Racismo Nunca Mais

| Partilhar
Fez-se notícia da história de um menino que foi arrancado de um baloiço da Avenida Central pelo pai de outra criança. Segundo a queixa apresentada, o pai alegou que o seu filho teria mais direito a usufruir do espaço público do que os cidadãos de tez preta, oriundos de outros países. Se o acto é dantesco, as motivações alegadas são uma verdadeira monstruosidade.

Num país que se arregaça e se aprimora para receber os turistas dos países ricos da Europa do Norte, não é nada lisonjeiro constatar que as expressões de xenofobia e racismo são mais do que meras excentricidades de uma extrema destra e mais lesta que numerosa.

Tomemos como exemplo o futebol, um cenário que tende a hiperbolizar a expressão das emoções mais genuínas: os adeptos repetem as “bocas” xenófobas e os assobios racistas; os jornalistas acentuam a tónica, interpretando de maneira desigual o mesmo vaiar quando destinado a um jogador branco ou preto; os próprios jogadores não se coíbem de repetir insinuações xenófobas e racistas.

Mesmo sabendo que não havia impedimentos jurídicos para a convocatória de Deco, vários colegas de profissão, pretensos ídolos de uma geração, criticaram abertamente a chamada do jogador, fundamentando a sua oposição exclusivamente na origem do mesmo. Mas o que é que Cristiano Ronaldo tem que Deco não tenha? O que é que justifica que possam ser olhados de maneira tão diferente?

Aparentemente nada. Nada que não se possa justificar na tacanhez mental de quem vê portugalidade no local do parto. Mas estas profissões de fé acabam, invariavelmente, por dar maus resultados e ainda me hei-de rir no dia em que a sangria de serviços de saúde provocar o nascimento do nosso próximo desportista prodígio num qualquer quarto da Maternidade de Badajoz.

Os actos de racismo e xenofobia são invariavelmente arremessados contra seres humanos oriundos dos países que alguma gente gosta de assumir como culturalmente inferiores. Gente da mesma argamassa mental daquele Nobel senhor que, por estes dias, veio insinuar a superioridade genética dos brancos relativamente aos negros. Gente da mesma índole de uns senhores que gostam de pavonear, num diário local, ignorantes teorias supostamente científicas sobre a vida dos outros.

Eu não embarco em portuguesismos bacocos. Tenho assumidamente mais em comum com os guineenses e os brasileiros que respeitam do com os energúmenos portugueses que instilam o racismo, a xenofobia ou qualquer outra forma de discriminação, seja por palavras, por actos, por crenças, por ideias políticos ou por omissões. E a Avenida Central deveria ser a mais cosmopolita das nossas praças.

[Versão integral no ComUM Online]

38 comentários:

  1. Pedro totalmente de acordo consigo,subscrevo na totalidade, e digo que me sinto profundamente envergonhado como Português e como Minhoto natural do nosso Distrito.
    Abaixo o Racismo e a Xenofobia.

    ResponderEliminar
  2. excelente artigo. parabens!!!

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente tenho um como vizinho...(racista)
    Que ostenta com orgulho a "bandeira" de D. Afonso Henriques (A Bandeira Nacional durante a Monarquia).
    http://criarmundos.do.sapo.pt/images/bandeira1.gif

    Felizmente é camionista, só anda por lá aos fins de semana e pouco mais... e felizmente também não é dotado de massa cinzenta suficiente para o fazer pesquisar um pouco sobre o nosso primeiro rei, pois se o fizesse, descobria que Afonso Henriques era a favor da mistura de Raças... (curiosamente, ou por falta de imaginação ou pela forte ideologia que o move deu o nome de Henrique ao seu filho... espero que este pequenote não siga os ideais do pai...)

    1 abraço!

    ResponderEliminar
  4. peço desculpa por este comentario não ser dirigido a este post mas não podia deixar de passar só para dizer isto:

    "Special Olympics" - 10 medalhas de ouro, 4 medalhas de prata e 3 medalhas de bronze!

    espero que com resultados destes alguma coisa comece a mudar...

    ResponderEliminar
  5. Compleamente de acordo. Devemos ter para com essas pessoas (racistas e xenofobas)atitudes de firme repudio e ao mesmo tempo uma posição pedagógica, tentando-lhes explicar que a origem da humanidade é só uma e que as diferenças do tom da pela se devem apenas à adaptação ao meio ambiente. (será que eles entendem isto?).

    ResponderEliminar
  6. Caro Pedro,

    Descobri, finalmente, aquilo que me ocupou muitas horas nestes dias e que foi motivado por um mail seu...
    Dê uma vista de olhos a www.cartasdefradiquemendes.blogspot.com e diga-me se não é a mesma pessoa.

    Cumprimentos

    Pedro Antunes

    ResponderEliminar
  7. Terá sido mesmo assim? (não li a notícia, apenas vi o título)

    Imaginemos que era um pequeno de cor branca que estava no baloiço, há cerca de 1 hora. estando outro miúdo, com o seu pai, no parque infantil desejoso pelo tão ambicionado baloiço não quer abandonar a zona de diversão sem dar uma "voltinha".
    Não teria sido a atitude daquele pai a mesma que foi tida perante esta criança preta?
    Será a xenofobía do pai ou da notícia? Ou ainda pior será que alguém se estará a aproveitar da sua cor?

    ResponderEliminar
  8. Este tipo de atitudes revolta-me imenso e deixam-me envergonhada da sociedade em que estou inserida! Quem dera que este senhor fosse um caso isolado, infelizmente casos como este não faltam!
    Tanto quanto sei a cor da pele é uma caracteristica tão importante como a cor dos olhos ou do cabelo... no entanto não vejo ninguém a ser posto de lado porque tem os olhos azuis! O que torna, então, a cor da pele tão importante?
    E mais.. "o pai alegou que o seu filho teria mais direito a usufruir do espaço público do que os cidadãos de tez preta, oriundos de outros países."!! Desde quando a cor da pele determina o país de origem da pessoa? Quem disse a este pai que defende de forma tão agressiva os direitos do filho, que o outro miudo não é também um cidadão Português?
    Só espero que o miudo (branco) cresça de modo a ensinar ao pai o quão errado ele está...

    ResponderEliminar
  9. osso: O que quer que tenha acontecido não motiva a violência, prepotência e oa insultos com que a mulher foi presenteada. Aconselho-te a ler a notícia antes de comentar, é que podes passar por uma imagem diferente da que (espero) sejas.

    ResponderEliminar
  10. Este caso, tal como vem descrita a notícia no jornal, com a agravante da eventual tentativa de incobrimento por parte da polícia, devo merecer uma punição exemplar aos seus autores. É um caso repugnante.

    ResponderEliminar
  11. Racismo é algo que não faz sentido, algo de gente pouco viajada, que não convive com outras culturas, gente ignorante, etc

    Logo, Braga, será um lugar mais que propício ao aparecimento de focos de racismo. É necessário alguns cuidados em relação a estes assuntos da parte das autoridades pois merecem castigos exemplares.

    ResponderEliminar
  12. Já assisti a uma cena semelhante com uma criança branca...

    Racismo ou falta de Educação?

    ResponderEliminar
  13. RACISMO NUNCA MAIS


    http://wwwbragablog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Ñão faças disto uma questão nacionalista... vê a notícia principal na Suíça...

    ResponderEliminar
  15. Quando tive conhecimento da notícia, não a li por falta de tempo, lamentei-a com outras pessoas que me alertaram para a possibilidade de ser uma situação como a que acima descrevi.

    ResponderEliminar
  16. Para comentar este texto valho-me das palavras do Pedro Morgado: "... lembro-me que ainda s� estamos 2007 e que isto � Portugal." No seu melhor, diria eu.
    Depois a gente leva isto para onde quer, e eu s� gostava de deixar aqui uma pergunta. Se n�o houvesse gente de cores diferentes como protagonistas desta hist�ria, j� n�o havia problemas?
    � que para mim isto n�o � um problema xen�fobo, isto � um problema de violencia e de falta de respeito de uns pelos outros.

    ResponderEliminar
  17. Tens razão sou do contra. O artigo em si é que é xenofobo, pois da enfâse ao facto da situação se passar entre pretos e brancos quando o problema está entre os humanos que não se respeitam entre si

    ResponderEliminar
  18. quando li a notícia fiquei literalmente "embasbacado"... Já noutro dia, quando deu o Programa na RTP sobre a guerra colonial houve um general qualquer que também disse que as colónias ainda deviam ser portuguesas, e coisas desse género! Pois bem... Cada vez mais durante a presidência Portuguesa da UE, Portugal está em destaque, pela negativa... Acho que agora só falta mesmo uma manifestaçãozita de estrema direita para Ser "a cereja em cima do bolo"!

    ResponderEliminar
  19. O Pedro foca tantas vezes os termos racismo e xenofobia, não serão eles praticamente a mesma coisa? O que os diferencia? Gostava de ver isto explicado.

    ResponderEliminar
  20. Caro anónimo,

    Racismo
    "doutrina que tende a preservar a unidade da raça e assenta na suposta superioridade de uma raça que se confere o direito de exercer domínio sobre as outras;

    reacções ou atitudes que se harmonizam com esta teoria;

    mostras de hostilidade face a um grupo social ou étnico."

    Xenofobia
    "aversão às pessoas ou coisas estrangeiras."

    Fonte: Dicionário da Porto Editora

    ResponderEliminar
  21. Já cá faltava o comentário-atrasado-mental, coube a honra ao osso, que mesmo sem ler a notícia, nos apresenta uma outra estória alternativa. Fantástico! Mas lamento discordar, se um pai branco atirasse uma criança branca para fora do baloiço, provocando sangramento nesta, o dito papá seria unanimemente considerado uma besta e por certo a polícia teria actuado. Mas não foi esse o caso, a criança era negra, por isso pode sangrar à vontade, que haverá sempre um osso de serviço para desculpabilizar a besta. É preciso pachorra!!!

    ResponderEliminar
  22. Esperem lá, escapou-me o comentário do sou-do-contra, mais um na categoria atrasado-mental. Então não há racismo nem xenofobia na estória? Também não leu a notícia é? Vou explicar-lhe como se fosse uma criança de 5 anos: NÃO, NÃO FOI "APENAS" UM CASO DE VIOLÊNCIA FÍSICA CONTRA UMA CRIANÇA DE 3 ANOS. ESSE MESMO ACTO DE VIOLÊNCIA FOI "JUSTIFICADO" COM INSULTOS DO TIPO "NÃO TENS DIREITO DE ESTAR AQUI, VOLTA PARA A TUA TERRA, PRETO, MACACO". Percebeu ou está assim tão difícil?

    ResponderEliminar
  23. Não ao racismo
    Foi noticia estes dias que na cidade de Braga, houve um caso em que progenitores de uma criança, retiraram outra de origem guineense de um baloiço na qual estava a brincar, a ter fá na referida noticia, os mesmos insultaram a mãe da referida criança com modos declaradamente racistas e xenófobos,(pormenóres nesta direcção; http://jn.sapo.pt/2007/10/21/porto/guineense_denuncia_acto_racista_plen.html .
    -Segundo a senhora Mãe da criança em questão, alertou um agente da autoridade sem que tenham sido identificados os autores da provocação...a ter fé na descrição da noticia, trata-se de um crime grave de ofensa moral de caracter racista punido por lei.
    É uma pena e lamentável que no século XXI se passem casos destes no nosso País, e é uma vergonha que o nosso Distrito, no caso a Capital do nosso Distrito, seja noticia por tais atitudes, eu como Português e Minhoto, sinto vergonha e assumo publicamente que condeno, e mais: Todos devemos condenar o racismo seja no maneira que ele for praticado, Portugal tem uma longa história de relação com os povos de Africa e não só, América Latina, Asia e Oceania...Nós os Portugueses (felizmente que actos dessa indole são cada vez menos), mas de qualquer maneira temos o dever moral e civico de os combater e condenar, e as autoridades competentes que zelam pela nossa segurança, devem ser os primeiros a fazer cumprir as leis instituídas no nosso País, acerca da discriminação racial e xenofobia.


    Encontrei uma preta
    que estava a chorar
    Pedi-lhe uma lágrima
    para a analisar.

    Recolhi a lágrima
    com todo o cuidado
    Num tubo de ensaio
    bem esterilizado.

    Olhei-a de um lado
    do outro e de frente
    tinha um ar de gota
    muito transparente.

    Mandei vir os ácidos
    as bases e os sais,
    as drogas usadas
    em casos que tais.

    Ensaiei a frio
    experimentei ao lume
    de todas as vezes
    deu-me o que é costume:

    Nem sinais de negro
    nem vestigios de ódio
    Água (quase tudo)
    e cloreto de sódio.

    (ANTÓNIO GEDEÃO)

    http://ataesonline.blog.com

    ResponderEliminar
  24. Pedro, permite-me que te corrija num aspecto: quando demonstramos hostilidade ou qualquer forma de discriminação face a um determinado grupo ou minoria étnica pelas suas diferentes características sociais, culturais ou outras, não estamos perante situações de racismo mas sim xenofobia.

    Deste modo, parece-me pertinente deixar aqui uma definição, a meu ver, mais completa dos conceitos de racismo e xenofobia e que vão mais além da simples definição fornecida pelo Dicionário da Língua Portuguesa.

    - Assim, o Racismo propriamente dito (tido como racismo biológico) "procura acentar a sua pseudoteoria no conceito de raça, enquanto conjunto de características físicas herdadas (cor do cabelo, pele) e outras crenças raciais que, sendo consideradas etnicamente relevantes, possuem geralmente um carácter mítico. De facto, os desenvolvimentos genéticos caminharam em diferentes linhas, demolindo assim as pretensas teorias das raças puras. Por isso, o tipo de racismo biológico, se bem que cada vez menos aduzido e aceite, constitui uma construção pseudocientífica a que aderiu um determinado número de pessoas."

    - Por seu turno, a Xenofobia (tida como um racismo cultural) "apresenta-se como um «racismo sem raça», um racismo «neonacionalista» e, não raro, etnocêntrico, procurando justificar as suas práticas de discriminação com a superioridade cultural ou a necessidade de defesa da própria cultura contra as ameaças «exteriores», sobretudo não americanas ou europeias."

    Fonte: Manuel Carlos Silva, "Racismo e Conflito Interétnico", Revista Crítica de Ciências Sociais, 2000

    Penso assim ter ajudado a esclarecer também o Anónimo das 14:24h. Eu também já havia falado deste tema no meu blog, caso o mesmo queira mais esclarecimento.
    http://sociologavense.blogspot.com/2007/09/temas-da-actualidade-racismo-e.html

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  25. Alto lá. Cá temos mais um purista da raça o Vitor b que do alto da sua sapiencia começa logo por insultar de atrasados mentais aqueles que não são dotados da sua superior inteligencia. Esquece-se da tal tolerância para com os outros e racisticamente vocifera contra racismo. Mas é que há racismo entre os da própria raça. Os que se arvoram em donos do saber e os outros- os atrasados mentais. Já ouviste falar em exclusão Vitor b? Os atrasados mentais tambem tem de ser respeitados pelos que o não são como tu. Dá graças por teres nascido assim escorreitinho. Ou será que não nasceste?

    ResponderEliminar
  26. Tolerância com os racistas ou o racismo, ainda que encapotado? Zero. A tolerância não é um direito inalienável, perde-se quando não se a dá.

    O atraso mental voluntário e evitável também não tem perdão. Situação bem diferente da de certas patologias que creio estar a tentar misturar ao caso, e a que eu me recuso chamar de "atraso mental". Há pessoas com mais obstáculos que outras na vida, mas isso não faz delas "atrasadas". Atrasados são os apenas os que se esforçam por andar para trás.

    ResponderEliminar
  27. Alguém tem reparado na cobertura que os jornais regionais com sede em Braga têm dado a este caso? Eu não me lembro de ter visto nada! Será distracção? Ou sintomático?

    ResponderEliminar
  28. "Gente da mesma argamassa mental daquele Nobel senhor que, por estes dias, veio insinuar a superioridade genética dos brancos relativamente aos negros. Gente da mesma índole de uns senhores que gostam de pavonear, num diário local, ignorantes teorias supostamente científicas sobre a vida dos outros."

    O Pedro, acho que já esta a ser infantil.
    Uma coisa é racismo, outra coisa é ciencia.
    Vai agora também dizer que os negros são iguaizinhos em tudo menos na cor?
    Vai agora negar que ha estudos cientificos que dizem que os negros têm um coraçao diferente, mais problematico e que até ha medicamentos especiais em certas doenças de coraçao e outras doenças?
    Vai agora negar que nao esta provado cientificamente que os negros têm mais testosterona, testosterona essa que os faz serem mais violentos?
    Vai agora negar que os negros não são superiores em certas areas de atletismo, devido à sua raça, devido a diferentes constituiçoes fisicas (se bem me lembro principalmente devido a terem mais testosterona, diferentes pulmoes e coraçao)?

    O Pedro nem parece médico.
    O Pedro tem de entender que o musculo do cérebro é mais um musculo como os outros, não é uma coisa sagrada que tem de ser igual para todas as raças. Se os negros devido a terem mais testosterona conseguem ser melhors em certas areas de atletismo, porque é que os brancos nao poderão ser melhores na area intelectual devido a um cerebro diferente?

    Penso que nada disso é racismo, mas é ser realista.
    Nos podemos dizer que os negros sao melhros em atletismo que nao estamos a ser racistas, essa é a verdade.
    Podemos dizer a verdade, que os negros sao menos inteligentes que os brancos, que tambem nao é racismo. A inteligencia, o cerebro é mais um musculo do ser humano e não é uma coisa sagrada que tem de ser igual so porque voces querem.

    Vejam se aprendem a ver a realidade, a ciencia e a distingui-la do que é verdadeiro racismo.
    Como disse o prémio nobel:

    "anseia pelo dia em que os cientistas deixem a tarefa de falar politicamente correcto... para os políticos"

    “não existe razão firme para acreditar que as capacidades intelectuais de pessoas separadas geograficamente evoluiram de forma idêntica. Não basta o nosso desejo de atribuir capacidades de raciocínio iguais, como se fossem uma herança universal da humanidade”.

    Realmente tem razao, se em tudo o resto somos diferentes em quase tudo (os negros tem medicamentos especiais para certas doenças, para coraçao, eles protegem-se melhor do cancro devido à sua pele, têm mais testosterona que os faz ser melhor no atletismo e serem mais agressivos, têm o esfenoide menos desenvolvido o que faz com que tenham maxilares mais para a frente à semelhança dos antigos homens pré historicos) porque é que no raio do cérebro, na inteligencia temos de ser iguais, tem de ser uma coisa sagrada, sagradinha, so porque a maioria manipulada pelo politicamente correcto quer?

    E nao me venham agora dizer que ha negros mais inteligentes que brancos, sim claro que ha, nem eu disse o contrario, nem o cientista nobel o disse. Nestas coisas fala-se do geral, da maioria.
    Daí que apesar de estar provado cientifcamente que negros sao melhores em atletismo devido à sua constituiçao fisica e genetica, pode tambem haver alguns brancos que sejam melhores e compitam de igual para igual com negros.
    Do mesmo modo, apesar de estar provado cientificamente que negros sao menos inteligentes que brancos, claro que ha excepçoes à regra e ha por ai varios negros que sao tao ou mais inteligentes que os brancos.

    Diga-se tambem que nao sao os brancos europeus os mais inteligentes. Sao os Asiaticos, especialmente os Japoneses. Se dizemos que os Asiaticos sao mais inteligentes que europeus, ja tenho visto varias vezes que ninguem leva a mal. Se dizemos que os brancos sao mais inteligentes que os negros, ai já é o fim do mundo, é super racista, super nazi, super ma pessoa, super tudo de mau, etc..

    E para nao andarem com choradinhos de que os negros sao mais pobres, tem piores condiçoes de vida, etc convem lembrar que estes testes cientificos nao sao feitos à sorte e têm em conta o ambiente social. Todos esses testes analisaram crianças negras e brancas em diferentes ambientes, desde negros adoptados por negros com boas condiçoes de vida, desde negros adoptados por brancos com boas condiçoes de vida, etc.. São testes cientificos que têm em conta todas as situaçoes.

    Ja esta na hora de crescermos e vermos as coisas tal como sao e nao andarmos a seguir o sagrado do somos iguais em tudo, principalmente na inteligencia porque é uma coisa sagrada que temos de ser todos iguais.

    ResponderEliminar
  29. Alguém tem reparado na cobertura que os jornais regionais com sede em Braga têm dado a este caso? Eu não me lembro de ter visto nada! Será distracção? Ou sintomático?"

    Nao se preocupe que sempre que ha racismos deste tipo, a comunicaçao social trata logo de espalhar e lembrar varias vezes.

    Quando é racismo contra brancos, é que nem vê-los. É logo abafado e silenciado.
    Alguem viu este video bem mais violento que estas palavras do baloiço??

    http://nothingtoxic.com/media/1190766229/Racist_Attack_on_a_White_Kid_in_his_New_Town

    Pois não, mas o caso de Barcelona ja foi bem mostrado por todo o lado. No entanto este é bem mais violento e nao se ouviu nada.
    É sempre assim a dualidade de critérios. Racismo contra branco nao se mostra nem se fala. Racismo de Branco contra outros, mostrar ao maximo, exagerar, etc..

    ResponderEliminar
  30. Caro Filipe,

    1. Um mal não se justifica com outro. Na sociedade em que vivo há inegavalemente maior discriminação dos negros e das outras minorias e, portanto, é essa que deve ser denunciada e criticada com maior vigor

    2. Mantenho tudo o que escrevi sobre as palavras de Watson. Ainda está por demonstrar a existência de raças, como deve saber.

    ResponderEliminar
  31. Pensa você que ha mais racismo contra os outros do que contra brancos.
    Mas como pode saber se a comunicação social têm uma dualidade de critérios e abafa os outros casos?
    Se fossemos a somar os problemas da linha de sintra e outras linhas de comboios provocados por negros a quem chamam "jovens". Se fossemos a somar os inumeros assaltos, roubos, violações (na Suécia o numero de violaçoes é 90% cometido po Imigrantes e aumentou imenso desde que a Suecia se tornou um pais imigrante), e muitas outras coisas, veriamos que talvez essa discriminação e racismo provocado pelos brancos não é assim tão inegavelmente maior do que a provocada pelos negros.

    Quanto à existência de raças nao estar provada!?? essa é de rir? em que se baseia? nos argumentos ridiculos apresentados por meia duzia de cientistas politicamente correctos que arranjam maus argumentos?
    Na tal de sermos diferentes 0,1% de raça para raça e logo nao haver raças? Entao do macaco para o ser humano é 98% igual, entao tambem somos iguais aos macacos e nao ha diferenças tao grandes como dizem.

    Aconselho-lhe um bom artigo sobre "A raça é um mito", que refuta todas esses argumentos usados pelos politicamente correctos de que nao ha raças.

    Voces politicamente correctos, que sao a maioria que dominam a ciencia (faz-me lembra o tempo da era crista, em que nao podiamos dizer que a terra era redonda que arriscavamo-nos a morrer e a ficar sem nada) podem dizer o que vos apetecer. A verdade é que ha raças.
    E isso é visivel se usarmos os olhos e verificarmos o que acontece no mundo real. Não é por acaso que a Europa é o que é e o Japão é o que é.
    Ainda por cima, ha as tais diferenças ja aceites por todos, de que a raça negra tem de ter medicamentos especiais para o coraçao, sao mais resistentes a certas doenças e piores noutras, sao melhors em certas areas de atletismo devido a terem mais testosterona, etc..
    Se nao ha raças entao eu sou o pai natal..

    Francamente Pedro, eu até o julgava uma pessoa inteligente, mas vejo que neste assunto esta muito manipulado e influenciado pela comunicação social e pelos fazedores de opinião do politicamente correcto.
    Enfim e quando é assim, por muitos argumentos e ciencia que uma pessoa use, vocês tratam essas vossas crenças como uma religião, como algo sagrado e não é possivel fazer-vos ver a realidade de forma alguma.

    ResponderEliminar
  32. esqueci-me da pagina do artigo que refuta os argumentos usados sobre nao haver raças.
    http://www.amren.com/ar/2000/12/
    boas leituras e mente aberta
    Se for para ler com a mente fechada entao mais vale nem lerem

    ResponderEliminar
  33. Caro Filipe,

    Não sei o que são "os politicamente correctos". Acredito na ciência.

    ResponderEliminar
  34. Caro Filipe,

    O que faz é a exaltação da diferença.
    E convenhamos que a diferença nunca é entendida de forma neutra. O seu filho pode ser o melhor atleta da turma, mas se tiver notas miseráveis será sempre o “burro” da escola. Um insulto repetido até à exaustão e com a maior das crueldades...

    As críticas que se podem fazer à comunicação social são mais do que muitas. Mas nunca tinha visto os nossos “media” como “abafadores” de situações flagrantes de racismo contra os brancos. Antes pelo contrário.

    A culpa deve ser dos genes, claro, mas a nossa memória colectiva é muito curta. Alguém ainda se lembra do pseudo-arrastão de Carcavelos? Alguém leu a publicação “O Pseudo-Arrastão de Carcavelos – Documentos”, editada pelo Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, com o apoio da Presidência do Conselho de Ministros?

    Como diz na introdução o presidente do Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, Rui Marques, o episódio teve «como preço o agravamento dos preconceitos e da desconfiança face à população de jovens descendentes de imigrantes africanos e habitantes de bairros degradados da Grande Lisboa, reforçando o estigma já existente. Por outro lado, é inevitável um sentimento de justiça e revolta não só pelo erro inicial, mas, sobretudo, por ele se ter cristalizado como “verdade”». Mas isso não conta, certo?

    Ainda em relação aos jornalistas, sabe que uma das coisa que eles devem aprender é a serem cuidadosos na utilização de palavras com carga ideológica, politica ou étnica?
    Não nos esqueçamos das palavras de Diana Andringa: «Um toxicodependente rouba, um cigano burla, um gestor desfalca, subtrai, devia ou envolve-se num processo de facturas falsas. Levado a tribunal, o toxicodependente é réu, enquanto o gestor é ex-director financeiro da empresa Gato por Lebre. Os patrões oferecem, o Estado também oferece, mas os sindicatos e os trabalhadores exigem. A empresa que não paga os salários é conhecida por ter salários em atraso, mas o trabalhador é o caloteiro na loja da esquina».

    ResponderEliminar
  35. Podem crer! Eu sou branco! Agora se vivesse nas condições em que vivem os africanos dos bairros periféricos de Lisboa, era violento. Se visse o meu pais invadido como o Iraque era terrorista. Se me faltasse o pão do dia a dia e ao lado se banqueteassem estragando comida era ladrão. É que "não é o rio que é violento. Violentas são as margens que o comprimem". Que há raças há, mas somos todos homens e mulheres diversos. As violencias não são características das raças são caracteristicas dos homens. Perguntem as formas de racismo e xenofobias que os nossos imigrantes sofreram em França. E eram todos brancos.

    ResponderEliminar
  36. lol entao em relaçao a comentar os actos racistas dos que nao sao brancos nao podemos fazre porque o mundo vira-se contra eles.
    Mas os actos racistas provocados po brancos ja podemos fazer que é para o mundo se virar contra os brancos, contra os que defendem a identidade etnica dos povos europeus, etc.. contra esses todos se podem virar..


    epa enfim.. os media fazem muito bem o seu trabalho fazem

    um bom comentario a estas coisas que acontecem é este

    "
    VIOLÊNCIA IMIGRANTE NÃO EUROPEIA NA HOLANDA E NA BÉLGICA
    Os tumultos criados por norte-africanos muçulmanos em Amsterdão continuam, desde 14 de Outubro até hoje, e os mé(r)dia tugas (RTP, SIC(K), TVI) continuam completa e hermeticamente silenciosos sobre o caso.
    Agora também já há distúrbios em Bruxelas, onde um grupo de jovens turcos entrou num restaurante arménio e vandalizou-o, sem que a polícia nada fizesse, enquanto os proprietários arménios se viam forçados a fugir.

    Em Portugal NINGUÉM noticia isto, ninguém aflora sequer o sucedido, nada - MAS para exibir constantemente um caso de racismo numa agressão asquerosa no metro de Barcelona, ou sobre um menino negro que saiu do baloiço por ser negro, ISSO SIM, são MEGA-casos...

    A súcia anti-racista que controla a comunicação sucial passa assim de manipuladora a ridiculamente corrupta.

    http://gladio.blogspot.com/2007/10/violncia-imigrante-no-europeia-na.html

    nao admira que assim voces reajam dessa maneira

    se a comunicaçao social mostrasse metade da missa que os imigrantes fazem pela europa, decerto a europa nao estaria como esta hoje, "ai cuidado com os imigrantes nao lhes façam mal", "ai temos de ter mais imigrantes", "Ai os brancos sao maus, o racismo so acontece por causa dos brancos"....

    ResponderEliminar
  37. Caro Filipe,

    Desculpe, mas não percebo o que pretende.

    Que se reconheça que há raças? E depois que se admita que há umas que são melhores do que as outras? E que, finalmente, se criem redutos, feitos a régua e esquadro, para separar umas e das outras? Que se proíba a miscigenação? Que se fecham as fronteiras? Que se seleccionem aqueles que podem entrar? Que a comunicação social instigue o ódio?

    Sabe que o Código Deontológico dos jornalistas Portugueses diz, no ponto 8, que eles devem «rejeitar o tratamento discriminatório das pessoas em função da cor, raça, credos, nacionalidade ou sexo» (http://www.jornalistas.online.pt/noticia.asp?id=24&idselect=369&idCanal=369&p=368)?

    Leu, por acaso, a notícia do Jornal de Notícias que alerta para o facto de, «não obstante a retórica oficial e a ideia de que Portugal é um país tolerante e multiétnico, um estudo mostrar que «há uma dominante da maioria dos inquiridos, uns de forma brutal, outros de forma subtil, que denotam preconceitos em relação às minorias étnicas» (http://jn.sapo.pt/2007/10/25/norte/estudo_revela_preconceitos_relacao_m.html)? Acha bem?

    Não o preocupa que os ciganos e os africanos sejam as principais vítimas de racismo na sociedade portuguesa (http://www.diariodominho.pt/noticia.php?codigo=31510)?

    E não lhe diz nada que a professora auxiliar de Relações Internacionais da Universidade do Minho Isabel Estrada Carvalhais chame a atenção, na edição de ontem do Correio do Minho, entre para a diferença entre a teoria e a prática nas políticas de integração de imigrantes? Ela salienta: «O Direito positivo português é em diversas áreas um dos Direitos mais avançados e sofisticados do mundo. A nossa grande fragilidade, e também aqui não nos devemos surpreender, está na aplicação das excelentes leis criadas»...

    Como lê estes sinais? Acha que há pouca crispação? Quer mais?

    ResponderEliminar
  38. "Ainda está por demonstrar a existência de raças..."
    Esta para mim é nova! Só tu a dizeres que não há raças e o Hitler a dizer que há raças puras!

    Concordo com o Filipe quando diz que vivemos muito veiculados pelas ideias que a comunicação social trespass. Eu diria mais, nós próprios criamos os estereótipos à nossa maneira. O nosso olhar é subjectivo e é segundo essa subjectividade que seguimos o rumo dos acontecimentos. Nós damos às coisas, nem sempre o significado que elas têm, mas o significado que lhes queremos dar.
    Também eu questiono: porque é que nós portugueses censuramos mais os brancos pela discriminação e ataques à raça negra e vemos o contrário como algo mais benevolente?
    Sem dúvida que há determinadas características físicas, genéticas, antropológicas, culturais e sociais que distinguem diferentes raças e diferentes etnias. Temos que admitir tal mas sem que para isso sigamos o caminho do racismo e da xenofobia.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores