Sobre o Bairrismo Parolo

| Partilhar
Pedir a sede da Região de Turismo do Norte Porto para Braga era... «bairrismo parolo». Quem o disse foi Mesquita Machado. A defesa dos interesses da cidade e do município exigiam que o edil bracarense viesse agora a público denunciar o «bairrismo parolo» do Presidente da Região de Turismo do Alto Minho por ter sugerido ao Governo que utilize o Castelo de Santiago da Barra para instalar os serviços da Direcção da Região de Turismo do Norte Porto. Rui Rio, outro «bairrista parolo», «manifestou desagrado pelo facto de a restruturação não contemplar a instalação, na segunda cidade do País, a sede de umas das novas regiões de turismo».

Para não sermos «bairristas parolos», arriscamo-nos ver fugir da terceira cidade do país, a Direcção Regional de Turismo para para Viana ou o Porto, depois de já termos visto sair a Direcção Regional de Agricultura para Mirandela e de se perspectivar a instalação da Direcção Regional de Cultura em Vila Real (editado em 19/10/2007).

Para não sermos «bairristas parolos», alinhámos na imposição governamental das 5 regiões de turismo, alegando que «há um grande consenso numa futura regionalização desde que ela assente nas cinco regiões». Segundo o que relata o DN, o turismo está a ser «regionalizado à força». Afinal, onde é que está esse grande consenso?

Para não sermos «bairristas parolos», somos «provincianos parolos» e vamos desperdiçando, uma por uma, todas as oportunidades de ainda termos alguma relevância política no novo mapa administrativo nacional. É preciso dizer mais alguma coisa?

21 comentários:

  1. É, Pedro.

    É preciso dizer mais coisas, é preciso tudo dizer e tudo denunciar para que toda a gente perceba a falta de dinâmica e de visão dos nossos dirigentes. São de uma tal paralisia, que só servem para nos manter afastados dum futuro melhor.

    Parabéns. Continua o bom trabalho.

    ResponderEliminar
  2. Para publicar no Norteamos, PF.

    Lembre que os que Norteiam não se importam nada que as sedes regionais fiquem fora do POrto.

    ResponderEliminar
  3. Caro Pedro,
    Texto muito bom.
    Só uma correcção, a direcção regional da Cultura do Norte já se encontra instalada em Vila Real.

    ResponderEliminar
  4. WebSite da direcção regional da cultura do norte: http://www.culturanorte.pt

    ResponderEliminar
  5. Num país em que há Lisboa e Porto e o resto é provincia, esta divisão territorial acaba por ser natural.

    A responsabiliade de tal facto é dos autarcas minhotos que andam constantemente em guerrilhas entre si e acabam por dar a Lisboa poder para tomar decisões que não servem os interesses da região.

    Agora, os mesmos autarcas resolveram iniciar mais uma "guerra" entre si: Conseguir que uma delegaçãozinha qualquer da futura região, fique na sua terrinha.

    É pena, o que devia estar em causa era a criação de uma região que garantisse a sobrevivência da cultura, das tradições, dos usos e costumes minhotos.

    Uma região única de Turismo no Minho.

    ResponderEliminar
  6. O melhor de tudo era unir, para sempre, o Minho á irmã Galiza e assim deixava-mos de ser provincianos parolos

    ResponderEliminar
  7. Ser defensor cego (ou incondicional, vá) de uma pessoa ou partido é também considerado "bairrismo parolo"?

    É que parece.

    ResponderEliminar
  8. Mais uma vez o Minho fica ver passar navios, devido aos seus governantes que em vez de se unirem ficam calados como se alguém defendesse os interesses das suas câmaras por eles. Não sei onde vai parar isto.

    http://wwwbragablog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Parece-me que o importante são as políticas, não as sedes materiais..

    ResponderEliminar
  10. Se for para Viana do Castelo não fica no Minho ? Tinha me esquecido o Minho é Braga.

    ResponderEliminar
  11. Caro anónimo (21.04),

    Este tópico não é sobre o Minho mas sim sobre a posição da Câmara de Braga nesta matéria.

    Sobre as regiões de Turismo e o Minho escrevi noutra altura. É só fazer uma pesquisa.

    ResponderEliminar
  12. Tirando algumas coisinhas este artigo do Pedro (excelente como sempre, digo eu,)pecou por misturar algumas coisas que são como azeite em água.Mexeu em algumas feridas que se calhar mereceriam ser tratadas em debates mais amplos,mas que deixaram de existir na sociedade portuguesa nestes últimos tempos em que a tendência é voltarmos ao centralismo dirigista de Lisboa que não admite discussões.Penso que pôr de lado a ideia da Região do Turismo do Minho é uma aberração, como aberração era a existência de duas regiões turísticas no Minho. Troca-se aqui o adágio e podemos dizer que não há fartura que não traga fome.O facto de a Região Turística do Minho ficar sediada em Viana, aí acho muito bem, pois como parolo que me orgulho de ser reconheço que viana é o turísmo no Minho por excelência. Por isso penso que nós os minhotos parolos devemos dirigir a luta na defesa da REgião de Turismo do Minho e não gerarmos guerrinhas entre minhotos para saber onde fica a Sede. Só uma nota: Sou um minhoto parolo, mas não pertenço ao nacional parolismo. É que eu recordo-me do representante do nacional parolismo em Braga que até é presidente da Câmara ter-se insurgido aqui há uns anos, quando se discutia a divisão do pais em regiões, contra a incorporação do Minho na região liderada pelo Porto. Deixou agora cair essa bandeira. Foram ordens meus senhores... foram ordens.

    ResponderEliminar
  13. Está tudo muito bem dito, a região de turismo a criar deveria ser a Região de Turismo do Minho mas há décadas que já se viu que (e aqui bem aplicados) por causa de bairrismos bacocos isso não foi conseguido com prejuízo para o Minho.

    ResponderEliminar
  14. O Sou do Contra tocou nos aspectos fundamentais. O problema foram os bairrismos parolos de ontem que impediram uma Região de Turismo Minho com sede em Viana. Eu sou de Braga e há muito que entendo que era lá que deveria estar.

    Eu percebo a linha de argumentação do autor do blog. Só que cai muitas vezes no erro de um Bragacentrismo. O Minho não se defende assim. Não é a primeira vez que acontece. Aliás uma das vezes aconteceu uma sucessão de post estranha. Num o Braguismo insultava os Vilaverdenses, gentes parolas, etc, pouco depois chorava-se pela Região Minho. Há aqui um certo preconceito contra a ruralidade. Só o Minho é rural. Não precisa de ser campónio. Mas é rural. Aliás os nossos urbanos fora do Minho são rurais.

    ResponderEliminar
  15. Será que estarei a ver mais quando neste texto vejo a critica ao facto de MM ser contra a instalação em Braga ou noutro local que não o Porto.

    De resto e tendo em conta o NUT II a divisão em 5 áreas parece que irá avançar. Urge é distribuir a organização regional de modo a que nenhum local seja deixado ao abandono e contrariando uma lógica de uma capital regional. Não sou defensor de passarmos de uma capital em Lisboa, passar a ter uma capital mais perto (mesmo que esta fosse Braga), criando um processo de novos fossos destruturantes de um crescimento equitativo do país.

    ResponderEliminar
  16. Cá para mim, o sonho do MM é ser presidente da Câmara Municipal do Porto! lol. Já não é a primeira vez que ele tem destas atitudes.

    ResponderEliminar
  17. A Ria de Aveiro, Templários e Serra da Estrela continuam a repudiar as cinco regiões. Há portanto bairristas parolos que ainda mexem...
    Vila Real já tinha e mantém no PRACE a direcção da cultura e salvo erro a circunscrição florestal e mirandela a agricultura. Para Guimarães irá penso, a direcção de veterinária. Norte ou Minho a sede aponta para Viana. Aveiro ganhou a economia do Centro; Viseu, Guarda, Castelo Branco e Santarém serão sede de direcções regionais.
    Os anões políticos serão Braga e Leiria.
    Eu como bracarense, embora com mais de trinta anos de Coimbra, pergunto se ser parolo não será ter um presidente de Câmara durante 32 anos?!
    De facto, considerando a longa noite dos arcebispos, a balbúrdia da 1.ª República e 25 Abril, o Salazarismo e o Mesquitismo nunca aqui houve democracia; Mereceremos ser capital do que quer que seja???

    ResponderEliminar
  18. As declarações de MM e RR(s) fazem apenas parte do jogo político. Não representam o seu pensamento.

    O MM sabe que lutar pela sede é uma causa perdida e não quer perder a face. Seria bom que representasse uma disposição para pensar as questões numa perspectiva multimunicipal. Não, ele apenas quer evitar ser visto como derrotado. Quem me dera que ele tivesse sido contra o bairrismo parolo na construção do estádio, na oposição a uma candidatura conjunta de Guimarães e Braga a Capital da Cultura, etc. Quem me dera que ele entenda os transportes fora do bairrismo parolo em conjunto com Guimarães, VN Famalicão e Barcelos.

    O RR(Porto) sabe que está a ganhar e pode fazer este discurso. Sabe que abaixo de si as outras vozes lutam entre si - "na pior nas soluções, se mão puder ser aqui que seja lá". O RR já ganhou o que queria, uma regionalização silenciosa e a sua região Norte.

    Em Braga, o outro RR, agita ondas para desgastar o MM. Assume um discurso Bragacentrista mais por interesse que convicção. Procura apenas demonstrar os erros de MM.

    Ou seja, parece que se fala da Região de Turismo mas na realidade fala-se de outra coisa. O debate se se quiser fazer fora dos partidos, precisa também de sair do discurso dos partidos. Até pode partir deles, mas não se pode centrar neles. É que não se pode usar as lógicas partidárias e querer estar fora delas.

    O problema é que muitas vezes a política é isto. São como jogadores que ficam a fazer fintas no meio campo, esquecendo-se de fazer golos a governar a nossa cidade.

    ResponderEliminar
  19. Não concordo consigo relativamente ao RR Porto. Repare que o Porto não ganhou nada nesta reestruturação. As direcções que não tinham lá sede continuam a não ter. Até aqui Coimbra era mais importante que o Porto; tinha tudo o que o Porto tem mais a sede nacional do I. Medicina Legal, ANMP, etc..

    ResponderEliminar
  20. O Porto está a ganhar a região norte, ou como muitos dizem, região Porto.

    ResponderEliminar
  21. Porto capital da região norte mai nada, os parolos do minho estão em braga

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores