Ícone do Minho e no Mundo

| Partilhar

Faz hoje 25 anos da morte de António Variações, o derradeiro ícone e protótipo em excelência do que a cultura minhota pode arranjar em lugar no mundo. Moderno, pós-moderno e futurista - o que se quiser -, fora de tempo, mesmo assim reinventando em batida electrónica o folclore e o minhoto amor obsessivo pela vida e pela mãe e vice-versa, os santinhos, a sabedoria popular, as cores por inteiro, os arabescos e filigranas. 25 anos depois, sempre intemporal, e por aí, ainda bem vivo.

5 comentários:

  1. Essa da fusão melódica entre Amares e Nova Iorque só mesmo tú António!

    Como iam os lisboetas entender isso!?
    Sempre os do costume, ontem e hoje, tão convencidos, herméticos e iguais embora o da província fosses tu.

    Até um dia destes Amigo.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida um ícone do Minho! Com a sua excentricidade ajudar a marcar uma época, toda ela de ruptura.

    ResponderEliminar
  3. António Variações deveria ser um orgulho para nós, Amarenses.
    Pelo menos para mim, é.

    Um visionário; um homem que viu mais longe; que não se ficou pelo básico, pelo superficial, pela moda do hoje: ele anteviu os amanhãs.

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Grande homem! Grande cantor! Um génio fora do tempo. Concordo.

    ResponderEliminar
  5. Muitos parabens por te lembrares do António... Isótico, diferente, , muitoa á frente, mas, sobretudo, ele própio, caractristica esquecida nas prioridades das pessoas, nos nossos dias.
    Daqui.. Um Bem Haja!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores