Do Atrevimento Voyeurista

| Partilhar
Estou preso na Linha do Norte. O comboio em que seguia colheu uma infeliz vida. Assisto incrédulo ao inusitado desfile de mórbidos curiosos que se alinham para ver e fotografar o cadáver. É um voyeurismo verdadeiramente confrangedor.

6 comentários:

  1. É verdade ou um exercício de extrapolação?
    O voyerismo existe e alimenta muitas vidas. Infelizmente, digo eu!

    ResponderEliminar
  2. É a vida.
    E a morte, a bordo de um comboio, cá como noutro sítio qualquer.

    ResponderEliminar
  3. Chamar-lhe-ia, em vez de voyeurismo,parolismo.Parecem abutres esfomeados ou então são "gatos pingados" de alguma funerária.

    ResponderEliminar
  4. Na memória de um telemóvel talvez fique, e não fique em mais lado nenhum.

    José Simões

    ResponderEliminar
  5. Hoje aconteceu me o mesmo na Linha do Minho.

    Saiu toda a gente para ver os pedaços de uma mulher...

    Mas o pior é que ninguem teve pena da mulher, aliás, ela foi amaldiçoada por atrasar a vida de tanta gente.

    "queria se matar, matava-se no comboio que vem a seguir"

    ResponderEliminar
  6. "queria se matar, matava-se no comboio que vem a seguir"

    Normal, normal. Já nem na morte há sossego.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores