Ganhar Eleições

| Partilhar

© Pedro Guimarães / projectobragatempo

É um dado adquirido que neste concelho há muitos eleitores que - mesmo votando regularmente no PS - estão desejosos que Mesquita Machado saia. Vêem Mesquita, entre outras coisas, como o grande responsável pelo desmando urbanístico do concelho. A uma parte destes eleitores é indiferente o perfil do candidato da oposição pois o que desejam é simplesmente uma mudança (na verdade, uma “limpeza”). Para estes eleitores, o voto em Ricardo Rio poderá ser a solução mais eficaz para realizarem o seu desejo.

Mas há outros eleitores que, apesar de discordarem da política de Mesquita, precisam de acreditar na alternativa. Para deixarem de votar nos partidos (de esquerda) precisam de ver e sentir que vai de facto haver uma mudança para melhor (e não uma simples mudança). Ora, ter um projecto para Braga não é uma missão muito difícil. Mesquita facilita bastante esta tarefa na medida em que, além das já três décadas de poder e do demasiado visível desordenamento urbano, tem vindo a rodear-se de uma equipa cada vez mais fraca e desgastada, apresenta cada vez menos promessas ambiciosas e parte dos seus projectos são reformulações de projectos falhados (Mercado do Carandá, renaturalização do Rio Este) ou até simples repetição de promessas anteriores (Parque Norte, Parque das Sete Fontes, Braga Digital).

É por isso extraordinário que Ricardo Rio, que há seis anos se apresenta como alternativa a Mesquita, ainda não tenha programa. Há mais de um mês que a secção Programa do seu site está em construção. Apenas hoje – a dez dias das eleições – será finalmente apresentado.

Mas para ter um projecto credível, além de ideias, é necessário uma equipa a sério. Convém não esquecer que por uma imposição legal (absurda), após as eleições o Presidente da Câmara não pode escolher livremente os seus vereadores. É por isso confrangedor ouvir aqui as declarações da desconhecida equipa de Rio - nem uma ideia para a cidade! Aliás é sintomático desta falta de estratégia a escolha de Miguel Bandeira para mandatário. Se Bandeira é, sem dúvida, uma grande mais-valia (e a meu ver, para qualquer lugar no município), não deixa de ser um desperdício que, a alguém com toda a sua experiência, visão e conhecimento da cidade, seja oferecido um lugar efémero e decorativo. Se, por exemplo, a coligação tivesse apresentado Miguel Bandeira como futuro Vereador do Urbanismo teria dado aos bracarenses um sinal firme de que tudo iria mudar com estas eleições.

Perante isto fica a dúvida: Ricardo Rio quer mudar a cidade ou só quer ganhar as eleições?

[artigo publicado hoje no Diário do Minho]

21 comentários:

  1. Muito bem. Esta posição é muito próxima da minha que não entendo que valha a pena mudar por mudar e não vejo grandes mértitos na candidatura de Ricardo Rio.
    Saliento a insuspeição do Luís Tarroso Gomes que não escreve este artigo por ser apoiante de Mesquita Machado. Não o é, nem de perto nem de longe.
    Por isso me inclino para não gastar tinta (só papel) na próxima eleição à câmara.

    João Costa

    ResponderEliminar
  2. A pouco mais de 10 dias das eleições vires tecer esta crítica não lembra nem ó diabo ó Tarroso. Ainda para mais desconhecendo tu o programa da Coligação- que por sinal hoje vai ser conhecido...- só me leva a suspeitar que agora já é tarde demais para meteres um pauzinho na...Mudança.Quanto ao vereador : já pensaste que pode vir a ser alguém de valia idêntica ao colega Miguel Bandeira ? Já pensaste que se calhar outros voos aguardam MB ?
    Foste infeliz no escrito, por isso estás perdoado. Raul

    ResponderEliminar
  3. Eu acredito no Miguel Bandeira para esta cidade! Um verdadeiro exemplo de cidadania. Um senhor!

    ResponderEliminar
  4. Viva o Miguel Bandeira! Estou com ele!

    ResponderEliminar
  5. Totalmente de acordo, Luís.
    Como sempre, lúcido e assertivo, tocas na ferida: que equipa, a de Ricardo Rio? Porque não Miguel Bandeira para o urbanismo? Que excelente ideia.

    Um abraço,
    Guilherme

    ResponderEliminar
  6. Deixa-te de bloquices Tarroso.

    ResponderEliminar
  7. Mudar as moscas é preciso.

    ResponderEliminar
  8. João Costa,

    o voto certo não é em branco, é Mais do Mesmo.
    Assim, já sabes com o que podes contar. Imobilidade na Continuidade.

    ResponderEliminar
  9. Caro Lúis,

    Sei que és um bracarense atento. A tua participação cidadã é disso um exemplo, como aliás deve ser um exemplo para todos. Por isso é que estranho.
    Há alguém nesta cidade que desconheça as propostas de Ricardo Rio para o centro histórico do concelho? Para a cultura? Para a educação? Para aproximar a Câmara Municipal dos bracarenses? Para o ordenamento do território? Entre tantas e tantas outras que formalizou enquanto vereador e que apresentou publicamente?
    Só alguém incauto e distraído não conhece.
    Como tu não és uma coisa nem outra, por isso estranho.

    ResponderEliminar
  10. estranho eu conheci as propostas do ricardo faltavam 15 dias e só não as conheceu quem não quis

    ResponderEliminar
  11. Um texto mais descontextualizado era impossivel... logo no dia da apresentação pública do programa, que há anos ( e com mais incidência nos últimos meses) anda a ser apresentado aos bracarenses. Quantas apresentações públicas foram feitas nos últimos meses? Dezenas, quantas assistiu? Possivelmente nenhuma, senão conheceria muitas das propostas que ontem passaram ao papel como programa, mas que são já conhecidas de muitos bracarenses por todo o concelho! Só quem anda distraido ou nunca leu um jornal local pode alegar desconhecer grande parte das propostas que foram apresentadas, no urbanismo, ambiente, cultura.

    ResponderEliminar
  12. Pois não, Dario Silva. Certo não é. O mal é que vejo os outros como errados.
    Nenhum candidato me convence minimamente.
    Assim, ou me abstenho (o que recuso), ou voto num candidato em que não acredito (o que me custa muito) ou voto branco. Votando branco não dou 2 ou 3 euros a nenhuma candidatura e dou o meu sinal nas urnas. Não decide nada. Mas com a qualidade que eu (não) reconheço ás candidatura, prefiro que venha o diabo e escolha.

    Hugo Soares, eu acompanho o blog do Ricardo Rio e desconheço propostas de fundo em todas essas categorias.

    ResponderEliminar
  13. Perdoem-me o termos duros, mas apetece-me citar Bertolt Brecht (a partir de um site Brasileiro). A citação deve e pode ser contextualizada a Braga na medida de cada leitor.

    “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.”

    No dia 11, não é tempo de ficar em cima do muro. Os Bracarenses devem escolher um dos lados. Qualquer opção é melhor que ficar indiferente.

    Em “A Invenção do dia claro” Almada Negreiros escreveu: “Quando eu nasci, as frases que hão–de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa salvar a humanidade.” E Braga precisa de inventar dias claros!

    No dia 11 a opção é simples: optar entre os dias escuros e os dias claros.

    O poder socialista apenas nos pode oferecer a continuidade de dias escuros. Dias sem energia e liderança. O programa de Mesquita Machado está simbolizado nos canteiros da sua mais recente obra. São ideias velhas para uma cidade adormecida. Braga merece mais. Braga precisa de mais. Qualificar o centro da cidade é muito mais que fazer áreas pedonais e fazer canteiros. Qualificar o centro da cidade é criar motivos para trazer as pessoas de volta à cidade. E isso já está provado que esta poder não sabe fazer.

    Considero que Ricardo Rio é esperança de dias claras. Só o Ricardo Rio pode acabar com os dias escuros de Mesquita Machado. É o dia que se opõem à noite. Nos últimos 4 anos o Ricardo Rio já demonstrou que conhece as palavras e possui energia para as aplicar.

    No dia 11, não fiquemos pelas palavras. Voltando a Brecht, não sejamos ignorantes.

    ResponderEliminar
  14. Fico triste com este post. Não é a questão de mudar por mudar. Mas Mesquita Machado representa o pior que há na política autárquica. Os bracarenses querem continuar a reafirmar a sua indigência.

    ResponderEliminar
  15. Agora posso comentar, porque já alguém escreveu as palavras que eu queria:

    "Fico triste com este post. Não é a questão de mudar por mudar. Mas Mesquita Machado representa o pior que há na política autárquica. Os bracarenses querem continuar a reafirmar a sua indigência."

    ResponderEliminar
  16. A todos e em particular ao Horácio e Cláudia:

    Eu fico triste por acharem que a culpa é dos bracarenses… Se lerem os comentários anteriores constatarão que, por muito que não queiram, os bracarenses que têm dúvidas, existem. E isso só pode prejudicar a desejada mudança.

    Falta saber o que poderá ser ou poderia ter sido feito para haver menos gente com dúvidas. No post tentei encontrar algumas razões... e até agora não vi ninguém a rebatê-las seriamente.

    ResponderEliminar
  17. Luis, lê o comentário de Brecht e já ficas a saber pq não pode haver rebate sério. És inteligente e aplicado, logo não podes desconhecer o programa que Rio anda a apresentar aos bracarenses há seis anos...
    Agora, se devia estar no site, devia, mas há muita coisa que devia ser feita, a começar por falar verdade em vez de levantar dúvidas mais ou menos estéreis...
    Afinal, ainda ninguém pode votar pela net...
    Afinal, como reconheces na abertura do texto, Rio é um "dia claro" face a um passado e presente negro em Braga...
    Quanto às ideias da restante equipa, concordo que podiam ser mais conhecidas, se Rio tivesse optado por um "governo sombra" com pelouros já distribuídos. É uma questão de estratégia política. Mas desmerecer a equipa do PSD é ignorar pessoas que têm passado, carreira profissional e serviço público prestado... face a um bando de indigentes afilhados, que subiram na vida rapando sempre o mesmo tacho.

    Claro que o professor Miguel Bandeira é uma mais-valia no urbanismo, talvez por isso, aceitou ser mandatário e dar o sinal da mudança que está em causa.

    E quem fala assim não é laranjinha nem bloquista. É apenas uma questão de bom senso.

    ResponderEliminar
  18. Não conheço o autor deste artigo, que alguns comentários o dão como inteligente e esclarecido.

    "É por isso extraordinário que Ricardo Rio, que há seis anos se apresenta como alternativa a Mesquita, ainda não tenha programa"

    O senhor Terroso, na minha opinião, anda completamente distraido, mal informado ou mal intencionado.

    Por o senhor não conhecer o programa - não conhecerá certamente as pessoas da equipa do RR - não quer dizer que elas existam. Por favor, informe-se antes de escrever sobre assuntos que desconhece.

    ResponderEliminar
  19. No outro dia, ouvi ,Medina Carreira,ser questionado como seria ,na sua opinião,o futuro do nosso país. Resposta: " o futuro ,estará nas mãos dos portugueses "
    É bom ter o poder da escolha,desde que se faça uma boa escolha!!!!
    Mas, essa escolha,tem que ser de todos!!! Não basta,a poucos querer mudar!!!Não?!!!!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores