O Minho Branco [2]

| Partilhar
Museu dos Biscaínhos com Neve (Braga) - 09/01/2009
Museu dos Biscaínhos com Neve (Braga) - 09/01/2009
Museu dos Biscaínhos com Neve (Braga) - 09/01/2009
Museu dos Biscaínhos com Neve (Braga) - 09/01/2009
Museu dos Biscaínhos com Neve (Braga) - 09/01/2009
Neve nos jardins do Museu dos Biscainhos

O jardim do Museu (e palácio) dos Biscainhos, datável de cerca de 1750, é um mais importantes jardins históricos do período Barroco em Portugal. O seu magnífico desenho e a sua característica botânica testemunham a relação do Homem de então com a natureza e a sua harmoniosa integração na concepção da arquitectura senhorial. O espaço, de aproximadamente um hectare, compartimenta-se no terreiro, jardim formal, patamares («parterres») do pomar e das hortas, recinto das muralhas, canavial e largo do pombal. No conjunto das partes estabelece uma «quinta de recreio» organizada sob um plano marcado por um arruamento central, orientado ao eixo da fachada poente do palácio, e outros laterais delimitados com sebes antigas de buxo. Estes caminhos são enriquecidos com alegretes, fontes e sumptuosas esculturas barrocas e rococós. Toda esta luxuosa complexidade constituiu uma modernidade à data da sua construção. Com a passagem dos séculos foram introduzidas pequenas alterações que enriqueceram a sua História, respeitando sempre a autenticidade da sua matriz inicial, uma evidente devoção e sensibilidade por esta extraordinária herança dos antepassados. No reinado de D. Luís I, o jardim mereceu a honra de ser visitado pela família real portuguesa a convite dos condes de Bertiandos, senhores do Palácio dos Biscainhos.

O jardim formal, encarado como um salão de aparato para espelhar a glória da família na recepção de visitas e usufruto quotidiano, apresenta um traçado labiríntico de canteiros de buxo que estabelece uma obsessiva simetria bem expressiva do gosto erudito da época. A embelezá-lo, existem ainda janelas e portões ornamentais, encimados por pináculos ou por meninos com charamelas, esculturas decorativas, painéis de azulejos policromos, cinco fontes de repuxo, um pavilhão de jardim, um mirante e duas monumentais e paralelas casas de fresco topiadas em japoneiras oitocentistas. Dentre as várias árvores seculares existentes, a mais notável é um majestoso tulipeiro da Virgínia plantado no século XVIII quando esta espécie era muito apreciada pelas famílias cultas e requintadas de toda a Europa ocidental.

Este tipo de património histórico e ambiental, actualmente raríssimo no centro das cidades portuguesas, é um dos orgulhos do país e um perpétuo legado para o futuro. O jardim do Museu dos Biscainhos foi classificado como Imóvel de Interesse Público em 1949 e encontra-se aberto ao público desde 1978, das 10.00 às 17.30 h, de terça-feira a Domingo.

Fotos e texto amavelmente enviadas pelo Director do Museu dos Biscaínhos.
Mais fotos no Flickr do Avenida Central.

0 Comentários

Enviar um comentário

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores