Parolismo

| Partilhar
Parolismo, Guimarães. Fotografia de Cláudio Rodrigues 2009
© Cláudio Rodrigues

37 comentários:

  1. Porquê este post a criticar a Finlândia? Se calhar vai ao mundial e os finlandeses estao a por a bandeira à janela.

    ResponderEliminar
  2. Porquê este "post" a criticar o Condado Portucalense?
    Se calhar o dono da "bandeira" é adepto da regionalização, e resolveu por a bandeira à janela.


    Cumprimentos

    José Magalhães

    ResponderEliminar
  3. Aí em Braga podem meter à janela uns estandartes romanos... Com a inscrição "SPQR" ou algo alusivo ao império romano!

    As gentes de Guimarães não têm culpa da falta de gosto e bairrismo que paira por Braga!

    ResponderEliminar
  4. Rui, a fotografia foi tirada em Guimarães.

    ResponderEliminar
  5. Não é parolo, mas parolismo. ;)

    Vender centenas de bandeiras para se "espalharem pela cidade" com uma imitação da heráldica do escudo do primeiro Rei de Portugal com vista a promover o comércio tradicional e celebrar o 24 de Junho não me parece grande iniciativa... A não ser para quem as vende, claro (a ACIG, no caso em concreto).

    No Castelo de Guimarães, inserido nas comemorações do 24 de Junho, já concordo. Esta aqui, a apodrecer aos poucos, era dispensável.

    ResponderEliminar
  6. Pobre ignorância...

    ResponderEliminar
  7. Eh eh... os espanhóis estão tolos!!...

    ResponderEliminar
  8. Por acaso tb não percebi onde está o parolismo para ser honesto!

    Os vimaranenses têm todo o direito de celebrar o facto de serem o berço da nação...

    Um texto explicativo ajudava imenso!

    ResponderEliminar
  9. Santa ignorância!!!
    Agora não se pode celebrar a fundação de Portugal com a própria bandeira da fundação portuguesa!? Isto é, com a primeira bandeira portuguesa!?
    Enfim...

    No comments...

    Os melhores cumprimentos.

    ResponderEliminar
  10. O acto de colocar uma bandeira na janela é intrinsecamente parolo e isso não tem nada a ver com ser de Guimarães ou não. É parolo. Ponto final!

    ResponderEliminar
  11. Não bate certo ao parolismo intelectual bracarense chamar "espanhóis" ao Berço da Nação... Portuguesa !

    essa é que é essa...
    é só rir!

    ResponderEliminar
  12. parolismo é aquela treta de braga com os romanos. a quem até chamam guerreiros. guerreiros eram os bárbaros. os romanos eram soldados. tinham uns escravos que os divertiam matando-se a quem chamavam gladiadores.

    ResponderEliminar
  13. Como vimaranense sinto-me envergonhada por estas iniciativas. Há tantas coisas boas para mostrarmos, agora.... bandeiras!!! Meu Deus. Devíamos era estudar a História de modo a que todos os cidadãos pudessem informar os turistas que nos visitam.

    ResponderEliminar
  14. Eu ouvi dizer que Viseu é o berço da nação!?

    ResponderEliminar
  15. Eu não partilho da tese que a Batalha de S. Mamede seja a data fundadora da nacionalidade. O Conde era súbito de Afonso VII de Leão e Castela e o Afonso VII não tomou parte na batalha. O 24 de Junho de 1128 foi uma batalha de duas fações (foi uma disputa pelo Condado), não estava (ainda) em causa a vassalagem a Afonso VII. É por isso que entendo que as celebrações Guimarães são apenas fruto de uma leitura interessada, no entanto errada. Do ponto de vista da afirmação de Guimarães esta mistificação faz todo o sentido, mas não a torna mais correcta.

    ResponderEliminar
  16. haviam de se passear em itália e reparar nas bandeiras do arco-iris (todo gayzola) nas janelas;
    Haviam de se passear na américa e reparar nas bandeiras tricolores com estrelinhas tipo barbie nas janelas;
    haviam de se passear na china com todos aqueles estandartes nas janelas a lembrar anteriores cenários;
    haviam de se meter mais nas vossas vidas e menos nas dos outros!
    parolismo é um estilo muito pobre, ajudem-no a enriquecer!

    ResponderEliminar
  17. Certamente que se tratasse de uma bandeira Arco-Iris, já não era tão parolismo...

    ResponderEliminar
  18. Eu acho que há muita gente que não gosta que os outros tenham opinião. Parece-me...

    ResponderEliminar
  19. Não é mais parolo do que as bandeiras de Portugal propagandeadas pelo Prof. Marcelo em 2004. Mas estamos de acordo, Claudio, é uma iniciativa infeliz.
    Ainda que os 2,5 euros que as ditas custavam, multiplicadas pelas largas dezenas que estão na cidade, tenham dado um bom incoming financeiro à Associação Comercial.

    ResponderEliminar
  20. É o que eu defendo, acho que ninguém ganhou nada com isto, excepto a ACIG!

    E nada disto tem a ver com significados, bairrismo, amores, ódios... Tem a ver com educação visual. No caso, poluição visual...

    ResponderEliminar
  21. A dor de coto, continua...
    Aqui em Espanha, mandamos nós...
    Aí em Marrocos, mandam os ignorantes que não estudaram HISTÓRIA...

    ResponderEliminar
  22. Parolice é os Minhotos ocuparem-se com coisas menores e não pensarem a sério na Autonomia do Minho.

    ResponderEliminar
  23. Parolice e, já agora, parolismo é pensar que existe uma coisa chamada Minho.

    ResponderEliminar
  24. Eu digo-vos o que é parolismo... Parolismo é ver andar, com roupas ou outros utensílios diários que contêm símbolos ou bandeiras de outros países, os portugueses que dizem "chic's" e que vestem roupas de marca com esses símbolos...
    Agora andar ou mostrar a nossa bandeira, símbolo da nossa nacionalidade não é vergonha nenhuma nem parolismo mas sim uma mostra do nosso orgulho no significado de tais coisas...
    Mas pelo que estou a ver, aqui são todos adeptos do pensamento comum do povinho português: "O que é estrangeiro é que é bom!!!"
    Enfim...

    Os melhores cumprimentos.

    ResponderEliminar
  25. "Mas pelo que estou a ver, aqui são todos adeptos do pensamento comum do povinho português: "O que é estrangeiro é que é bom!!!"
    Enfim..."
    – 1128 Spirit

    Spirit?? S-P-I-R-I-T ????? "O que é estrangeiro é que é bom!!!" Ooops! Cuspi para o ar.

    Cumprimentos melhores que os seus!

    ResponderEliminar
  26. E apresentar a recandidatura à Câmara por cima de 37 rosas é o quê?

    ResponderEliminar
  27. Este anónimo é o máximo.Sabe tudo,opina sobre tudo e até sabe andar de bicicleta.

    ResponderEliminar
  28. Ignorância meu(s) amigo(s)!!! Os Vimaranenses não têm culpa de vocês a terem em demasia!

    ResponderEliminar
  29. Caro anónimo das 14:07,
    Eu não lhe tinha que fazer o desenho do porquê de eu usar esta minha assinatura, mas já que insiste eu faço-o...
    Não sei se sabe, você pode criar um nome no google e depois utilizar essa assinatura em todos os comentários que faz em blogs (muitos até só aceitam comentários através dessa conta que se cria no google), e como eu não só participo e comento em blogs portugueses, criei uma assinatura em que toda a gente entendesse o sentido e o orgulho que eu tenho do que aconteceu naquele ano (certamente o senhor não deve saber), logo eu não identifico esta assinatura como um estrangeirismo, mas sim como uma necessidade de me dar a entender a todo o mundo... Ou está espera que eu vá à conta do google mudar o nome todas as vezes que comento num blog português e depois quando comente num estrangeiro?!
    Haja santa paciência...enfim...

    Os melhores cumprimentos.

    ResponderEliminar
  30. Lamento que uma decisão tomada de desfraldar a primeira bandeira portuguesa por alguém numa cidade (neste caso Guimarães) seja tomado como parolismo. Parolice foi as pessoas resolverem fazer o que Scolari lhes disse e afixar cópias da actual bandeira nacional e deixá-las esfarrapar ao tempo. Que eu saiba, isso é crime, por desrespeitar um símbolo nacional. Será que muitos bracarenses não puseram essa bandeira "nacional", fazendo a vontade a Scolari?
    Ou será, mais uma vez, o ódio ao azul e branco? Se fosse vermelha, com ou sem um abutre, como muitos bracarenses gostam, já estava bem e tinha estética?
    Os americanos exibem a sua bandeira em muitas ocasiões e têm orgulho nela. Também são parolos?
    Há coisas mais importantes para tratar, em Portugal e na vossa cidade, do que entreterem-se com isto, não lhes parece?

    ResponderEliminar
  31. Zangado,

    O seu post revela um preconceito terrível. Há imensa gente em Guimarães que não gosta das bandeiras nas janelas e... este blogue não é de Braga, mas do Minho. Dos 15 autores apenas 5 são de Braga!

    ResponderEliminar
  32. Mais parolo que as bandeiras é a forma como a maior parte dos comentadores expõe a sua opinião: de forma cega, bairrista e clubista. É pena, porque a discussão até poderia ser interessante, mas não passou disso mesmo, discussão.

    ResponderEliminar
  33. Este post é sobre Guimarães, escrito por uma pessoa de Guimarães. Boa?

    Partilho da opinião do anónimo das 21:15.

    Alguém me explica por que raio metem o assunto Braga, as "37 rosas", o camandro e o diabo-a-sete ao barulho?

    É culpa do calor, que vos fez inchar os neurónios, ou é assim de nascença?

    ResponderEliminar
  34. Pergunto ao autor deste post se ele não pos à sua porta uma banderinha com as cores vermelhas e verdes da democracia quando um pugilista brasileiro pediu, com o seu charmoso sotaque, que o fizéssemos para ajudar uma causa essencial para a nossa vida: Selecção Nacional em 2004.

    Que eu saiba isso sim foi parolice.

    Colocar a verdadeira bandeira de Portugal (as nossas cores históricas são o azul e branco e não o vermelho e verde.) e, em especifico do Norte, de PortuCale, numa cidade tão simbólica não é nunca "parolismo" mas sim BOM GOSTO.

    Nem seria preciso nenhuma razão especial.

    Pede-se que se abstenham os autores quando nada mais tem a fazer do que escrever tópicos tão inócuos.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores