Viva a República!

| Partilhar
Proclamação da República

A monarquia é intrinsecamente avessa à meritocracia e, quem acredita no valor do mérito, jamais se pode identificar com o determinismo monárquico que sobrepõe a qualidade do berço ao valor do cérebro.

Ainda assim, a possibilidade de escolher o Presidente nem é das maiores heranças da nossa República. Se pensarmos bem, a separação entre o Estado e as confissões religiosas, a lacidade do Estado, a criação do Registo Civil, a igualdade entre os sexos, o direito universal ao voto e o maior respeito pelos Direito Humanos são algumas das conquistas de uma República cujos primeiros capítulos foram extremamente difíceis. Concedemos que se cometeram erros absolutamente evitáveis, mas convém lembrar que uma revolução é sempre um ruptura com a ordem estabelecida e que não há revoluções inteiramente pacíficas nem convulsões completamente impolutas.

Noventa e oito anos depois, é tempo de se reafirmar a confiança e a esperança na República, implantada a 5 de Outubro de 1910.

7 comentários:

  1. Espanha é um país onde o líder do Estado é predestinado pelo berço... Infelizmente.

    É um país onde até há bem pouco tempo a educação religiosa era obrigatória nas escolas públicas e as classificações contavam para a média de acesso à universidade...

    ResponderEliminar
  2. Bom post

    A Espanha pode ser mais avançada economicamente, mas tem alguns aspectos em que estão atrasados em relação a nós. A lei espanhola prevê que só pode trabalhar em autarquias quem mora a 25km dessa autarquia ou menos...

    Ja um pouco off topic, nas finanças em portugal apertam nos a mão (pelo menos na dependencia de viana) já em espanha, utilizei recentemente os serviços publicos deles, e fui tratado como um cão sendo claramente (juntamente com outros portugueses) diferenciado dos espanhois.

    O crescimento e desenvolvimento da Espanha não provem da monarquia.

    ResponderEliminar
  3. Acho que a minha observação, não foi explicita. Nem tinha de o ser.
    Porque apenas pretendi chamar a atenção para outros sistema e que não só a Espanha (de que até nem gosto).
    Por outro lado não estou a dizer que o sistema republicano seja o melhor ou o pior. No que me toca até jurei fidelidade e beijei a Bandeira deste meu País. E por ele combati.

    ResponderEliminar
  4. 3 dos países mais desenvolvidos e evoluídos do Mundo - Suécia, Noruega e Dinamarca - são Monarquias Constitucionais.

    Logo, a República não é obreira de milagres, nem a sua implantanção é imperiosa para se ter um país justo e desenvolvido.

    Já para não falar do modo como a República foi conquistada - o regicídio de 1908, fundamental no processo, foi um crime bárbaro.

    E enquanto a Monarquia permitia partidos republicanos, a República proibiu qualquer partido monárquico. No parlamento passou a haver apenas um partido: o republicano. Evolução, portanto.

    E nem sequer é tão compreendo essa "igualdade entre sexos" e o "direito universal ao voto" que mencionas, já que não surgem com a República, mas com a Democracia, muitos anos depois.

    Posto isto, sou declaradamente anti-Monarquia. O que não invalida que não rejubile com algo que, postas as coisas, nem sequer é/foi assim tão bom. A Democracia, essa sim, trouxe-nos a verdadeira evolução, a verdadeira igualdade, a verdadeira liberdade.

    Há que não confundir as coias.

    ResponderEliminar
  5. "...a igualdade entre os sexos, o direito universal ao voto..."

    A bem da verdade histórica, convém recordar que o sufrágio universal já vinha da Monarquia Constitucional e que foi a famigerada Primeira República que tirou o direito de voto às mulheres. De igualdade e universalidade as primeiras décadas republicanas deixaram muito a desejar.

    Já a sobreposição do valor do cérebro à qualidade do berço é verdade... em teoria! Na prática, basta olhar para o quotidiano da política portuguesa para se o mérito individual perde para a qualidade da cunha ou dos interesses próprios. Vícios de um parlamentarismo partidário que vão subtraindo qualidades à República.

    ResponderEliminar
  6. A propósito, também não me esqueço que foi a confessional e monárquica Noruega que, há poucos meses atrás, aprovou de uma só vez o casamento homossexual, a adopção por casais do mesmo sexo e o recurso à procriação medicamente assistida sem discriminação de orientação sexual.

    Uma monarquia com religião de Estado a anos de luz de uma república laica...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores