têm actividade autónomas.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores