Avenida dos Leitores: Praxe

| Partilhar


Integração. 12.Nov.2007
Enviada por José Sousa

20 comentários:

  1. Foi integrado no campo. Ficou a conhecer a fundo a terra.

    Rico começo...



    [o circo instalado]

    ResponderEliminar
  2. Ganhe dinheiro da net.

    http://1dollarfund.com/?owner=Dimar71

    Invista 1 dolar e ganher muitos....

    ResponderEliminar
  3. O sado-maso está a impor-se nas praxes?

    ResponderEliminar
  4. Nos States não chegam ao ponto de praxar e, mesmo assim, volta e meia, há um que perde o juízo e desata aos tiros pela escola. Cuidado Srs Doutores e Engenheiros, essa sabedoria e cultura toda ainda vai trazer consequências. Depois as culpas são do pobrezinho que não soube aceitar a brincadeira...

    ResponderEliminar
  5. O problema e' que ninguem discute o relevante, falam em acabar, erradicar mas porque talvez nunca tenham vivido o que de muito bom a praxe tem ... O relevante e que deveria ser discutido e' como melhorar e eliminar os excessos e os maus exemplos, aqueles que se mostram repetidamente rotulados de "A praxe e' isto!!", porque dos bons e dos muito bons ninguem fala ... eu tive muitos, felizmente!

    ResponderEliminar
  6. O que isso a que chamam de praxe tem de bom? Isso é apenas um reflexo de gente frustrada que não se consegue destacar de outra forma. Sempre que vejo alguém envolvido em praxes ou me aparece alguém "trajado" eu imagino logo que seja um atrasado mental qualquer. Terminei a faculdade há uns anos e mantenho a mesma ideia: quem se envolve nas praxes quase sempre são os mais frustrados, menos resolvidos e os mais desocupados.

    Isto estende-se às chamadas "actividades culturais" que são um autentico viveiro de retardados. Aqueles jograis (por exemplo) são um grupo de bêbados frustrados que tentam de alguma forma que as miúdas reparem neles. Mas coitados geralmente chegam aos 30 anos virgens....

    ResponderEliminar
  7. Em vez de fotografarem isto, deveriam era ter disparado um tiro de caçadeira a essa demente trajada.

    ResponderEliminar
  8. A cena é indizível e inqualificável. Por onde anda o tão elogiado Cabido de Cardeais a quem compete zelar pela ordem e pelo respeito na praxe?

    ResponderEliminar
  9. "Terminei a faculdade há uns anos e mantenho a mesma ideia: quem se envolve nas praxes quase sempre são os mais frustrados, menos resolvidos e os mais desocupados."

    Anonimo(daqui se ve o quao resolvido deves ser):

    Por acaso tenho uma ideia bem contraria quanto aos alunos que se envolvem nas praxes(na altura oportuna) ... Acho que geralmente aqueles que se afastam dela, seja qual for o motivo, na sua maioria, acabam por ser os mais frustrados naqueles que quase todos descrevemos como "os melhores anos da nossa vida" ...

    Quanto a' referencia que fazes ao "cabidE" Pedro, e' precisamente uma das coisas que, como disse mais acima, precisa de ser revista na praxe ou ... erradicada!

    ResponderEliminar
  10. hmag:
    Eu "fugi" da minha praxe. Aliás, a minha faculdade não tem grande praxe.
    Nem por um momento me senti frustada e menos integrada.

    Não me considero frustada, e acho que os belos anos da minha vida ainda estão para vir.

    Nem tanto ao mar, nem tanto à terra!

    ResponderEliminar
  11. Claudette Guevara:

    Se com o que escrevi passo a mensagem que todos os que nao sao praxados sao frustrados, nao era o que queria transmitir ...

    O que quero dizer e' que nao considero de forma alguma que quem esteve envolvido na praxe deva ter o rotulo de "frustrado" porque acho que a praxe e' valida (pelo menos foi comigo e com muita gente que conheco de diferentes faculdades do pais) como forma de integracao, que devia constituir sempre!

    ResponderEliminar
  12. HMAG,
    Todos sabemos que isso de "corrigir" a praxe é virtualmente impossível. Já muitos tentam, juntando-se à praxe, mudá-la por dentro e não conseguem. Não é o meu caso, devo dizer; no entanto conheço várias pessoas nessa situação.

    A Praxe tal como vem apregoada no Código de Praxe e é defendida por muitas pessoas hoje em dia, é apenas um mito. A Praxe é uma hierarquia. É uma hierarquia e os abusos que dessa hierarquia resultam. Quando praxe não implicar humilhação das pessoas, ou, passando ao mais banal, certas figuras tristes (e deveras impróprias) por parte daqueles que são as novas mentes do nosso país, talvez aí a praxe consiga ser integradora no verdadeiro sentido da palavra.

    Sinceramente, gostava de perceber qual o verdadeiro porpósito por detrás da criação da hierarquia da Praxe. Para incutir respeito pela Academia? Amor ao curso? Ou será que foi para dar oportunidade aos "veteranos" de impor respeito aos pobres dos caloiros? (leia-se: "fazerem o que querem com os pobres dos caloiros"). Já agora, devo dizer que essa foto está muito sugestiva... É o tal espírito de integração. E realmente está patente.. onde? Na parte onde os alunos vão à praxe para se integrarem com esses "doutores" e "engenheiros", não com os colegas. Não nego que não conheçam melhor os colegas na praxe, mas tudo tem o objectivo de ter acesso a certos privilégios (como poder praxar) e não se ser conhecido como a ovelha negra do curso.

    Não seria melhor promover outro tipo de actividades? Pelo que tenho visto, a Praxe não vai longe; já mandam alunos para hospitais, insultam pessoas que nada têm a ver com a praxe. É o espírito integrador de fazer asneiras em conjunto, sob a "protecção" de meia dúzia de indivíduos com capas pretas.

    ResponderEliminar
  13. Fiz cenas bem piores quando praxado e rio-me delas da mesma forma que me ria na altura... Esta imagem é fantástica :D

    ResponderEliminar
  14. Permitam-me também não levar em consideração opiniões de pessoas que nem sequer passaram por uma Praxe... Respeito, e muito, todos aqueles que experimentando, tiveram a decedência de dizer que não se identificavam (aconteceu-me com vários caloiros), decisão que percebi, respeitei e hoje passou por eles e cumprimento-os com a mesma cortesia que a toda a gente... Mas não posso de todo respeitar a opinião de pessoas que nem sequer têm a noção do que são as praxes académicas...
    Para mim, valem tanto como aqueles miudos que fazem birra porque não gostam de peixe sem sequer experiemntarem se está bom...

    um bem haja

    ResponderEliminar
  15. Que fique claro que eu experimentei a praxe! Por 15 dias... e realmente não me identifiquei.

    Talvez seja do cheiro do peixe...

    ResponderEliminar
  16. No meu caso, apesar de ter passado por algumas situacoes que provavelmente os deixariam mais chocados que esta imagem, nao posso deixar de dizer que depois de tudo passado, ficaria muito triste se "esse fim que anunciam" para a praxe tivesse acontecido antes do meu ano de caloiro!

    ResponderEliminar
  17. Cara Claudette,

    Assim sendo, entendo perfeitamente.
    Há muitos caloiros que não se inserem no espirito e não se identificam nas praxes académicas. Mas como já referi, não se pode negar algo que não se sabe como funciona,o trabalho que dá a organizar (sim, porque preparar programas activos para os caloiros dá, e muito, trabalho). E ainda a acrescida competência de quem praxa ter, muitas vezes, cerca de 50 pessoas, à sua responsabilidade.

    Como praxado e como praxante, sei o que é ser praxado, sei o trabalho que é ser praxante e sei também o quão gratificante é, hoje uma vez de curso terminado, recordar com os amigos e prazxe tudo o que fizemos e rirmos a alta gargalhada daqueles que foram os melhores anos das nossas vidas.

    um bem haja...

    ResponderEliminar
  18. Eh pah, este assunto deixou-me mesmo nostalgico, ate ja fiz um post sobre Praxe e tudo ... O primeiro a chamar-me frustrado ou demente tem premio!! ;)

    ResponderEliminar
  19. Caro Pedro

    Parece-me a mim que estas atitudes tristes de praxe reflectem alguns, e apenas alguns elementos da nossa sociedade.
    Como praxado, e praxante, devo informar aquelas pessoas que odeiam a praxe, que podem odiar à vontade, não podem é querer impor a sua vontade ao resto do mundo, dizer que quem praxa é "atrasado mental" só porque praxa, é o mesmo que ter duas palas nos olhinhos como os cavalinhos ali no Bom Jesus. Mas deixando de insultar os pobres dos animais.....(entenda-se os cavalos).
    Quem não quiser ser praxado basta dizer, parece-me a mim.... No meu curso ninguém foi posto de parte por não ser praxado. Pelo menos que eu saiba.
    No que ao Código de Praxe diz respeito, este só é desrespeitado porque quem devia falar não fala. E se tem medo de falar então sofrem as consequências, ou passam por parvos.
    O Cabido de Cardeais, está claro que não serve para grande coisa, mas também não se podia esperar muito desse Órgão quando este é composto (na sua hierarquia mais alta) pelo mesmo tipo de pessoas há muito tempo.
    Pessoas que não se interessam pelo respeito pela praxe e pela integração de um caloiro no respectivo ambiente académico.
    O Cabido de Cardeais assim como outros Órgão estudantis na Universidade do Minho deveriam sofrer algumas remodelações radicais, mas como sempre quem pode não faz nada.

    Cumprimentos

    LDS

    ResponderEliminar
  20. Vocês estão ai com coisas e houve mesmo quem dissesse qualquer coisa como "deviam era ter dado um tiro nessa trajada". Só quero dizer que muito provavelmente o tipo até passou bons momentos com ela logo após, se não durante a praxe... quiçá, ainda namoram.. e quem aprecia de fora, chucha no dedo.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores