Do Moralismo

| Partilhar
Descobri hoje que a lei não permite o licenciamento de sex shops «a menos de 300 metros de locais de culto, escolas ou parques.» Até percebo que se promova um perímetro higiénico junto às escolas para que as crianças e jovens se não sintam tentados a passar das conversas de cavalos e mulheres nuas. Mas por que raio é que o Estado tem que manter estas lojas afastadas dos fiéis das mais variadas confissões?

A ler: Moralismo Religioso do Estado

20 comentários:

  1. que raio de post é este digo eu!
    tal como no comentário anterior...

    "será por bom senso?"
    será por respeito(á crença dos outros?)

    naaaa isto não importa NADA!!!

    o que se queria era ver pessoas a vender vibradores á porta dos locais de culto isso é que era!! por favor Pedro Morgado!! não tem mais nadinha que falar!?

    ResponderEliminar
  2. O "trio Odemira" reage em breve a esta mentira do JN:


    "Braga é uma das cidades que regista, de ano para ano, um aumento de pobreza e de gente que passa fome. Mendigos, toxicodependentes e os sem-abrigo recebem, diariamente, refeições gratuitas em plena rua.

    Tânia Gomes é uma jovem voluntária que vive a experiência do drama de pessoas toxicodependentes de rua, muitos deles já num estado de "heroinodependentes", e dos sem-abrigo que, diariamente, se acotovelam pelas esquinas e ruelas da cidade de Braga. De segunda a sexta-feira, entre as 19.30 e as 24 horas, integra a Equipa de Rua "Aproximar", da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na resposta a situações extremas de miséria e de gente (esfomeada) que sobrevive pela caridade de uma refeição à hora do jantar. "É um trabalho que me orgulha como pessoa que sente o problema dos mais carenciados e daqueles que, por razões várias, sofrem de fragilidades físicas e psíquicas", disse a voluntária, de 22 anos, recém-licenciada em Educação, pela Universidade do Minho. Preocupa-a o crescente aumento de pessoas que vivem da mendicidade, sendo já várias instituições a combater, em Braga, o problema da miséria humana. Entre elas, a CVP e a Caritas Portuguesa, que, só à sua conta, "matam a fome" a cerca de três centenas de pessoas. Uma realidade que já motivou o "alerta" da Arquidiocese de Braga, com o arcebispo-primaz D. Jorge Ortiga a defender, urgentemente, a criação do Banco Alimentar contra a Fome (ver caixa ao lado). "A pobreza está a crescer e, cada vez, há mais gente que vive na rua e que nos pedem ajuda. Na sua maioria, são toxicodependentes, mas também aparecem já pessoas com problemas de alcoolismo, e outras que romperam laços familiares e que vivem agora só e sem apoio de ninguém", alertou, por sua vez, Nuno Gomes, animador social da CVP. É o caso de Filipe, de 36 anos, deficiente físico, que, diariamente, junto ao Hospital S.Marcos, espera a Equipa de Rua para receber a sua refeição da noite. "Vivo na mendicidade, pois, desde os oito anos, fiquei inválido e agora rejeitado pela família. Não tenho casa, nem dinheiro, nem pão", desabafou. Durante quase cinco horas, o posto móvel "Aproximar" percorre vários lugares da cidade, oferecendo alimentação a cerca de 30 pessoas. Um cabaz alimentar constituído por uma fruta (banana), sandes, sopa e leite quente. "Isto é uma graça que caiu do céu. Se não fossem estas pessoas maravilhosas já tinha morrido de fome", a confidência dolorosa de um homem que diz "solitário", marcado por uma vida desfeita, conjugalmente, carregando, ainda, o sofrimento de epilepsia. Por dia, a Equipa de Rua atende uma média de 30 pessoas, cuja missão parte do Centro de Alojamento Temporário Dr. Francisco Alvim, da CVP, e tem paragens por vários pontos da cidade: Picoto, S. Lázaro (junto ao Hospital S. Marcos), Maximinos, S. Vicente (Central de Camionagem) e S. Vítor."

    ResponderEliminar
  3. Qualquer pessoa de bom senso compreende a razão desta medida.
    O Pedro Morgado confunde ateísmo com fundamentalismo.
    Repare que o fanatismo também existe entre aqueles que não professam qualquer religião.

    ResponderEliminar
  4. «o que se queria era ver pessoas a vender vibradores á porta dos locais de culto isso é que era!!»

    Tem medo que alguém compre? :)

    ResponderEliminar
  5. aqui impediram a abertura de uma sex shop porque há duas igrejas próximas, uma direcção, outra na outra, pelo que a loja continua vazia, algo me diz que só mesmo um negócio desse género poderia dar resultado e é lamentável esta lei.

    ResponderEliminar
  6. Há que manter as aparências, não é? Essa lei faz ainda mais sentido em Braga, tendo em conta a fama de alguns crentes, e até mesmo de algum clero (Sim, eu sei que o Cónego já morreu!), que é danado para o mulherio.

    ResponderEliminar
  7. O mais chocante será a presunção de um Estado que, não devendo tomar posição em matérias religiosas, acha que todas as religiões partilham da aversão abraamica ao sexo e adereços correspondentes e legisla ou mantém legislação nesse sentido.

    ResponderEliminar
  8. Curiosamente, o comentário mais iluminado na notícia do JN veio de uma francesa:

    "Já Murielle Sabrine, uma designer francesa de 35 anos que fazia uma visita turística ao templo, resumiu, sorridente: "Cada um tem a sua religião, não vejo qualquer problema com essa proximidade".

    Coisas de quem tem uma cabeça arejada pelos ares que circulam pelo mundo, mas não nas sacristias?

    ResponderEliminar
  9. Atendendo a que a maioria das sex-shops não tem imagens nem artigos susceptíveis de ofender expostosna montra (por imposição legal),não se compreende como é que se trata de uma questão de bom senso ou de respeito pela crença.

    Quando os crentes vão à igreja/mesquita/... ficarão de alguma forma menos convictos da sua fé e será necessário restringir uma lei para algo ainda mais limitador?

    Se a questão é a Tentação, talvez os padres que dirigem instituições de caridade deveriam ser afastados das criancinhas, tantas são os testemunhos de menores de idade abusados pelos seus mentores espirituais...

    Tudo em nome de Deus é claro!

    ResponderEliminar
  10. A parte mais engraçada da notícia é esta:

    «"Desagrada-me a proximidade de uma loja com essas características", comentou o padre Bernardo Xavier, reitor daquele templo. "Ainda por cima numa zona de prostituição e de alcoolismo, como é o Cais do Sodré", acrescentou.»

    Como se pode ver, a causa destes dois flagelos está relacionada com o número de vibradores que se vendem... :P

    ResponderEliminar
  11. Ó MORGADO...

    Vou-te explicar uma coisa...
    Tens filhos? Não deves ter.
    Mas faz de conta que tens (apesar de ser dificil) e imagina.

    Tens o teu filho num infantário, numa escola etc., e logo ao lado abrem uma sala de chuto.
    O que é que tu dizes?

    Já sei; AHAH Não tem nada a ver!

    Errado.
    Agora aprende;
    Para tudo nesta vida à limites e deve haver respeito;
    Pela religião seja ela qual for, pelos idosos, pelas crianças, por quem pensa diferente.

    Com este post mais uma vez o Sr. mostra a sua pequena a "aburregada" visão.

    Não vá no paleio de certos palermas encapotados de "supersumos", nem entre por caminhos que não conhece, nem sabe do que está a falar.

    è um conselho...

    ResponderEliminar
  12. E pode haver cafés e boites e "mercado da carne" literalmente encostados a igrejas?
    E pode haver cafés junto a escolas?? - depois enchem-se de jovens "pecadores"
    E pode haver escolas sem professores?
    E porque é que os alunos são passados administrativamente?
    E se os alunos são passados administrativamente, para que servem os professores?
    Ou então, para que servem as escolas?

    Será normal um jovem a finalizar o 9º ano e natural do concelho de Barcelos, não saber onde desagua o rio Cávado ou qual o rio que desagua em Viana do Castelo?
    E qual o rio que passa em Ponte de Lima?
    Resposta: "num sei".

    Estou pasmo.

    ResponderEliminar
  13. Sou liberal nos costumes mas também não é preciso tanto.Até acho de muito mau gosto a existência de sex-shops junto a locais de culto...Mas nada contra, só acho mau gosto.
    Quanto ao resto podem proliferar à vontade...

    MAIS ESTADO MELHOR ESTADO MENOS ASAE

    ResponderEliminar
  14. Homem da Festa,

    Mas o que é que uma sala de chuto tem a ver com uma sex shop?

    É por serem ambas coisas de grande pica?

    ResponderEliminar
  15. Falha-me a compreensão. Os fiéis sentirão na pele aquilo a que abdicam ao fazer a sua escolha religiosa e de contenção. Se não são consumidores de artigos de uma sex shop, certamente não lhes fará grande mossa roçar ao de leve por uma montra com lingerie reveladora.

    Já as criancinhas compensariam as lacunas ao nível da educação sexual, ao perceberam o que é um dildo, lubrifcante e indústria porno. Eventualmente, aprendemos todos na adolescência (muitos aos trambolhões por falta desse enquadramento inicial) o que vêm a ser estes objectos do demo.
    Crianças elucidadas não se tornam adultos promíscuos, tornam-se adultos sexualmente realizados.

    ResponderEliminar
  16. Ó Carolina...
    Então quando fores á missa
    e não te sentires plenamente realizada com a tua fé de pouco fervor
    passa pela sex-shop e realiza-te com um vibrador!!

    Afinal fica mesmo ao lado da Igreja...

    ResponderEliminar
  17. Homem da festa, certamente encontraria mais paz de espírito.

    ResponderEliminar
  18. E contudo as igrejas dizem aos casais, aos noivos de vários credos, coisa do género, fornicai e multiplicai-vos, embrulhado numa espécie de eufemismo e redundância de linguagem.

    Non è proprio vero?!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores