Viana É Cidade Anti-Touradas

| Partilhar
«A maioria socialista na Câmara Municipal de Viana do Castelo, decidiu hoje não permitir a realização de qualquer espectáculo tauromáquico no espaço público ou privado do município, sempre que ele dependa de qualquer autorização a conceder pela autarquia.» [Público]

A Câmara Municipal de Viana do Castelo deu o exemplo: uma autarquia à altura dos desafios do nosso tempo não se deixa levar pelas virtudes populistas e eleitoralistas do espectáculo que aplaude o sofrimento cruel de qualquer animal. Na capital do Alto Minho, não há mais touradas se tal depender de qualquer aprovação da autarquia. Este exemplo de Viana do Castelo merece ser enaltecido e devia ser replicado por todo o Minho.

Contudo, as notícias mais recentes mostram uma realidade bem distinta: ao fim de muitos anos sem este espectáculo violento, Braga prepara-se para receber uma tourada; em Guimarães, as festas Gualterianas voltarão a ser palco de uma tourada; e na Póvoa de Varzim, a tourada continua a fazer-se regularmente na Praça de Touros. Infelizmente, a modernidade não está ainda ao alcance de todos...

26 comentários:

  1. Infelizmente parece que quem manda na cidade não se apercebe da gravidade da situação e dos problemas que poderá causar. A realizar-se esta tourada todos terão a culpa: Câmara Municipal, Governo Civil, Comissão Organizadora das Festas de S. João e dependendo se tal acto bárbaro vier disfarçado de acto de beneficiência a própria Igreja Católica (patrocinadora de touradas noutros locais) ou a instituição que servir de fachada para o que vier a acontecer.

    Certamente será algo que trará problemas para a cidade. Como bracarense e acima de tudo como ser humano abomino qualquer tipo de violência contra os animais e repugna-me o facto de poder haver gente nesta cidade que seja capaz de pagar um bilhete para ver tal miséria mas que por outro lado diga que um bilhete para um teatro ou para um espectáculo musical seja caro.

    Penso que quem tiver o descaramento de dar o patrocínio à barbárie terá de ter cuidado com o que vai colher disso. Nesta altura qualquer tipo de acto é aceitável para evitar que Braga seja palco desta verdadeira vergonha, desta total desumanização da cidade e desta falta de respeito.

    Estarei na linha da frente para evitar que isto venha a acontecer e apelo a todos os bracarenses e não só que se unam numa mostra de repúdio contra o que se pretende fazer nesta cidade.

    ResponderEliminar
  2. Abomino todos aqueles que impôem aos outros os seus pontos de vista.

    Até posso tentar entender o ponto de vista de quem quer uniformizar o mundo tornando-o asséptico.
    Eu não vou a touradas, mas compreendo quem as entenda como um espetáculo.
    Tudo o resto são pontos de vista culturais sobre os quais entendo que não se devem impor conceitos.
    Resumindo quem gosta vê, quem não gosta que não incomode quem vê...

    ResponderEliminar
  3. Devagar se vai ao longe. Se Viana tomou esta decisão não será inesperado que surja noutros concelhos.

    É preciso tornar evidente que andar a picotar bovinos não é propriamente um espectáculo que sirva de testemunho de uma civilização.

    Acho legítimo que se admirem os animais mas é-me incompreensível que se procure esfaquear o que se admira em nome do aplauso.

    Chamem-me antiquado...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo,

    Se todos pensassem assim, muitas tradições que nos revoltam seriam aceites, como a mutilação genital feminina. Quem gostar que a pratique, quem não gostar que passe ao lado.

    Concordo que não se devem impor conceitos sobre pontos de vista culturais, mas a nossa compreensão e aceitação deve acabar quando estes impõem, por sua vez, a barbárie e o sofrimento sobre quem não têm sequer o direito de escolha.

    ResponderEliminar
  5. Rui C. Barbosa disse: «dependendo se tal acto bárbaro vier disfarçado de acto de beneficiência a própria Igreja Católica (patrocinadora de touradas noutros locais)»

    Caro amigo, nem tudo o que cheira é... O facto de se chamar comissão de festas de S. João não quer dizer que tenha alguma coisa a ver com a Igreja. Aliás, esta não tem qualquer interferência na escolha da dita comissão. Patrocinadora de touradas noutros locais? Já agora gostava que me os indicasses. Se percebesses alguma coisa de como funcionam as comissões de festas...
    Quanto a esta tourada em específico, pelo que já li aqui num comentário, a mesma acontece na altura das festas de s. joão, mas não é de iniciativa desta comissão mas de uma entidade particular. Pelo que se alguém tem autoridade para a licenciar ou proibir, não é a comissão mas as entidades competentes.

    Miguel Braga

    ResponderEliminar
  6. Caro Miguel Braga,

    Penso que o Rui Barbosa não escreveu bem isso.

    ResponderEliminar
  7. Não concordo com touradas, isto é, não sou a favor. Primeiro, porque não gosto de ver. Fui uma vez, em espanha, ver um destes «espectáculos» e não me despertou nenhuma sensação de prazer, antes pelo contrário. Fui ver para tentar perceber o porquê de tanta gente gostar. Depois, porque sendo à custa do sofrimento de um animal, não pode fazer sentido algum.
    Mas procuro ser coerente com esta minha opção. Tudo aquilo que pode causar sofrimento ou dor, física e psíquica, procuro evitar e sou contra qualquer opção que possa implicar isso.
    Mas conheço algumas pessoas que são acérrimos defensores da abolição das touradas, daqueles de participar em manifestações, mas não tiveram qualquer problema em votar a favor da dita IVG (eufemismo para aborto).
    Certamente que poderão dizer que isto é demagogia, etc, etc...
    Concordo plenamente que a abolição de qualquer sofrimento causado a todos os seres animais, é um sinal de evolução e progresso. Mas não o deria ser, com muita mais propriedade, todo o sofrimento causado à vida humana?
    Esta sociedade com esta falta de coerência faz-me muita confusão...

    ResponderEliminar
  8. Caro Miguel Braga,

    É claro que fez demagogia. Eu sou acérrimo defensor da proibição das touradas e votei favoravelmente no referendo à IVG.

    A sua posição é demagógica porque ignora um ponto fundamental: os touros têm Sistema Nervoso Central íntegro. Os embriões com 8 semanas, não! Isto faz toda a diferença quando falamos de sofrimento...

    ResponderEliminar
  9. Caro Pedro Morgado
    O que ele escreveu foi exactamente isso: terão culpa a Câmara Municipal, Governo Civil, Comissão Organizadora das Festas de S. João. E dependendo se este acto bárbaro vier disfarçado de acto de beneficiência, terá culpa a própria Igreja Católica, também ela patrocinadora destes eventos noutros locais.
    Acusações não se fazem por suposições pessoais...
    Senão, já agora: todos aqueles terão culpa, e se o Sr Pedro Morgado também for patrocinador será culpado deste bárbaro acto.
    Mas se a minha leitura está errada, já agora, agradecia que me esclarecesse sobre o que é que ele quis dizer.

    ResponderEliminar
  10. Disse que têm culpa todos os que promovem e patrocinam esses eventos. Obviamente.

    ResponderEliminar
  11. Já doeu a um...
    Caro Pedro Morgado espero que não tenha votado assim tão inconscientemente. É que a legalização não foi até às 8 semanas mas sim 10...
    Já agora aqueles que não têm sistema nervoso integro, por doença ou por acidente, podemos considera-los que não são seres humanos?!
    Foi o que eu disse: esta sociedade incoerente, faz-me confusão...

    ResponderEliminar
  12. Então a minha leitura estava certa, e não como referiu: que não foi bem isso que ele quis dizer.

    ResponderEliminar
  13. Nada inconscientemente. Coloquei 8 semanas porque só até essa idade é que falamos de «embrião». Após isso, falamos de «feto».

    Mas se quiser eu refaço: A sua posição é demagógica porque ignora um ponto fundamental: os touros têm Sistema Nervoso Central íntegro. Os embriões com 8 semanas e os fertos com 10 semanas, não! Isto faz toda a diferença quando falamos de sofrimento...

    ResponderEliminar
  14. Não respondeu ao que eu perguntei... Mas é nestes temos é o habitual... é que eu conheço pessoas que por acidente não têm o dito «sistema nervoso integral», este que parece definir o que se pode ou não fazer a algum ser... pessoas que em grande parte do seu corpo não tem qualquer sensibilidade.
    Já agora, não me parece que pelo facto de não sentir dor, que não nos devemos tornar defensores de todas as formas de vida. Sejam elas animal ou vegetal. Ou pelo, menos sou defensor. Mas por isso, disse que procuro ser coerente com a minha forma de pensar...

    ResponderEliminar
  15. Já agora aqueles que não têm sistema nervoso integro, por doença ou por acidente, podemos considera-los que não são seres humanos?!

    Mais uma vez a pergunta é demagógica porque a comparação é absurda. Penso que sabe a diferença entre um Sistema Nervoso Central completo que sofre uma lesão e um Sistema Nervoso Central ainda não formado...

    ResponderEliminar
  16. Demagogia?! Quem falou nele, inicialmente, para diferenciar touros e embriões foi o Pedro Morgado. Só usei o seu critério de diferenciação.
    Se é demagogia, ela reverte contra si.

    ResponderEliminar
  17. Considerando tratar-se de decisão que "não parece correcta", Carvalho Martins (PSD) esclareceu que a proposta "colide com os direitos das pessoas que apreciam este tipo de espectáculos". A propósito, vincou: "Não é o meu caso. Mas é o caso de muitos vianenses que apreciam as touradas"

    Então e os direitos dos animais?

    ResponderEliminar
  18. Quando existem touradas cujas supostas receitas são a favor de Miserisórdias (é só fazer uma busca no Google) está tudo dito. Óbviamente que estas instituições estão ligadas à Igreja Católica que nunca se mostrou contra este tipo de actos, antes pelo contrário.

    ResponderEliminar
  19. Caro Rui C. Barbosa
    Mais uma vez manifesta desconhecer a órgânica das instituições. As misericórdias têm autonomia. As suas direcções são escolhidas por eleições. Excepto a de lisboa que é de nomeação do estado. O facto de, historicamente, estarem ligadas à Igreja, não responsabiliza esta nos seus actos. Da mesma forma que se uma câmara municipal apoio uma destas actividades, não culpa o governo ou estado...
    Mas para mim não deixa de ser estranho o seguinte: para quem diz que a Igreja não tem nada que estar a determinar as orientações da sociedade, porque chama-la agora para aqui? Não é o estado que tem obrigação de legislar sobre isto? Não fi o Estado que legislou no caso de Barrancos?
    Já agora: porque razão um país tão de esquerda, como Espanha, denominado por alguns por progressista em razão de alguma legislação recente, não proíbe estes actos bárbaros?
    Será que é culpa da Igreja?

    ResponderEliminar
  20. Com tanto "boi" á solta por que não haver touradas ao vivo? será que continuarão a ser clandestinas? Será que os OLES foram "nacionalizados" para o futebol?

    ResponderEliminar
  21. Obviamente que responsabiliza pois as suas directrizes são traçadas pela Igreja. O facto de as direcções serem eleitas nas as desvincula disso. Por outro lado, não é comparavel a situação de uma Misericórdia com a situação de uma Câmara Municipal.

    Mas onde é que eu digo que a Igreja "...não tem nada que determinar as orientações da sociedade"?

    Claro que é o Estado que tem de legislar. Claro que foi o Estado que deu o avalo à vergonha de Barrancos, mas se quer falar do problema da Igreja na sociedade actual isso já é outra questão. A Igreja não se pode alhear deste tipo de problemas... não estou a dizer que pregue pelo fim das touradas ou de outras formas de crueldade para com os animais, agora que consinta que isto possa acontecer por dinheiro e só por dinheiro torna-a menos humana. Aliás, a forma de estar da Igreja nos nossos dias só lhe vem trazendo mais lugares vazios a cada Domingo, mas isso já é outro assunto.

    Miguel, não queira fazer demagogia com esta questão. Um dos principais baluartes do apoiantes da touradas é a suposta tradição que ela representa, tradição essa que a querem disfarçar de cultura. Chamar cultura a um acto destes é ofender a verdadeira cultura. Como deve saber há em Espanha muitas cidades onde a tourada é proibida. Talvez não seja no meu tempo, mas chegará o dia em que este acto bárbaro irá terminar e isto é o que verdadeiramente interessa para a questão aqui em debate.

    ResponderEliminar
  22. Ainda sobre a Igraja Católica e as touradas deixo aqui um singelo texto sobrev o assunto..

    (...) a hierarquia da Igreja Católica está muito envolvida na promoção das touradas. A Rádio Renascença, emissora católica portuguesa, não só promove amplamente as touradas e respectivos intervenientes, como todos os anos organiza uma tourada. Por esse país a fora, há festas populares com corridas de touros (vulgo touradas) abençoadas pelo padre local. Em Barrancos, por exemplo, o padre sempre defendeu os touros de morte mesmo quando eram ilegais. Mais ainda, praça de touros que se preze tem uma capela e um capelão. E, como se isto não bastasse, não são poucos os padres “aficionados” e que o manifestam publicamente, como se isso nada tivesse de incompatível com a doutrina de Jesus Cristo.

    Um desses casos é o bem conhecido P.e Vítor Melícias, que poderá facilmente ser encontrado nalguma praça de touros deste país a aplaudir e regozijar-se enquanto os touros são torturados. Mais caricato ainda é o facto de o P.e Vítor Melícias tratar-se de um Franciscano que, notoriamente, despreza os ensinamentos de São Francisco de Assis.

    Além disso, a União das Misericórdias Portuguesas, presidida pelo próprio P.e Melícias e com fortes ligações à Igreja Católica, é proprietária de 18 praças de touros, recolhendo dividendos da tortura de seres inocentes.

    ResponderEliminar
  23. Sobre as touradas:

    1º - A estupidez: comparar a morte, a lide, o sofrimento ou os cornos de um touro com algo semelhante em seres humanos (talvez o último exemplo seja excepção)

    2º - A ignorância: desconhecer as condições excepcionais em que estes animais são criados. Desconhecer a percentagem (minima) de animais que é lidada. Desconhecer a vida "de sonho" (sexo e pastagem em espaço aberto) que vive um touro que proporcione uma boa lide.

    3º - A hipocrisia: falar no sofrimento do animal (e na barbarie da tourada) e esquecer o sofrimento, as condições horríveis e a crueldadde com que são criados a maioria dos animais cuja carne consumimos alegremente.

    Alberto Cardoso

    ResponderEliminar
  24. Aqui na Povoa continuamos a ser barbaros, até por civilização nem é coisa que nos rodeia quer a Norte, a nascente ou sul. O impacto da decisão de Viana, será quase nenhum, visto que Viana, apenas recentemente voltou a ter touradas, parece-me um golpe de inteligencia na verdade, poem tourada porque a Povoa tem, e depois retiram para sair como herois e se calhar com o apoio do lobby anti-tourada que ira apoiar turisticamente a cidade. A situação na Póvoa é diferente, sempre houve tourada, e tem peso mediatico nacional e os poveiros estão-se pouco marimbando para a influencia no turismo do dito lobby. Pelo contrario so faz com que pessoas que nada sabem ou querem saber da tourada, e que entendem as questoes, passem a apoiar, só para os contrariar.

    ResponderEliminar
  25. A ICAR há muito tempo que condena as touradas. É uma reprovação centenária até! No entanto, toda a gente sabe o forte elo religioso entre a tauromaquia e as instituições católicas portuguesas. Só não vê quem não quer. Olha para o que eu digo mas não para o que eu faço...
    De resto só tenho a agradecer ao Município de Viana por ter acabado com a tradição da tourada por ocasião das festas de Nossa Senhora da Agonia!

    ResponderEliminar
  26. Caro Rui C. Barbosa
    Continua a confundir as coisas.
    O facto de muitos portugueses apoiarem a tauromaquia significa que Portugal é um país que, oficialmente, apoia as touradas?
    Cada um é responsável pelos seus actos. E se padres ou outras instituições gostam e promovem, não pode dizer que a posição oficial da Igreja é de apoio à tourada. Assim como o facto de muitos católicos usarem métodos contraceptivos, não o leva a dizer que a posição da Igreja sobre esse assunto é de apoio.
    O mal neste como muitos outros assuntos é o facto de se generalizarem as coisas.
    Nunca ouviu dizer que uma andorinha não faz a primavera?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores