O Rei Vai Murcho

| Partilhar
O esplendoroso valor simbólico da acção terrorista de hoje é tão anedótico como a causa monárquica dos dias que correm. No entanto, este é um daqueles casos em que é evidente que quem não consegue erguer o seu próprio mastro tem que se contentar a hastear no mastro dos outros. É a vida.

21 comentários:

  1. No dia em que este país não consegue apreciar o humor num Darth Vader como rei, considero que a nossa cultura está condenada...

    ResponderEliminar
  2. Um post à 31! Parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Bem. Uma coisa é certa, apesar de tudo a bandeira monárquica é mais fashion que a parola republicana - muito kitch.

    ResponderEliminar
  4. Pensei que o Pimenta gostasse da bandeira da República.
    Tem muita cor como a do movimento gay.

    ResponderEliminar
  5. Não, caro anónimo. Verde e vermelho, assim junto, não faz pandant.

    ResponderEliminar
  6. Quem não ficou rendido à força destas ideias depois de tal acção corajosa?? :)

    ResponderEliminar
  7. Acção terrorista? Parece-me exagerado. Foi um acto inofensivo, dentro dos (meus) limites do aceitável e gostei do pormenor do Darth Vader. Podiam era ter usado o fato completo.

    ResponderEliminar
  8. xiça... mas que post tão machistómarialva :->

    ResponderEliminar
  9. Eu achei piada ao que os 31's fizeram. E é isso que aquilo foi, apenas isso. Ver ali um atentado seja ao que for, parece-me um exagero... a CM de Lisboa devia era ter vergonha de nenhum dos seus funcionários ter reparado na troca de bandeiras durante uma manhã inteira. Isso sim é preocupante.

    ResponderEliminar
  10. E já agora - à semelhança da silly season passada e da invasão das plantações de milho - será que o Sr Presidente vai dizer alguma coisa??

    ResponderEliminar
  11. "Quem não ficou rendido à força destas ideias depois de tal acção corajosa?? :)"

    a) não nos rendemos à força de ideias por acções, elas têm de valer como ideias.

    b) a acção têm piada, a finalidade da mesma tem mesmo de ser uma piada.

    c) não me parece uma acção corajosa, apenas um gesto de humor.
    mas fraquinho...

    ResponderEliminar
  12. Eu uma vez pensei uma coisa engraçada para arremessar contra essa coisa da Monarquia.
    Esqueci-me do que era.
    Mas... a Monarquia anda por aí o suficientemente ridícula para que eu me recorde um dia destes. Estou confiante que sim.

    ResponderEliminar
  13. «No entanto, este é um daqueles casos em que é evidente que quem não consegue erguer o seu próprio mastro tem que se contentar a hastear no mastro dos outros. É a vida.»

    Caro Pedro, nem mais.

    Caro Vítor, penso, também, que as cores azul e branco são "bem mais simpáticas" do que o kitsch cromático do verde e vermelho. Enfim, são gostos.

    ResponderEliminar
  14. Ó Pedro, que falta de fair play!

    Abraço!

    joshua

    ResponderEliminar
  15. Ivan,

    O sarcasmo é algo de desconhecido para si não é? Por falta de bandeiras o meu humor não deve ter sido bem entendido…

    ResponderEliminar
  16. As bandeiras não são feitas para serem bonitas ou feias, nem para serem "fashion", nem para serem usadas em brincadeiras de mau gosto.
    O verde e o vermelho a que se referem aqui nos comentários são um símbolo da história de Portugal.
    Não são um conjunto de cores que se pinta nas paredes de um bar, ou numa camisola.

    ResponderEliminar
  17. Se querer pregar sermões, não posso deixar de ficar espantado com os comentários expressos por pessoas que por várias vezes defenderam neste forum a luta por um estado de direito e cumpridor da lei pelos indivíduos e pela sociedade (incluindo instituições governamentais e não governamentais.
    O que se passou neste evento continua a ser à face da lei um acto de vandalismo, invasão de propriedade, apropriação indevida de bens de terceiros e uma clara ruptura com todas as regras e leis da sociedade em que vivemos. Caso não fosse, certamente teriam a coragem de o fazer de dia e não na sombra da marginalidade.
    Este é claramente um acto de vandalismo tão repugnável e condenável como o espancamento de um travesti, discriminação dos homossexuais, construção de barragens, a corrupção na política e no futebol ou as múltiplas questões relacionadas com os transportes entre outras. Não é um acto com piada. É um crime!

    Se calhar a minha geração "rasca" deve ter conceitos diferentes de liberdade e libertinagem.

    JM

    ResponderEliminar
  18. Hoje em dia "um punhado de homens, contra a
    vontade da maioria dos Portugueses" vive 200 atrás dessa maioria, e pretende uma restauração, nem se sabe bem do quê. Usam alegados títulos nobiliárquicos, assistem a touradas do camarote e acenam com a mãozinha ao "povo" pobre e inculto. Baptizam os filhos para as câmaras de televisão, embora os miúdos sejam tão inteligentes ou tão anormais como os restantes.

    Essa gente precisava de bater com a cabeça na mesa de cabeceira para ver se acordava.

    ResponderEliminar
  19. Estão a valorizar um acto de vandalismo demonstrativo da perda de valores e libertinagem tão ao gosto de meia dúzia de intelectuais falhados, que procuram notariedade desrespeitando os valores de milhões de Portugueses.É esta gente que duvido algum dia faça algo de positivo na sociedade. Trabalhem dez ou mais horas sem Descanso, cumpram horários com entradas ao serviço ás quatro ou cinco da manhã e depois talvez, façam coisas menos nojentas...

    ResponderEliminar
  20. Vejam lá, se não há por ai um qualquer esqudrão do Buiça e vos encabe a todos.

    ResponderEliminar
  21. Nenhum País com uma Constituíção aprovada pode tolerar práticas objectivas lesivas ou ilegitimidades das narradas anteriormente.Está em causa um símbolo do País...uma referência histórica , um País escolheu aquela e não outra Bandeira.Só uma Revolução, uma mudança na organização política, poderia permitir substituir a Bandeira Nacional, que sempre, seja ela qual for, deve merecer o respeito dos Portugueses.Imaginem se isto ocorresse em qq outro País?Esta terra tem leis e devem ser obedecidas, cumpridas e quando mal rectificadas.No caso devem ser punidos os autores da injúria pública.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores