Casem-se Com Cristo

| Partilhar
«2359. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes do autodomínio, educadoras da liberdade interior, e, às vezes, pelo apoio duma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem aproximar-se, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.» [Catecismo da Igreja Católica]

No ciclo de gerações submetidas ao pregão intimidativo dos abades, os mesmos que fazem do amor mandamento e do casamento instituição digna de guest list, vê-se que, mesmo apontando em insistência, dali pouca coerência há-de vir. Quanto mais não seja porque não se submetem os mesmos no exemplo que devem aos fiéis, no cumprimento das penosas obrigações do matrimónio. Pelo contrário, descartam-se da tarefa na fidelidade aos votos prometidos a Cristo - e não ao PS! - que, se bem me lembro da ultima vez, e ainda que prole de um Deus assexuado de barbas brancas, não deixava de se lhe descortinar uma tringalha ao dependuro.

Não sendo uma tragédia, há solução na lógica do Vaticano, pois aos homossexuais fica reservado o caminho da santidade, onde a castidade é critério major... Tudo bem, só não se estranhe depois o homoerotismo capado na ambiência faceta dos seminários, mosteiros e conventos, na arte sacra de corpo definido e na exuberância dos rituais rendilhados de batinas e pálios da Prada. Afinal de contas, a cultura gay tem muitas formas e feitios, e a questão do casamento é só um ataque de nervos almodovariano da hierarquia católica, uma briga entre bichas.

12 comentários:

  1. Quando não te entalas no mundo da bola até dizes umas coisas...

    ResponderEliminar
  2. Parabéns,Vítor Pimenta.

    Uma das melhores postas deste blogue.

    ResponderEliminar
  3. começou a campanha par a reeleição do mesquita, ele já nem tenta fazer nada na cidade...

    câmara municipal de braga
    canal informativo

    MUNICÍPIO DELEGA MAIS 800 MIL EUROS
    DE OBRAS NAS FREGUESIAS SEMI-URBANAS

    ResponderEliminar
  4. EScrever bem não é sinónimo de sabedoria e, sobretudo, de bom senso.
    Não há dúvida que o País neste momento tem um problema grave: é o casamento gay (antigamente chamava-se outro nome com mais propriedade e menos cerimónia...).
    Pois é! Com as famílias carregadas de dificuldades, com as novas formas de pobreza que entrem pelos olhos dentro, com o desemprego e as falências diárias, de que é que se lembra o governo? de casamentos gay!!! Qualquer dia também da eutanásia!!!
    Uma época em que a ética e os valores morais foram postos em segundo plano, ou em terceiro ou em quarto, sei lá, estes "governantes" apresentam este prato de soluções: casamentos entre homossexuais e eutanásia!!
    É que nem se pode dizer que é pão e circo, é só circo! É circo e areia para os olhos.
    A opção sexual diz respeito a cada um. Isso chama-se respeito pela autonomia da pessoa. Mas não me impinjam "casamentos" contra a natureza! Essa não vai a plebiscito...
    NS

    ResponderEliminar
  5. «Mas não me impinjam "casamentos" contra a natureza!»

    Ora aí está um conceito que eu não conhecia: os casamentos contra a Natureza. Ora explique lá qual é equação do casamento e quem foi o cientista que a descobriu.

    ResponderEliminar
  6. Sr anónimo,
    Eu sei que os nossos deputados são na sua maioria um pouco limitados, mas será que é assim tão complicado tentar resolver a crise a discutir um ou outro problema relacionado com o direitos humanos?
    Pois... Duas coisas ao mesmo tempo... Realmente deve ser muito complicado!!!
    Quanto ao facto de lhe "impinjirem casamentos", devo esclarece-lo de que, caso esta lei vá mesmo para a frente, não vai ser obrigado a casar com alguém do mesmo sexo... É que os casamentos heterossexuais vão continuar a ser permitidos:) Não precisa de ficar tão preocupado!!

    ResponderEliminar
  7. Caro NS, não fosse eu esperar comentários da "sua natureza". As questões da economia das famílias e indivíduos são transversais - não têm critérios sexuais - e afectam a todos por igual, haja ou não, casamentos gays ou mesmo sexo gay/bi/trans/lésbico/homo/hetero/bondage/sadomaso.

    É areia para os olhos se as pessoas, como o meu caro, continuarem a enterrar a cabeça nela.

    E concordo que não vá a plebiscito, nem deve! A coisa é para se resolver em Parlamento.

    Olhe, veja pelo lado positivo: casamento entre pessoas do mesmo sexo é igual a mais casamentos (e mais divórcios) e com isto estimula-se a indústria do casório e da mediação familiar. Ganha a economia, ganhamos todos. YES, WE CAN

    ResponderEliminar
  8. Ainda estou para saber o porquê de se dizer que esta altura de crise económica não é propícia à discussão do casamento homossexual e da eutanásia.

    É que, seja como for, estejam Portugal e o mundo ricos ou pobres, parece-me que o ambiente geral na nossa sociedade sempre foi/é/talvez continue a ser(vamos ver...) um em que, como o Vítor Pimenta bem disse, a maior parte das pessoas tentará enterrar a cabeça na areia. Não é por causa de estarmos em crise que não se deve ponderar e discutir estas questões. Diacronicamente analisando, nunca estivemos, nesse aspecto, em condições próprias para que tal diálogo (se é que diálogo é sequer necessário) aconteça.

    Não, a crise económica não pode ser usada como um factor de adiamento destas questões. Muito pelo contrário, tentativas de melhoramento e evolução nas sociedades devem ser, sempre que possível, concomitantes.

    Talvez se olhássemos para alguns exemplos estrangeiros conseguíssemos notar que estas coisas se complementam mutuamente.

    ResponderEliminar
  9. "Ainda estou para saber o porquê de se dizer que esta altura de crise económica não é propícia à discussão do casamento homossexual e da eutanásia."

    Pois... Este argumento do "há coisas muito mais importantes para resolver" realmente já enjoa...
    Os desgraçadinhos dos tipos que estão no governo são tão pouquinhos e têm tão pouco tempo que só podem fazer uma coisita de cada vez...

    ResponderEliminar
  10. Realmente Adão...
    Como é que os direitos civis não são prioritários numa Democracia?
    Eles SÃO a Democracia!

    A não ser que seja esta palavra "D" que lhe faça confusão ou que facilmente a hipotece para acomodar a sua espécie por outros cidadãos e cidadãs pagantes de impostos e votantes.

    Já agora, e como a crise está a piorar, que outras liberdades sugere que deveremos por em suspensão?

    Multi-tasking meu amigo...

    ResponderEliminar
  11. Realmente Adão...
    Como é que os direitos civis não são prioritários numa Democracia?
    Eles SÃO a Democracia!

    A não ser que seja esta palavra "D" que lhe faça confusão ou que facilmente a hipotece para acomodar a sua espécie por outros cidadãos e cidadãs pagantes de impostos e votantes.

    Já agora, e como a crise está a piorar, que outras liberdades sugere que deveremos por em suspensão?

    Multi-tasking meu amigo...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores