Coerências Que Fascinam...

| Partilhar
Depois das críticas à naturalização do luso-brasileiro Deco, gostava de ouvir a opinião de Rui Costa sobre o luso-marfinense Nélson Évora.

14 comentários:

  1. Caro Pedro Morgado, nao tem nada a ver, um veio para portugal com 5 anos, o outro veio com 19, um veio com os pais VIVER para cá, o outro foi contratado para jogar futebol. Não que eu esteja a defenbder ou a criticar as naturalizações, mas as situações que apontas são muito, mas muito diferentes.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. Eu bem percebo que os critérios são plásticos... Se estivessem em igualdade de circunstâncias nesses critérios que enuncia, outros seriam apontados para as diferenças.

    Estou à vontade neste assunto porque tenho exactamente a mesma posição caso se trate de um atleta do Braga, do Benfica ou do Porto...

    ResponderEliminar
  3. É natural, o Deco veio roubar o lugar do rui Costa na selecção. Foi ciumezinho...

    ResponderEliminar
  4. Este tipo sonha com o Benfica de manha à noite, arrrr...
    Uma avenida de inveja que vai da Liberdade ao freixo...
    (embrulha mais uma de ouro do Di Maria).

    ResponderEliminar
  5. Esse ódiozinho a tudo que vem dos lados da Luz está a bater ferros, hã?

    Gosto também quando dizes que é igual se a situação vier de Benfica, Porto ou Braga. Fico então à espera do post em que atacas ferozmente a arbitragem do último jogo do Enorme. Isto só para manter a coerência, claro.

    ResponderEliminar
  6. Neste post ninguém fala do Benfica. Vocês é que vêm fantasmas em todo o lado!

    Apenas falo de 3 atletas da selecção nacional. Mais nada.

    ResponderEliminar
  7. Claro que sim. Dá para perceber claramente que és bastante inocente no que toca a falar do Benfica. Tanto por aqui como por outros blogues.

    Também dá para perceber que só respondes ao que dá jeito.

    Uma pequena curiosidade: Onde anda o Deco agora? Onde lhe pagam mais. Se tivesse sido convocado há uns anos pelo Besiktas em vez de ser pelo Porto, seria português? Penso que não. E o Nelson Évora (sim, é sem o acento)? Esse, além de ter vindo para cá sem ser por interesses económicos. recusou convites para ir trabalhar para os EUA. São pequenas diferenças.

    ResponderEliminar
  8. Pedro, comparar realidades incomparáveis apenas para reforçar uma convicção fracturante nossa não me parece muito legítimo.

    Comparar Nélson Evora, chegado com 5 anos a Portugal, nascido por acidente na Costa do Marfim, quando os pais eram portugueses nascidos em Cabo Verde, um atleta que sempre representou Portugal, em juniores e seniores... com Deco que nunca representou Portugal em camadas jovens, que não é filho de portugueses, que sempre se assumiu como brasileiro e cujo sotaque não engana, é de facto de bradar aos céus. Haja bom senso.

    ResponderEliminar
  9. Caro Vimaranes,

    Não é por mim qye os céus bradam mas por toda a imprensa nacional e internacional que os tem comparado!

    ResponderEliminar
  10. Ah e folgo saber que o protocolo já está a ter efeitos... :D

    ResponderEliminar
  11. "Neste post ninguém fala do Benfica. Vocês é que vêm fantasmas em todo o lado!"

    E nós é que vemos os fantasmas?
    Nós é que somos as bestas?
    araarararrrrrr...

    ResponderEliminar
  12. A comparação não tem lógica alguma. Nem o facto de a imprensa a estar a fazer desculpa isso, porque se seguirmos a nossa imprensa, corremos o risco de ir parar a uma lixeira...

    No entanto não me admirava que o Rui Costa na altura temesse que o seu lugar na selecção estivesse em perigo. De qualquer maneira isso não o impediu de festejar vitórias com o Deco, abraçados...

    ResponderEliminar
  13. Os do SLB, já estam habituados a chegar depois dos outros, como na Volta.
    Agora, andam com a mania da medalha do Maria, mais uma vez vêm tarde, o Braga já tem uma a do Meyong

    ResponderEliminar
  14. Qualquer cidadão da Africa portuguesa é bem visto como cidadão principalmente até, digo eu, se for de Cabo Verde, por serem de base mulata...
    Com o Brasil, apesar de tudo, é algo diferente.Afinal já é independente hà 200 anos, pelo que não existe em Portugal uma geração quecpnvivesse em cidadania...
    Mas a lei prevê as naturalizações e portanto nada obsta.Também há filhos de emigrantes que de portugueses pouco ou nada têm, além de terem dupla nacionalidade...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores