O Querido Mês de Agosto

| Partilhar
toni carreira - festival credial_2007© alkmix_lux

Não há nada mais categórico a assinalar a chegada do Verão. É quase como que uma segunda data oficial de chegada da estação estival. Monovolumes, carros 'station wagon' para trazer toda a família, cada qual com o seu traço distintivo e identificador: a matrícula. Francesas, espanholas, luxemburguesas, suíças... Aos poucos, os carros dos emigrantes vêm mostrar aos portugueses, sem ser no papel, que agora sim!, estamos de férias.

É uma das coisas que por aí grassa nestas alturas de silly season, parcialmente atenuada com o regresso da Liga de futebol. Quem tem os emigrantes na família aprende a valorizar estas escassas semanas de contacto, trocadas no fim do mês pela busca de uma vida melhor, um carro melhor, uma casa melhor. A portugalidade vira sabor agri-doce: se por um lado não se coíbem de exibir as suas origens nas viaturas (cachecóis, autocolantes, terços...), por outro ostracizam, voluntariamente ou não, a língua portuguesa. 'Ordinadores' e 'd'accordo' são alguns dos exemplos que no 'Bom Português' da RTP levavam com o som da sirene.

Como complemento da onda de emigração, para as boas-vindas ou, quiçá, para prestar alguma homenagem, variados cantores dedicam grande parte das suas composições aos portugueses que trabalham no estrangeiro. Um deles é Graciano Saga, outro o Marante; com os seus espectáculos de Verão trazem-nos outro postal ilustrado da época: as festas tradicionais das freguesias minhotas.

Durante todo o ano fazem-se os preparativos. Peditórios, comissões de festas, donativos... tudo para que, na data do costume, a festa possa agradar às expectativas do povo. E há vários itens a considerar: localização, bandas, foguetes, procissões, ranchos, etc. Quanto mais farto o orçamento, mais conhecido o artista. Até os cachets deles divergem substancialmente: enquanto a Ruth Marlene se fica por uns modestos 11 mil euros, o super Tony Carreira cobra cerca de 45 mil... e não em qualquer palco.

E é ver o povo todo reunido nestas festas, tradicionalmente nos sábados à noite. Novos e velhos, sem excepção, vão na onda. Os emigrantes vêm, pois, compor um pouco mais o número de habitantes das várias localidades do Minho. E ajudam a preencher o retrato do querido mês de Agosto. E, sim, é certamente a altura de maior sentimento de pertença e inclusão na comunidade e no país que o povo sente. Sim, apesar de a juventude achar a música pirosa, o fenómeno é deveras interessante e espelha os costumes das nossas gentes.

Lanço uma sugestão: se tiverem fotos das festas da vossa aldeia, ou se vão a alguma em breve, enviem-nas para o email do nosso estabelecimento (avcentral@gmail.com) e, lá para inícios de Setembro, haveremos de fazer uma galeria com elas. Mesmo que não sejam do Minho - sei que, pelo menos no Norte (Douro e Trás-os-Montes incluídos), a festa é semelhante.

10 comentários:

  1. Os autores deste blog odeiam o povo e o que é popular.
    Sentem-se no topo do mundo.
    Metem-me nojo.

    ResponderEliminar
  2. Caro anónimo, não compreendeu o texto, certamente. Leia mais uma vez e verá que não digo mal do povo nem dos seus costumes. Apenas faço um retrato do que se passa.

    ResponderEliminar
  3. O anónimo gosta pelos vistos...

    ResponderEliminar
  4. Um bom retrato no nosso querido mês de Agosto. ^^ Parabéns!

    ResponderEliminar
  5. Férias, lazer, conviver e passear, visitar amigos, participar em Festas...parece ser assim o Verão em Portugal.Se o povo precisa de algo mais...acredito que sim, quando a qualidade de vida e a Educação permitir outros horizontes e exigências.Reparem não pretendo minimizar o povo a que pertenço e do qual me orgulho,mas imagino um País diferente, porventura igual aquele que por vezes o nosso Primeiro Ministro idealiza...todo azul e rosa.Enquanto ouver fome e miséria, excluídos socialmente e gente muito bem instalada...mesmo de duvidosa bondade...isto não melhorará.

    ResponderEliminar
  6. Festas e Funerais, são sintomas de realidades diferentes.Ás primeiras vamos por vontade ou convite, ás segundas contrariados.O Povo quer alegria e Agosto é o mês escolhido para Férias....compreende-se, depois são opções, a escolha de música Portuguesa ou Estrangeira, esta mais ao gosto dos jovens pretensamente evoluídos....parece bem falar ou soletrar qualquer coisa mesmo quando se desconhece o significado...está na moda e é chic.

    ResponderEliminar
  7. Pertenço ao grupo dos que gostam de música Portuguesa.Gosto dos espectáculos ao vivo em noites de Verão.Nada percebo de música estrangeira e sou Português, talvez inculto nesta matéria.Deito-me cêdo 23h, porque sei tenho de me levantar ás 6 para ir trabalhar.Gostaria um dia de estudar...mas não posso, tenho de cumprir outras obrigações.Parabéns aos que sem saber Inglês ou Francês, adoram músicas com letras naquelas línguas...são realmente inteligentes.Quanto à cultura ela é por demais necessária, mas pertenço ao grupo, pouco numeroso, dos que entendem ser FUNDAMENTAL a educação e essa nenhuma cultura a dá.

    ResponderEliminar
  8. Caros gosto das vossas opiniões.Aprendo a olhar em redor e ver de forma diferente o caminho que muitos jovens querem seguir.Agora fiquei triste porque não tive Férias e o dinheiro não chegou para comprar uns óculos, depois de ter pago a consulta.Depois quero ler e comprar livros e não posso.Ando preocupado com o emprego...queria que meus filhos tivessem uma vida melhor, mas está difícil.Tudo isto para concluir...sejam felizes mas nunca esqueçam os que pouco ou nada têm.Optem por falar de coisas do povo e as tradições Portuguesas, as pimbas, etc, etc, mantenham-nas, respeitem o gosto dos outros.Sabiam que a Rádio SIM é hoje a mais procurada pelos Portugueses!Estudem e expliquem com argumentos.

    ResponderEliminar
  9. Em qualquer época do Ano temos repartições Públicas a encerrar ás três e quatro da tarde, sendo certo que à hora de almoço, quase não têm pessoal a atender.Pior fechados ao Sábado.Então eu se necessitar de lá ir terei mesmo de faltar ao trabalho!Porque não existem nessas repartições, onde sempre se fala em excedentários e se pedem reformas aos 55Anos, dois turnos de serviço? Ou Então encerrem de vez e ponham os serviços na loja do cidadão.Em Agosto então nem se fala...aquelas caras raramente mostram bom tempo.

    ResponderEliminar
  10. Isso seria uma verdadeira Revolução e Evolução, não tem interesse e mexia com gente bem instalada na vida.A regra é e será quanto pior melhor, dessa forma os Mediocres singram na vida sem qualquer esforço e ninguém os distingue na multidão.Viva...Viva...e depois um pedido do género,tenho um sobrinho sem emprego...não haverá aí um lugarzinho? Não sei isto está mau...mas fale-me amanhã na reunião no partido e veremos o que é possível fazer-se.O resultado será...agora só é possível por concurso, mas mande o rapaz até lá...vai-se ambientando e depois a gente coloca no concurso uma normazita a geito...Durante Anos dizia-se o sistema funcionava assim, hoje será diferente?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores