Porque Votar é Preciso

| Partilhar
manuela ferreira leite psd

Não há muito a dizer depois da campanha eleitoral. Não há muito a dizer depois dos episódios que a marcaram. Não há, sequer, muito a dizer sobre as mudanças de estilo de Sócrates. Não há muito a dizer do "programa" de governo do PS, do seu carácter inovador, da sua aposta no investimento público e demais benesses que os "colunistas" lhe prevejam. Não há muito mais a dizer sobre a licenciatura do candidato socialista, sobre os projectos de casas aberrantes que aprovou, sobre os "Charruas", "Antónios Balbinos Caldeiras" e "Joões Migueis Tavares" deste mundo, que se viram saneados ou processados pelo mero exercício da liberdade de opinião. Não há muito a dizer sobre jornais silenciados e jornalistas afastados. Não há muito a dizer sobre as promessas não cumpridas, sobre os "jamais", os "camelos" e os Magalhães ioiô. Não há muito a dizer sobre o desprezo pelos professores, médicos, funcionários públicos e demais categorias profissionais que se queiram nomear. Não há muito a dizer sobre as ingerências em processos judiciais como o Freeport, sobre as pressões inaceitáveis exercidas sobre titulares de um pilar sagrado do Estado, como é o da justiça. Não há muito a dizer sobre a agricultura, sobre os milhões perdidos em favor de Bruxelas. Não há muito a dizer sobre a bandalheira do QREN. Não há muito a dizer sobre a taxa de desemprego recorde. Não há muito a dizer sobre o défice, nem tão pouco sobre as ajudas selectivas a determinadas empresas em desfavor da livre concorrência.

Em suma, não haverá muito a dizer sobre um país que opte por reconduzir como Primeiro-Ministro uma máquina de propaganda ao invés de um(a) líder. Mas há algo que todos podemos fazer. Todos podemos votar e dizer basta. E isso, caros (e)leitores é dizer muito.

20 comentários:

  1. Eh!Eh!
    Votar é preciso e depois uma foto do PSD...
    Propaganda camuflada?

    ResponderEliminar
  2. Não se trata de propaganda. Trata-se de escrever claro e justificar isso mesmo. Assino por baixo.

    ResponderEliminar
  3. Este senhor acha que isto é propaganda camuflada.
    É propaganda mas, de camuflada não tem nada.

    ResponderEliminar
  4. O que o senhor chama de "desprezo" pelas classes sociais eu chamo de PÔR NA LINHA. Não há muito a dizer, mas há muito mais ainda a fazer. E é por isso que talvez se surpreenda se domingo à noite assistir à renovação da maioria socialista. Ou ainda acredita que a Sra. Ferreira Leite vai sequer morder os calcanhares de Sócrates ?

    ResponderEliminar
  5. Acho que não está nada camuflada, mas também não teria que estar..

    Parece-me importante, de facto, que as pessoas se lembrem novamente daquilo que foi este último governo.. Aquele q esteve lá a fazer a, b ou c, pleno de prepotência e que grita agora q nos próximos anos é q vai ser.. Aí é que vai fazer as coisas boas para toda a gente.. (estilo benfica campeão pro ano, e pro outro a seguir.. Ou depois..)

    É que a voz e postura de carneirinho mal morto do pseudo-engenheiro servirão para enganar muitos q depressa se voltarão a lembrar que é mais do mesmo.. Aquela "folha" pseudo-caduca da arrogância do suposto eng. (q eu não contaria q viesse a cair no verão) voltará em força, e agora perene, com o avançar do Outono, se o PS ganhar..

    Estou farto deste gabirú de dedo em riste.. Que meta o dedo no...
    Ainda está pra nascer um primeiro ministro com um passado tão consistentemente vergonhoso...

    ResponderEliminar
  6. São estes posts que deixam a imparcialidade e neutralidade destes blogue pelas ruas da amargura.
    Continuem.

    ResponderEliminar
  7. nunca pensei ver este tipo de propaganda no avenida central!vergonhoso!
    reles cronista...
    os autores deviam ter mais atenção na moderação dos post's!!!

    ResponderEliminar
  8. Haverá muito mais a dizer se um país decidir votar numa líder sem propostas, do que num programa sério de governo, apresentado e discutido.

    ResponderEliminar
  9. @Anónimo das 12:21 o Avenida Central, como blogue, é um espaço livre onde cada autor pode expressar livremente a sua opinião. A redundância serve para esclarecer que não temos a obrigação da imparcialidade.


    @rioter os autores do Avenida Central não moderam nem nunca moderaram uma entrada de um cronista, nem nunca o farão. Da próxima tente ser menos impulsivo e construa um discurso mais construtivo, expondo a sua opinião com argumentos válidos, não partindo logo para o insulto fácil.

    ResponderEliminar
  10. Como disse o Cláudio Rodrigues, o cronista não tem de ser imparcial. As pessoas que acreditam nisso na imparcialidade fora do jornalismo (e, às vezes, nem aí) demonstram uma ingenuidade confrangedora. Enfim...

    Quanto à cronica em si, deva-se acrescentar que o percurso desta liderança do PSD também não se fez fora de vias travessas. Infelizmente, não há pano onde não caia nódoa. E é essa a nossa triste sina.

    ResponderEliminar
  11. Não pretendo camuflar coisa nenhuma, já fiz a minha declaração de intenções várias vezes. Eu voto PSD, é o único voto que pode alterar o estado de coisas. Sejamos sérios, é impossível governar um país com qualquer das forças de esquerda. Um governo minoritário do PS cairá inexoravelmente dentro de 2 anos (máximo).
    Quanto às ideias do PSD tenho pena que poucos as conheçam, elas foram repetidas à exaustão durante a campanha, pena é que a imprensa se entretenha facilmente com "fait-divers", gaffes e outros contextos, ao invés de se preocupar com os textos. O que fará e não fará foi repetido à exaustão, mas isso não dá audiências, não vende jornais, nem incrementa as pageviews...

    ResponderEliminar
  12. "(...) Há quem diga que o vamos ter durante mais uns anos. É possível. Mas não é boa notícia. É sinal da impotência da oposição. De incompetência da sociedade. De fraqueza das organizações. E da falta de carinho dos portugueses pela liberdade." (António Barreto)
    Via Terrear

    ResponderEliminar
  13. Como uma Avenida plural que se diz ser, e que tem sido, ficamos à espera de outro cronista com uma visão diferente.
    Como alguém já disse, a Avenida não tem obrigação à imparcialidade mas se defende a pluralidade de opiniões era bom que alguém zelasse pelo contraditório

    ResponderEliminar
  14. Subscrevo por inteiro essa reflexão do António Barreto, é que é isso mesmo.

    ResponderEliminar
  15. Como o Hugo Monteiro disse, os autores desta Avenida não têm de ser imparciais. Apesar disso, se o blog é plural na opinião - que é, diga-se a verdade, a forma como sempre se apresentou aos seus leitores - deve passar a palavra também aos socialistas.
    Estou certo que o blog dará o devido espaço a uma outra opinião, ao contraditório. Caso contrário a Avenida não faz juz à pluralidade que sempre defendeu.

    ResponderEliminar
  16. Caro João Marques

    Muito obrigado pela sua referência e solidariedade. Espero que estes tempos tenebrosos não se prolonguem. Trabalhei muito (diariamente) nos últimos 4 anos e meio, em nome da liberdade, da democracia e de Portugal, para que assim aconteça. Confio na vitória do PSD de Ferreira Leite e na derrota do PS.

    Todavia, na vitória ou na derrota, temos de estar unidos. Uma vitória sem maioria de direita requer tanta unidade para recuperar o Estado do controlo socialista quanto uma derrota que continua a repressão e a desgraça económica.

    ResponderEliminar
  17. Não tem de quê caro Albino. Não é um especial favor que lhe faço, é um imperativo de que não prescindo. A defesa da liberdade de expressão não tem cor partidária e é uma conquista não só de Abril, mas sempre e sobretudo da civilização ocidental.
    Na política, como na vida, não vale tudo, é bom não o esquecermos.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores