Braga: A Lei do Betão

| Partilhar
Segundo avança o Diário de Notícias, a «proprietária Rodrigues & Névoa, detentora da Bragaparques, lança um concurso de ideias para o terreno, situado em frente ao Campus de Gualtar da Universidade do Minho (UM).

A Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Natural (ASPA) considera que a iniciativa "só vai servir para iludir a tragédia de a cidade ter perdido aqueles terrenos, inicialmente destinados a parque urbano". Aliás, considerou, todo o processo "é um dos maiores atentados ao património dos bracarenses nos últimos 30 anos". [...] Para o reitor da UM, Guimarães Rodrigues, a solução a adoptar "não é indiferente para a universidade", mas adverte que "o terreno é propriedade privada e a sua utilização depende da regulamentação camarária e do interesse de investimento dos proprietários". [...]

Segundo Miguel Bandeira, dirigente da Aspa, "ainda ninguém sabe o que vai ser ali" e defendeu que "esse concurso só vai servir para iludir a tragédia de a cidade ter perdido aqueles terrenos que inicialmente eram para parque urbano". Para este docente de Geografia Urbana, o processo em torno da Quinta dos Peões tratou-se de "um dos maiores atentados ao património dos bracarenses nos últimos 30 anos, porque era um terreno público, com solos com fertilidade fora do comum". Recorde-se que era uma estação de experimentação de milhos do Ministério da Agricultura. Para além disso, acrescentou, "o PDM tinha projectado para lá um parque oriental - zona de lazer - e depois a autarquia permitiu que o terreno fosse reclassificado para urbanização". [...]»

Era Reserva Agrícola. Era um parque de lazer da cidade. Era zona tampão da Universidade do Minho. Era... A responsabilidade da classificação do terreno como urbanizável é da Câmara Municipal de Braga que, como tal, é a única responsável pela tragédia do betão que se lhe seguir. Seja essa tragédia um hotel ou um parque residencial.

Aguardamos com muito interesse os resultados do concurso de ideias, sendo certo que o verde que desejávamos (e merecíamos) para aqueles terrenos será completamente impossível de concretizar.

14 comentários:

  1. ainda me lembro quando aquilo era só campo, com uma casita pequena e abandonada e com tudo verde em volta...
    Velhos tempo...

    ResponderEliminar
  2. Este é mais um dos exemplos em que os bracarenses devem reflectir... em braga é preciso mudar de rumo. Esperemos que não seja mais um estratagema par enriquecer um qualquer empreiteiro da cidade. 2009 está ai tão perto.

    ResponderEliminar
  3. E os profissionais que vão concorrer ao concurso de ideias, que sejam mais papistas que o papa e realmente idealizem o que Braga está à espera!

    Estou curiosa...

    Será que ha uma predefinição de programa?
    Será que há equipas e arquitectos convidos?
    Será que qualquer arquitectos pode concorrer, como seria desejável?

    hum...

    ResponderEliminar
  4. O pior é que a culpa não é só da CMBraga. Entre outros, o Ministro da Agricultura da altura também é um dos culpados. Há ainda que apurar outras intervenções, nomeadamente a de um actual vereador da oposição. Gostava de conhecer melhor a intervenção de Miguel Brito neste processo. Não foi apenas a CDU que aceitou convites.

    ResponderEliminar
  5. Boa ideia seria que os proprietários o oferecem á cidade de Braga para a execução de um parque urbano e como recomnhecimento do que Braga já lhes deu.....

    ResponderEliminar
  6. Também aguardo com muito interesse os resultados.
    O parque urbano era a melhor escolha!
    Mas até já estou a imaginar: um mega parque subterrâneo, e as ruas em torno da UM com linha amarela. Torres cinzas (à lá feira nova). E para finalizar, para tapar os olhos, uma arvore em cimento, mas atenção pintada de verde. Tristeza...

    ResponderEliminar
  7. Cada vez fico mais feliz comigo mesmo e com uma decisão que tomei há 5 anos atrás: deixei Braga! Já não moro em Braga e raramnte lá vou. Guardo algumas recordações de infância, o tempo no liceu Carlos Amarante e pouco mais. Vivo e trabalho longe de Braga e graças a Deus!!! Isso aí está entregue à bicharada e já nem é assunto meu.
    Como estou feliz por ter saído dessa cidade horrível!

    ResponderEliminar
  8. Pessoas com tu não fazem falta na cidade... Deves estar a morar num sítio fantástico... com grande urbanismo e uma boa arquitectura...estou mesmo a ver!!..... Não seja ridículo!!!... Não volte á cidade porque também não é bem-vindo!

    ResponderEliminar
  9. «Era Reserva Agrícola. Era um parque de lazer da cidade. Era zona tampão da Universidade do Minho. Era...»

    *É* zona de risco de cheias.

    Ainda não se construiu nada, por essa razão.

    ResponderEliminar
  10. Braga feia? Quem diz isto não deve ter olhos de certeza...Braga é a cidade mais fantástica do mundo. É incrível a sua beleza, não sou de braga mas quando vou lá fica-me sempre na memória aquela cidade medieval tão perfeita e acolhedora.
    Pergunto se alguem me encontra uma cidade sem zonas feias, é impossível. Mas uma coisa é certa, a beleza da zona histórica de Braga compensa largamente algumas zonas menos belas. Quero viver em Braga!

    ResponderEliminar
  11. Quando os donos da quinta dos Peões falam em concurso de ideias é uma forma disfarçada de dizer que vão atrair para a sua causa os rapazes do Ricardo, acho eu. É ele quem tem as ideias todas na cidade de Braga...
    Aliás, já o tinham aliciado para a compra da tal quinta de Cedofeita, para a Cãmara a dar à academia do Sp. Braga. Disse logo que era uma grande ideia...

    ResponderEliminar
  12. Ao estilo do largo do Carandá: ideia para colocar um marmarracho no meio de uma praça, rodeado de prédios por todos os lados.

    ResponderEliminar
  13. Por acaso até gostava de saber o que pensa o actual reitor da UM. O antecessor assinou um contrato de colaboração com o dono da quinta. O que vai fazer Guimarães Rodrigues? É interessante acompanhar.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores