Um Post Assumidamente Polémico

| Partilhar
Hoje meio Portugal fechado. Ontem também. Anteontem a mesma coisa. Trasantontem igual. Desde que fizeram heresia não dar tolerância em tudo quanto é festinha e ponte, os governos renderam-se ao politicamente correcto e eleitoralmente conveniente, inundando de pontes e tolerâncias um calendário já de si generoso em feriados. Ainda que tenha que ser feito ao arrepio do eleitoralismo fácil, parece indispensável encetar uma profunda revisão da quantidade e da qualidade dos nossos feriados. A minha proposta é a seguinte:

1 de Janeiro - Dia Mundial da Paz (manter)
Fevereiro - Carnaval (acrescentar)
Março/Abril - Sexta Feira Santa (suprimir)
Março/Abril - Páscoa (manter)
25 de Abril - Dia da Liberdade (manter)
1 de Maio - Dia do Trabalhador (manter)
10 de Junho - Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades (manter)
Junho - Corpo de Deus (suprimir)
15 de Agosto - N. Sra. da Assunção (suprimir)
5 de Outubro - Dia da Implantação da República (manter)
1 de Novembro - Dia de Todos os Santos (suprimir)
30 de Novembro - Dia da Língua Portuguesa (acrescentar)
1 de Dezembro - Dia da Restauração da Independência (suprimir)
8 de Dezembro - N. Sra. da Conceição (suprimir)
24 de Dezembro - Dia de Consoada (acrescentar)
25 de Dezembro - Natal (manter)

35 comentários:

  1. Cá por mim acabava com a herança fascista do 10 de Junho e passava o Dia de Portugal para o 24 de Junho, dia da batlaha da independencia.

    ResponderEliminar
  2. Qual o critério que te leva a dizer Páscoa e Natal manter, e todos os outros feriados religiosos suprimir?

    Porque não um feriado ligado às questões ambientais, como por exemplo o dia da floresta, ou o dia da água, etc...

    Já agora...gostei do pormenor, do "Dia da Língua Portuguesa"...é no dia 30 de Novemro... corrige "facha bor" o erro ortográfico...

    ResponderEliminar
  3. Pera aí... Suprimir o 1º de Dezembro?

    Então não era uma «tradição suficientemente fantástica»?
    http://avenidacentral.blogspot.com/2007/10/caa-s-bruxas.html

    Tradição que, em 2006, criticaste por não ter sido suficiente e visivelmente celebrada. http://avenidacentral.blogspot.com/2006/12/sobre-o-primeiro-de-dezembro-em-braga.html

    Non sense!

    ResponderEliminar
  4. Nota-se uma profunda aversão religiosa na tua abordagem, desde há muito. Porque não então "suprimir" o Natal e a Páscoa?

    Se fizesse uma proposta de certo que retiraria alguns dos feriados religiosos, por considerar que existem demasiadas "folgas" neste país. Contudo também considero que outros como o dia 25 de Abrial, nos dias de hoje nada significam. Ser feriado no dia do trabalhador é simplesmente cómico, ou então desconheço qual a razão.
    Manteria o 10 de Junho e poria em causa o 5 de outubro.

    Em resumo a minha proposta seria:
    1 janeiro;
    6ª feira Santa e Páscoa;
    10 Junho;
    24 e 25 Dezembro.

    Levaria a discussão:
    13 de Maio (Nossa Senhora de Fátima) ou 8 de Dezembro (nossa Senhora da Conceição - Padroeira de Portugal)
    1 de Maio (pelo acima referido)
    5 Outubro.

    ResponderEliminar
  5. O 10 de Junho não é o Dia de Portugal, na minha opinião. Será mais dia de Portugal o 24 de Junho. E o 01 de Novembro é para manter.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Vejo por aí gente que detesta os feriados, muito provavelmente porque folga sempre que lhe apetece. Por mim, deixava ficar o Natal. Apenas proibia que as celebrações natalícias (iluminações nas ruas, banda sonora nas ruas, do género "a todos um bom Natal...", passadeiras vermelhas no chão, pressão consumista) começassem, como já começam, em Outubro.

    Quanto a feriados a eliminar, o único que me parece dispensável é o da Páscoa, por ser redundante (a não ser que decidam deixar de a celebrar ao domingo). Quanto aos outro que por aqui se propõem (Carnaval, Dia da Língua, dia da Consoada, 24 de Junho), são todos excelentes ideias.Cá por mim, não eliminava nenhum feriado religioso. Antes propunha, por um princípio de igualdade e de interculturalidade) que também se respeitassem os de todas as outras religiões.

    Também não me pareceria mal, no contexto de uma muito necessária política de reforço da unidade nacional, que os feriados municipais de cada concelho passassem a ser celebrados em todo o país, e também, já que estamos em maré europeia, estaria tentado a sugerir que o Sócrates aproveitasse os últimos dias do seu mandato na Europa para decretar que os dias nacionais de cada um dos países da União passariam também a ser celebrados, com feriados em todos os restantes países da Europa (especialmente em Portugal, claro).

    Para os que não gostam de feriados, como o Osso que escrevinhou aí acima, como garantia do respeito pela liberdade individual, deveria ser instituída uma cláusula de salvaguarda que lhes assegurasse o direito de trabalharem nos dias de feriado.

    A todos os que hoje não trabalharam, aqui deixo o meu muito saudar, com uma pontinha de inveja.

    ResponderEliminar
  8. ok! pedro, concordo que deviamos acabar com alguns feriados, mas não esqueceste, os municipais. para que servem?

    ResponderEliminar
  9. 1. O facto da tradição do 1º de Dezembro merecer ser respeitada em Braga não significa que tenha que haver feriado.

    2. O Dia de Portugal é festejado a 10 de Junho. Idealmente deveria ser a 5 de Outubro (data da assinatura do Tratado de Zamora), mas como já se celebra a Implantação da República não me parece mal que se mantenha no dia 10 de Junho.

    3. Porquê Natal e Páscoa? Porque são as duas maiores celebrações católicas.

    4. Já quanto à Batalha de S. Mamede, é bom não esquecer que a mitologia que a rodeia (tanto à batalha como à própria história de D. Afonso Henriques) também é produto do ideário salazarista que governou o país.

    5. Os Feriados Municipais: espero que sejam redefinidos quando os concelhos forem fundidos!

    ResponderEliminar
  10. Não consigo compreender o critério. Se me conseguires o porquê de retirares alguns religiosos e manteres outros, talvez possa dar a minha opinião. Creio que o post está incompleto.

    ResponderEliminar
  11. Proposta:
    Cada portuguezinho deverá escolher no início do ano (além das feriazitas) os feriados que quer gozar e inventar segundo a sua preferência ou cor.
    Cor religiosa, política, social, humanista, sexual, pacifista, militarista, ecologista, consumista, anti.qualquer coisa, a favor de alguma coisa, para relembrar qualquer coisa ....alpista etc..!
    É com este pensar que leio o seu post.
    Fechem os feriados numa gaiola e Portugal continuará mesquinho como sempre!
    Toninho Regadas

    ResponderEliminar
  12. Parte-se do pressuposto que o direito dos cidadãos a viver a vida é mau.Eu acho exactamente o contrário, os feriados, a pontes e as férias, é que fazem mexer o país, pelo menos no que interessa realmente..

    Viva o lazer!!

    ResponderEliminar
  13. E porque não acabar com o 1 de Janeiro? A Paz, como o Natal, é quando um Homem quiser, logo podia-se acabar com ambos... Porque manter Páscoa e Natal só porque é da praxe, que é como tu os deves entender, dado seres tão anti-cristão... Depois, segues a lógica de manter as celebrações nacionais mais recentes (25 da desgraça, 1º de Maio - já agora, dia do trabalhador é para trabalhar... -, 10 de Junho, 5 de Outubro) e acabas com os dois que mais dizem da antiga identidade Portuguesa: o 1 e o 8 de Dezembro... Porque, caso não tenhas reparado ou não saibas, a 8 de Dezembro, antigo dia da mãe, celebra-se Nossa Senhora da Conceição, sim, que é a Rainha de Portugal...

    O feriado do Corpo de Deus é também da máxima importância para a religião cristã, quase a par de um Natal ou Páscoa...

    Já agora, Dia da Língua Portuguesa? Mas que merda é essa? Dia 30, a ser feriado, só se fosse por ser o dia depois do Pinheiro...

    ResponderEliminar
  14. 1. Porquê o Natal e a Páscoa? Digam vocês quais os 2 feriados religiosos que manteriam?

    2. Caro Ergolas, Raínha de Onde??? De Quê??? Raínha do meu país não é concerteza absoluta. Que a queiras para tua raínha, admito. Agora não a queiras impor a um país de cidadãos livres.

    ResponderEliminar
  15. 1. Alguma justificação para termos dois feriados religiosos apenas?

    2. Rainha de Portugal, Padroeira de Portugal. Mais do que uma questão ideológica, uma questão identitária, aquilo que isso simbolizou para a nossa independência e para a Restauração. A menos que aches que isso também não merece ser celebrado...

    E já agora, o Ergolas já lá vai...

    ResponderEliminar
  16. Caro Tiago,

    Tem o seu contexto histórico. Nada para além disso. Parece-me abusivo querer impô-la como "Raínha de Portugal".

    ResponderEliminar
  17. Pedro, não vamos levar isto para uma questão ideológica. D. João IV já a consagrou como tal.

    Dia 24 feriado com que justificação? Então e aquela prenda de última hora que te esqueceste de comprar?

    ResponderEliminar
  18. Justificações para serem dois:

    1. A celebração do Natal vai muito para lá do significado religioso. Há uma celebração social emergente que nada tem a ver com o nascimento de Jesus e que justifica que se mantenha o dia de feriado.

    2. Quanto à Páscoa, parece-me justo mante-la uma vez que é a celebração mais importante para a religião que mais gente professa em Portugal. No entanto, caso os católicos achem desnecessário também pode abolir-se esse feriado.

    ResponderEliminar
  19. E a sério, não me lixes, porquê manter o 1º de Maio?

    ResponderEliminar
  20. Tiago,

    Consagrou-a num contexto que já não existe e que, como tal, não faz mais sentido.

    ResponderEliminar
  21. Dia 24 de Dezembro elevado a feriado?
    E se calhar a uma terça-feira, eleva-se a segunda-feira à categoria de Ponte?

    Feriado no Carnaval? (vamos oficializar a Palhaçada?)

    - "Junho - Corpo de Deus (suprimir)" - Confesso, nunca percebi muito bem o porquê deste feriado em que toda a gente vai para a praia.
    -"15 de Agosto - N. Sra. da Assunção (suprimir)" - caso não estejam de férias, outro bom dia para a praia.

    Como ainda tenho a cabeça cheio de doces, não consegui ainda deslindar se a tão apregoada "baixa produtividade dos portugueses" se deve a tantos e tantos feriados ou a um defeito congénito do homo lusitanus.

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  22. Penso que é de manter todos os feriados instituídos e acrescentaria mais os seguintes: 28 de Maio,25 de Novembro,Dia dos Namorados,Dia das Sogras,Dia dos Moinas,Dia dos Caloteiros,Dia dos Calaceiros e Dia dos Politicos

    ResponderEliminar
  23. os catolicozinhos ficaram todos chocados com a ideia... se não concordam com a manutenção da páscoa e do natal, pois bem: retirem-se esses também!

    ResponderEliminar
  24. pá....voto na manutensão do dia 1 de Dezembro.....o resto, concordo na totalidade!!!

    ResponderEliminar
  25. Há um argumento que nunca percebi lá muito bem para a existência de tantos feriados: supostamente não trabalhar motiva os trabalhadores para o trabalho.

    O pior é que a lista de feriados se multiplica com um número mais ou menos generoso de folgas graças às tolerâncias de ponto. Por causa disso temos, obviamente, um país a duas velocidades: a velocidade estonteante da função pública e a velocidade do sector privado.

    O que me parece mais flagrante é que a preparação dos dias sem trabalho começa antes, com o clima de pré-feriado, com as pessoas a arrastarem-se, já com a cabeça noutro sítio, quando não saem mesmo um bocadinho mais cedo para “aproveitar”. Depois vem a ponte, o feriado propriamente dito e finalmente o “pós-feriado”, em que os funcionários se arrastam por causa do trauma psicológico que é voltar ao trabalho.

    Acabar com alguns feriados não será, certamente, uma tarefa política muito agradável. Desde logo porque alguns deles são feriados religiosos, o que geraria fortes reacções negativas por parte da hierarquia da Igreja Católica. Quem não se lembra do pé de vento por causa do protocolo ou dos capelões nos hospitais?

    É justamente alguns desses feriados que eu eliminaria do mapa. Sexta-feira, Corpo de Deus, Nossa Senhora da Assunção, Dia de Todos os Santos e Nossa Senhora da Conceição parecem-me dispensáveis. Do mesmo modo, também não concordo que o dia de consoada seja feriado. Acho que o Natal e a Páscoa, como festas maiores da principal confissão religiosa em Portugal, chegam.

    Não acho descabido celebrar o Dia da Língua Portuguesa, uma questão que até está na ordem do dia com o Acordo Ortográfico. Da vizinha Galiza vem-nos o exemplo do Dia das Letras Galegas (informações em http://www.diadasletrasgalegas.com/ e http://gl.wikipedia.org/wiki/D%C3%ADa_das_Letras_Galegas ), uma iniciativa que se tem revelado bem sucedida. A língua é um factor importante na afirmação de um país e Portugal não pode continuar a desperdiçar este recurso. Já basta de uma CPLP sempre em estado comatoso.

    Em relação às restantes datas, não tenho objecção de maior, embora admita que também em algumas o feriado é dispensável.

    ResponderEliminar
  26. Por outro lado, convém não esquecer o impacto "social" dos feriados.
    Quando é feriado, nomeadamente religioso, a SIC já abre os jornais com "Hotéis no ALL-garve com x% de ocupação".
    Portanto, preste-se atenção à próxima Páscoa e aos hotéis do All-garve.

    Do you understand?

    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  27. Será que tanta sanha contra os feriados é fruto de ressacas mal resolvidas nesta quadra natalícia? Tenho cá a impressão de que muitos dos que agora se pronunciam contra os feriados o fazem porque, pura e simplesmente, não trabalham.

    Onde é que foram buscar essa de que temos muitos feriados? E essa outra de associar o número de feriados à produtividade da Nação, ou à falta dela? Tenho a impressão que há por aqui algumas pessoas a quem, por vezes se bloqueia o descernimento.

    Alguma dúvida? Dou-lhes alguns números: Espanha: 16 feriados nacionais; Finlândia, a menina dos olhos do Sócrates, 15 feriados nacionais; Japão, 14 feriados nacionais. Tudo países subdesenvolvidos, claro. E, pasmem, meus senhores, Portugal tem o mesmo nível de produtividade da Alemanha e da Suécia, já que tem o mesmo número de feriados nacionais (13).

    Qualquer dia, ainda vos vejo a proporem o extermínio dos fins-de-semana e das férias, baseados em pressupostos do género dos qeu aqui invocais.

    Tenham juizo, meus amigos, tenham juizo. Ou então, da próxima, bebam um pouco menos. Sempre protegem os vossos fígados e evitam desatar a vomitar disparates.

    ResponderEliminar
  28. Porque supostamente somos tão produtivos como alguns dos nossos parceiros europeus vamos continuar a ter feriados para manter a tradição?

    Mais do que o número, o que está em causa é, sobretudo, se se justifica que determinados dias sejam feriado. Porquê aqueles dias e não outros quaisquer? As datas actualmente estipuladas são intocáveis? Porquê?

    Os feriados não são prémios de produtividade para os trabalhadores. São datas importantes que, por isso mesmo, merecem uma comemoração especial, que até justifica que não se trabalhe em dias “úteis”. Basta ver os inquéritos que os meios de comunicação social fazem nesses dias para perceber que a maior parte das pessoas não sabe o que é que está a celebrar...

    Se a questão é dar folgas às pessoas, então reduz-se o horário de trabalho ou decreta-se oficialmente aquilo que já é prática em alguns serviços: à sexta-feira à tarde ninguém trabalha. Se o problema é dar dias livres aos trabalhadores, é possível pensar em estratégias que não passam necessariamente por dar feriados estrategicamente distribuídos ao longo do ano.

    ResponderEliminar
  29. Tenho cá para mim que os feriados são estes que nós temos, como podiam ser outros, porventura até em maior número. Em muitos deles, confesso que tenho dificuldade em saber o que se celebra, e que jamais celebraria o que em alguns se celebra, sem que isso me impeça de os aproveitar. Fazem parte da tradição, e pronto!, e as tradições são como a memória: são para respeitar. Os dias de folga fazem, pelo menos para quem trabalha, parte de um direito muito respeitável. O direito à preguiça (por onde andas tu, Paul Lafargue?).

    ResponderEliminar
  30. Concordo totalmente com o sr. Ego. É natural haver alguns feriados que não são, efectivamente, perceptíveis pela maioria da população, como é o caso da festa da Nossa Senhora da Assunção. Mas também aí há que não esquecer todas as populações que celebram esta data, sendo o caso mais conhecido o de Viana do Castelo.

    Já agora, o Entrudo não é já feriado? "No meu tempo" era... Se calhar era bom lembrar-se que a motivação para esta celebração era também religiosa: aproveitar o último dia antes dos sacrifícios da Quaresma.

    Também não entendo acrescentarmos um feriado a 30 de Novembro pela Língua Portuguesa quando já celebramos a nossa cultura (o que compreende a língua) a 10 de Junho. Mas, cá para mim, não me importava nadinha que este dia fosse feriado.

    Mas, lá está, eu ainda não "trabalho".

    ResponderEliminar
  31. A bem da produtividade e para não ferir susceptibilidades de natureza alguma proponho uma medida radical: acabam-se TODOS os feriados e também as férias com a duração que for.
    O povo tem mais é que trabalhar e fazer como no Japão: 3 dias apenas para gozar, por ano: o dia do aniversário e mais 2 dias à escolha. Assim é que era!
    Ficaria o nosso amigo Pedro satisfeito, porque evitaria as comemorações religiosas e os que não partilham da sua cosmovisão mais agradados porque o tempo útil seria dedicado a bem da Nação! Ou achas que este termo é perturbador? Pronto, ficariam todos a ganhar, a bem da produtividade da gloriosa pátria!

    ResponderEliminar
  32. Eu como sou dos que defendem que a preguiça é um direito e não um defeito, proponho outro tipo de calendário para os feriados nacionais.Acabe-se com o feriado do dia de Todos -os-Santos e institua-se o feriado do Santo-do-dia. Assim teriamos feriado todos os dias a acabava-se com esta polémica das ponte que são uma consumissão.

    ResponderEliminar
  33. Por mim, acabe-se com o feriado da Páscoa. Assim como assim, ela calha sempre num domingo e é menos um daqueles que ficam estragados por já ser fim-de-semana! :D

    ResponderEliminar
  34. Já agora, considerando que são lesivos á economia, eliminem-se os domingos.O patronato e os governos agradecem

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores