S. João Em Casa

| Partilhar


Como várias dezenas de pessoas, trabalho na Avenida da Liberdade, num 1º andar. Devemos ter todos ar de quem passa o ano à espera do São João porque a Comissão de Festas faz questão de nos levar o arraial para dentro dos escritórios. A playlist são joanina em modo repeat tem 20 temas (há uns anos tinha só 5) e é intercalada de 30 em 30 segundos por anúncios irritantes (desculpa, Pedro C.). De vez em quando há também avisos lidos em directo por uma voz tipo festa de aldeia. No topo da Avenida a situação é pior porque não há outros ruídos. É um martírio que dura três semanas desde manhãzinha até para lá da hora de jantar. Não há forma de fugir. Nem fechando portas, portadas e persianas, nem pondo música mais alto dentro do escritório. Ao fim das primeiras 40 horas até as músicas de se gosta se tornam insuportáveis.

Sugiro que façam um teste. Tentem redigir um texto ou ler um livro técnico num daqueles bancos novos da parte de cima da Avenida da Liberdade. Para quem preferir fazer o teste em casa, deixo aqui uns minutos de animação gravados à janela com um telemóvel. Mas para não desvirtuarem a intenção da Comissão de Festas, antes de começarem a experiência, aumentem o volume de forma a que o vizinho consiga ouvir também (ou tão bem).

Bom S. João!



P.S. Escrevi esta crónica e gravei o som na segunda-feira. Hoje, terça, além da playlist, temos ao mesmo tempo vinda da Avenida Central música ao vivo de várias bandas e, em directo da mega-praça em frente ao Theatro Circo, música de elevador de uns índios sul americanos. Não será também uma falta de respeito pelas bandas típicas do S. João manter este chinfrim durante a sua actuação?

14 comentários:

  1. Tens toda a razão. É um horror. E a malta tem que aguentar esta coisa o tempo todo.
    Que fazer?
    Nada. O que vale é que está a terminar.

    Abraço:)

    ResponderEliminar
  2. Excelente banda sonora.
    Ainda não foi internado ???...

    ResponderEliminar
  3. Agora façam a experiência de morar no centro da cidade e aturar isto das 08h00 às 00h00, durante as festas. Acrescentem ainda os tambores que deram música todos os dias, desde as 08h00/09h00... Uma maravilha.

    ResponderEliminar
  4. "A mega-praça em frente ao Theatro Circo!" Ah! Ah!

    Um dia explico aqui qual a definição teórica de praça para os senhores desenhadores de cidade aumentarem a sabedoria e conhecimento...

    (agora só para o ano, este já passou)

    ResponderEliminar
  5. Pois é Inês, tens razão! E depois ainda perguntam porque deixam as pessoas de morar no centro histórico da cidade...

    ResponderEliminar
  6. Sou vimaranense de gema, adoro a minha cidade, mas reconheço muitas "coisas" boas em Braga.
    No entanto, esta cena, é francamente uma manifestação de parolice, provincianismo e autentiva poluição sonora a quem passeia e trabalha!
    Para o autor do Blog, apenas uma recomendação: basta desligar a coluna mais próxima...

    ResponderEliminar
  7. Braga não passa de uma aldeia em ponto grande. Eu cá sou de um concelho camponês, em Braga não faltam campónios.
    Que mais seria de esperar de uma cidade tão tutelada pela Igreja?

    ResponderEliminar
  8. Sou capaz de jurar que a cidade/aldeia não se adaptou aos tempos e permaneceu no passado provincial.
    Contudo, pensamos nós, são memórias de um passado e de uma vivência ter estas tradicionais festas. Pode não se gostar, mas há que aceitar, com franca paciência, pois vale o esforço, pois quanto mais não seja, são poucas as semanas em que se vê gente, com ar feliz em Braga.
    O resto do ano é gente stressada durante o dia (exceptuando os pacíficos reformados) e à noite simplesmente não há gente. Eu sou frequentador do centro da cidade e prefiro ter assim a cidade com pessoas a não ter pessoas na cidade. Mas é só a minha opinião, claro!

    ResponderEliminar
  9. A qualidade musical das Festas de São João degrada-se todos os anos. Em primeiro lugar, a musica de coluna, típicas das aldeias que querem anunciar que estão em festa fica muito mal a Braga.

    Certo ano, quando a minha avó estava doente em casa e a comissão de festas da aldeia onde ela residia recusou-se a desligar a musica matutina, a única solução foi um tiro de caçadeira às colunas durante a noite.

    So um comentário mais acerca da musica:

    Braga diz-se capital do Minho mas na verdade as festas de São João muito pouco tem de Minhoto a nível musical. Metem um cortejo pela rua abaixo mas quando os elementos chegam ao parque vão se embora.

    Já não há canas verdes, viras, malhões e chulas tocadas pelos populares. A única coisa que se vê são vendedores em carrinhas ambulantes a praguejar.

    Não vai há muito tempo, talvez 5 anos, ainda se via arraial na noite de São João mas isso acabou-se.

    Ainda bem que ainda existe o Alto Minho para manter a tradição. Questiono-me no entanto porque é que os milhares de tocadores do Baixo Minho não saem de casa com as concertinas a 23 de Junho mas, em Setembro, estão batidos nas Feiras Novas fazendo delas as mais emblemáticas e tradicionais festas da região.

    São João, deveria ser o expoente máximo da cultura Minhota pois Braga aclama o estatuto de capital.

    Porém, a não ser amalgama de gente para as bifanas, o parque de são João não passa de um estacionamento com alguns comes e bebes.

    Ureg recuperar o que de melhor e mais genuino existe na nossa cultura ou, corre-se o risco de ver a marca MINHO partir para outras zonas...

    Alias, o distrito de Viana já ostenta esta medalha pois o Bracarense de nascimento Francisco Sampaio, presidente da extinta Região de Turismo do Alto Minho, se encarregou de produzir uma marca genuína que cresce sem parar.

    P.s Note se que o site da RTAM ainda funciona com updates diarios mesmo depois de extinto enquanto que a do Verde Minho esta encerrado ha um ano ou mais.

    Que se acabe com a parolice e que se devolva um verdadeiro são joão ao povo. Talvez as 2 da manhã a avenida não fique vazia..

    ResponderEliminar
  10. S. João de Braga?
    Havemos d'ir a Viana!
    Já vivi por todo o país mas Senhora da Agonia não há igual.

    Quando vivi na Figueira da Foz nem sabia que o S. João era padroeiro da cidade. Hoje tem um S. João de categoria.

    ResponderEliminar
  11. Há uma coisa que não percebi: afinal houve fogo no dia 24 à noite ou não?

    É que a comissão de festas tinha dito que não porque não havia dinheiro, mas depois daquela sondagem em queda da eurosondagem, parece que mudaram de ideias. Quem paga?

    ResponderEliminar
  12. O S.João de Braga é, actualmente ,uma vergonha.Onde está a genuídade das típicas romarias minhotas?Será que Braga deixou de pertencer ao Minho?Há apenas uns resquícios para enganar o Zé Pagode.Comissões de Festas, por muito tempo,perdem a imaginação.Urge dar lugar a outros.

    ResponderEliminar
  13. onde está o vosso sentido de humor meus amigos?

    ok, para o próximo ano passaremos "maximizing the audience" de wim mertens.
    pode ser que assim em vez de farturas apareçam barraquinhas da mais bela cuisine française!

    ehehehe

    NR

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores