| Partilhar
Avenida Ideal

Capítulo 3: da monarchia

Há um par de meses, numa conversa sobre ideias, um amigo falou-me da "Monarquia do Norte", a mais importante tentativa de restauração da Monarquia em Portugal; como nunca tinha ouvido falar de tal coisa, decidi ler sobre o assunto.

A Monarquia do Norte, proclamada no Porto a 19 de Janeiro de 1919, durou apenas 25 dias, mas conseguiu expandir-se por todas as grandes cidades a norte do rio Vouga, à excepção de Chaves. Apesar de não ter conseguido conquistar Aveiro nem Coimbra, o movimento monárquico liderado por Paiva Couceiro fazia tremer o Governo de Tamagnini Barbosa, obrigando-o a apelar aos civis e estudantes que se alistassem para defender a República.

A 22 de Janeiro, enquanto um grande número de voluntários republicanos davam vivas à República em desfile patriótico até ao Terreiro do Paço, as forças monárquicas lisboetas entrincheiravam-se no alto de Monsanto para, na manhã seguinte, bombardear Lisboa e tentar a rendição do Governo. A batalha durou até à tarde de 24 de Janeiro, quando as forças republicanas se uniram e preparam um ataque geral às forças monárquicas que não tardaram a render-se.

Com esta demonstração do poder republicano, as forças partidárias da "República Velha" voltaram à esfera do poder para combater a política do Governo de Tamagnini Barbosa, que legislava mais para agradar a monárquicos e republicanos do que para bem da Pátria; curiosamente, a revolta monárquica como a contra-revolta republicana têm o mesmo fim: a "salvação da Pátria". A 26 de Janeiro, Tamagnini Barbosa demite-se e, a 28 de Janeiro, José Relvas sucede-lhe.

Com a monarquia confinada ao espaço a norte do Vouga, as forças republicanas foram avançando e reimplantando a República e, ainda antes do final de Janeiro, várias cidades eram já republicanas. Pouco tardaria até que, a 13 de Fevereiro, a República fosse reimplantada na capital da monarquia do norte, o Porto, pelos mesmos que 25 dias antes haviam restaurado a Monarquia.

A História também é feita de mudanças de ideias.


_____________
Para saber mais:
Paiva Couceiro e a contra-revolução monárquica, Artur Ferreira Coimbra

7 comentários:

  1. Para quem dizia ter uma base de apoio popular tão larga foi vida curta...

    ResponderEliminar
  2. pedro, o apoio popular foi enorme; o problema é que o apoio popular não é compromisso e estar do lado dos que ganham dá sempre menos chatices...

    ResponderEliminar
  3. João, se estamos a falar de uma situação em que a população em geral apoiava quem quer que parecesse ter a posição dominante não estaremos perante o que poderia ser definido como "indiferença popular face à questão de regime"?

    Atenção que estou só a especular um pouco, não conheço os detalhes históricos da monarquia do norte para poder falar com certezas.

    ResponderEliminar
  4. Gostei do tema deste post, e pergunto: é verdade que a coragem, a abnegação e o inegável carácter das gentes do Norte estiveram sempre ao serviço da reacçao? Tivemos também o 28 de Maio e até a revolta da Maria da Fonte foi uma sublevação retrógrada. O Porto é diferente. mas o Minho' O que dizer? Continue a escrever.
    Fernando Castro Martins

    ResponderEliminar
  5. No final do texto pode ler-se "...pelos mesmos que 25 dias antes haviam restaurado a Monarquia.". Este facto é característico dos golpes, contra-golpes e intentonas que caracterizaram o período da Primeira República: o vazio ideológico de muitos personagens políticos, alguns bastante apoiados pelas massas. Tal facto não tem directamente que ver com a República, posto que antes de 1910 a política era bastante semelhante. Aliás, a questão República/monarquia, não era uma questão ideológica, como então se queria fazer querer, posto que a Primeira República manteve o mesmo regime político da Monarquia Constitucional, um parlamentarismo oligárquico, que pouco teve de democrático.

    Quanto à "Monarquia do Norte", foi apenas mais um golpe, entre outros, ao qual nem o próprio ex-Rei Manuel quis aderir. Uma das razões pela qual a tentativa restauracionista não resultou foi, precisamente, o facto de os revoltosos não terem conseguido controlar Lisboa (felizmente), na altura, mais do que agora, o epicentro político do país.

    O apoio popular, quando falamos desta época, é uma espada de dois gumes. Se olharmos para uma caracterização sócio-economómica da população portuguesa, há 80 anos, não será de estranhar que a adesão popular fosse relativamente fácil de conseguir. O caciquismo latente acabava por controlar a "vontade popular".

    Não me parece que houvesse uma preferência especial das gentes do Norte pela monarquia. O Norte tão-pouco conhecia a família real, cujos desvarios extravagantes, mais visíveis no Sul, acabaram por tornar o povo de Lisboa tendencialmente mais "republicano". Parece-me que no Norte a adesão popular à "Monarquia do Norte" deve ter sido conseguida sobretudo pelos sectores conservadores religiosos, que a República laica combatia. A implementação da "Lei da Separação" moveu, de facto, as comunidades mais católicas contra a Repúlica.

    Não me parece, contudo, que a coragem das gentes do Norte tenha estado sempre ao serviço da reacção. Nesta questão da "Monarquia do Norte", Chaves é um bom exemplo de coragem contra a reacção. Quanto ao 28 de Maio, de facto começou em Braga, mas imediatamente a seguir em Évora, e não foi uma revolta popular (nem teve qualquer apoio da população em geral).

    Esta temática é interessante e deve ser discutida. Óptima ideia, a deste post.

    ResponderEliminar
  6. Boa análise, sr Gonçalo Cruz.
    Mas vale a pena continuar. E então a revolta do Minho contra os Cabrais? Quem foi Maria da Fonte? Quem foi o Pe Casimiro?
    Aqui houve, penso eu, uma sublevação genuína do povo contra a tirania de Lisboa onde pontificaram, de facto valores conservadores. Mas é redutor, também acho, dizer que o povo é reacça...
    Serão bem-vindas mais análises suas.
    Fernando Castro Martins

    ResponderEliminar
  7. Caro Fernando Martins,

    A revolta da Maria da Fonte foi um acontecimento político e social distinto da "Monarquia do Norte". Mas também aqui me custa a aceitar numa revolta "genuína do povo" (será que elas existem?). O tal Pe. Casimiro, limitou-se a descrever os factos?...

    A Maria da Fonte foi, de facto, motivada por valores retrógrados, como o enterramento de cadáveres dentro das igrejas. Mas teria sido este o motivo principal? Ou foram os impostos dos "Cabrais"?
    Estamos então a falar de conservadorismo, ou de uma certa resistência a um sistema moderno e europeu de estado? E essa resistência não existe ainda hoje?

    A substituição dos "impostos religiosos" pelos "impostos civis" foi longa e difícil. Sobretudo porque os "impostos religiosos" prometem o céu... Mais uma vez, no Minho, onde as populações estavam muito ligadas à Igreja e sua influência.

    Mas não devemos esquecer que revoltas contra a autoridade do governo houve várias, umas mais espontâneas que outras, tanto no Minho, como em Lisboa, como no Alentejo (não há muito tempo).

    Obrigado pelo comment.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores