O Ranking

| Partilhar
O Público on-line dá a notícia que hoje é manchete no Diário do Minho: “O Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, volta aos lugares cimeiros do ranking do ensino secundário feito com base nos resultados dos exames nacionais de 11.º e 12.º ano. Com 14 provas feitas e uma média de 15,81 valores, lidera a lista, sendo a única escola pública entre as 21 melhor classificadas.”

No espaço de comentários, um leitor de Viana do Castelo diz o que se impõe: “A escola Calouste Gulbenkian de Braga faz selecção de alunos, tem provas de selecção logo no primeiro ano e a especificidade dos seus estudos leva a que quem não tenha pernas para andar ao longo dos anos vá saindo. Se todas as escolas públicas fizessem isto será que as privadas ainda dominavam? Este ranking apenas confirma que quando se pode escolher alunos os resultados são bons, quando não, são os possíveis. Tudo o mais é patetice para entreter...”

6 comentários:

  1. Compara o universo de alunos reduzido da escola Caloute Gulbenkian com o universo de alunos do Colégio Dom Diogo de Sousa e com o Colégio de 7 Fontes e dá-me a tua opinião.

    O Colégio Dom Diogo de Sousa NÃO TEM provas de selecção e, no entanto, é a melhor escola em Braga.

    Já o Colégio de 7 Fontes que, para além da natural selecção de alunos, tem provas de selecção, teve os resultados que teve.

    Será que consegues explicar estas patetices para entrerer?

    ResponderEliminar
  2. O Diogo de Sousa TEM selecção. Isso é evidente.

    ResponderEliminar
  3. Selecção é uma coisa.

    Provas de selecção é outra bem diferente.

    ResponderEliminar
  4. Acho que é importante referir aqui também de que provas de selecção estamos a falar, e quanto ao Conservatório Calouste Gulbenkian, as provas são apenas de aptidão musical. E as provas no 1º ano (que é quando a maioria dos estudantes entra no Conservatório), a única coisa que avaliam é o "ouvido" da criança. Logo, não podem dizer que é devido às provas de selecção que a Escola tem bons resultados.

    E isso de quem não tenha pernas para andar vai saindo também está muito mal explicado. Há apenas uma regra a que esse leitor se deve estar a referir, que é quem tira uma negativa no 3º Período no final do ciclo, tem que sair da escola. Mas, para uma escola vocacionada para o ensino da música, penso que esta medida tem muita lógica para que só fique lá quem queira ou tenha mesmo jeito para aquela área.

    Digo-vos já que os bons resultados devem-se principalmente ao bom ambiente da escola, tanto entre professores, entre alunos e entre professores e alunos. Os professores preocupam-se realmente com os seus alunos e ajudando-os sempre que é preciso.

    Um antigo estudante do Conservatório

    ResponderEliminar
  5. de referir o colégio das 7 fontes como a escola que teve maior diferença entre as notas finais do ano lectivo e as notas dos exames...

    será que lá dão as notas e depois os exames mostram como são os alunos?

    ResponderEliminar
  6. nao percebo...num ranking era uma escola islamica de palmela que liderava neste ranking quem lidera é a calouste gulbenkian? rankings diferentes?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores