Cristãos, Mas Pouco!

| Partilhar
jesus was gay
© mandark

Com o argumento ridículo de que poderia servir para «pressionar os estados que não reconhecem o casamento homossexual», o Vaticano colocou-se ao lado de países como Nigéria, Irão, Afeganistão ou China no chumbo à declaração das Nações Unidas que pretende o fim da criminalização da homossexualidade. Dito de forma ainda mais dura e simples: o Vaticano recusa-se a condenar que haja países que considerem a homossexualidade um crime, aplicando, inclusivamente, a pena de morte!

A postura do Vaticano é bárbara e hipócrita, colidindo com os princípios versados no próprio Catecismo da Igreja Católica. Saliente-se que o Vaticano, sempre solícito na condenação dos países que adoptam leis de promoção da igualdade no que respeita aos casamentos civis, nunca se pronunciou sobre as condenações que vitimam milhares de homossexuais devido à sua orientação sexual.

9 comentários:

  1. Verdade Pedro, muita verdade nas tuas palavras...

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez, o Vaticano está a ser hipócrita.

    A Hipocrisia, segundo eles, também é pecado, não é?

    ResponderEliminar
  3. Nunca esperei mais do que isto do Vaticano. Tu já?

    ResponderEliminar
  4. "[...] o Vaticano recusa-se a condenar que haja países que considerem a homossexualidade um crime, aplicando, inclusivamente, a pena de morte!"

    Uma pergunta, por acaso o objectivo dessa referência à pena de morte era insinuar que o Vaticano apoia a pena de morte, como já li por aí?

    Se sim, é uma insinuação sem qualquer sentido. Isto porque acho que ninguém condena que se considere o assassínio de pessoas um crime, e há países que aplicam a pena de morte nestes crimes.

    NOTA: Também acho que a homossexualidade não deve ser criminalizada.

    ResponderEliminar
  5. Caro Rui Carlos Gonçalves,

    Não há insinuação nenhuma. O Vaticano recusa-se a condenar a criminalização da homossexualidade o que inclui, obviamente, os países que aplicam a pena de morte a homossexuais...

    ResponderEliminar
  6. Sou contra o reconhecimento juridico da homossexualidade, apesar de ser "prafrentex", mas sou pela sua liberalidade total e sem penalidades de tipo medieval.O problema é que posição do Vaticano, sendo moral, confunde-se com a posição dos paises que a condenam.
    Claro que é injusto para o Vaticano, mas pôe-se a jeito...

    ResponderEliminar
  7. Eu continuo parva da minha vida com esta notícia que, já tenho visto comentada em vários sítios.
    Uma coisa é o vaticano condenar a prática homossexual, outra é não condenar a sua discriminação!
    Sempre ouvi da ICAR que não condenavam o homossexual, mas sim a prática da homossexualidade, o que é imbecil, mas menos grave do que as últimas declarações feitas.
    Isto é muito grave e perigoso! Deviam ser os primeiros a condenar os estados que discriminam legalmente a homossexualidade!
    Acho muita piada quando chamam o Islão de extremista, cada vez acho mais piada!!!!!

    ResponderEliminar
  8. Vaticano e despenalização da homossexualidade, polémica inexistente
    Declaração do Pe. Federico Lombardi

    CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 11 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).- O porta-voz da Santa Sé constatou que a polémica surgida sobre a oposição da Santa Sé a uma proposta francesa de despenalização da homossexualidade carece de fundamento.

    O Pe. Federico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Informação da Santa Sé, falou sobre o tema nesta quinta-feira, na coletiva de imprensa de apresentação da mensagem de Bento XVI por ocasião da Jornada Mundial da Paz.
    Respondendo à pergunta de um jornalista, explicou que o documento ainda não foi apresentado «e não creio que seja apresentado na próxima assembléia das Nações Unidas para uma votação».

    «Portanto, parece que não há motivo para desencadear polémicas sobre um texto do qual ainda não se conhece oficialmente o conteúdo», afirmou o sacerdote.

    O Padre Lombardi recordou que o arcebispo Celestino Migliore, observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, opôs-se à proposta francesa pelo perigo de que, com a justificação da despenalização da homossexualidade, se imponha o reconhecimento de direitos que não existem, como o do «casamento» homossexual, inclusive a adoção de crianças, algo que nem sequer na França é reconhecido.

    O prelado tinha declarado que, no que se refere a «uma lei penal que criminaliza os homossexuais ou que inclusive prevê a pena de morte, não há nada a se discutir: a Santa Sé está totalmente contra», recordou o Pe. Lombardi.

    «É uma posição que diz respeito aos direitos da pessoa humana, em sua dignidade. Dom Migliore falou também contra toda discriminação que afete a homossexualidade», acrescentou o porta-voz.

    A Santa Sé, portanto, não está a favor de «uma legislação que penaliza a homossexualidade», disse, desmentindo titulares e artigos de jornal de dias passados.
    «Ao mesmo tempo, contudo, opõe-se a que se acrescentam outras cláusulas que levam a dizer que todas as orientações sexuais devem ser colocadas no mesmo nível em todas as situações e em relação a todas as normas», declara.

    Como exemplo, o Pe. Lombardi citou o casamento.
    «A Igreja sustenta o casamento entre um homem e uma mulher e não aceita que se coloque no mesmo nível a união de pessoas do mesmo sexo», concluiu.

    ResponderEliminar
  9. Vejam o ridículo da igreja e dos seus funcionários:)

    Rir é o melhor remédio…aqui vai…

    http://padremagalhaes.blogs.sapo.pt/8276.html

    Os defensores da igreja que comentem… :)

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores