Paus de Marmeleiro ou Colheres de Pau?

| Partilhar
Segundo noticia a Agência Lusa, «a PSP conteve, hoje, em Braga, uma rixa entre duzentos estudantes da Universidade do Porto e algumas dezenas da do Minho, que teve contornos violentos com recurso a matracas e gás pimenta. Segundo o chefe Almeno Silva, a PSP evitou que um grupo de duzentos universitários do Porto sovasse oito colegas minhotos, que se haviam refugiado numa oficina da Rua Nova de Santa Cruz, a duzentos metros do Campus de Gualtar.»

Os líderes da praxe das duas academias «garantem que "tudo não passou de uma brincadeira de praxe", admitindo, apenas, que poderá ter "passado das marcas, mas sem qualquer tipo de violência generalizada"». Estes líderes, eleitos entre os que andam mais tempo na universidade do que o número de anos do respectivo curso, asseguram que «não houve matracas nem paus de marmeleiro, porque os estudantes o que trazem é colheres de pau».

Estamos a falar de estudantes universitários? Às vezes tenho dúvidas... Muitas dúvidas.

19 comentários:

  1. Oito colegas minhotos? Cadê os outros?

    ResponderEliminar
  2. Quando os vemos "trajados", também tenho dúvidas. Cambada de cabotinos.

    ResponderEliminar
  3. Arruaceiros do Porto em Braga?
    Era o que nos faltava...

    ResponderEliminar
  4. "ah e tal são caloiros, estão desculpados!"
    Provincianos!

    ResponderEliminar
  5. Calma pessoal!!!

    Isto vindo da Lusa tem MUITO que se lhe diga!..

    Vai-se a ver e eram só 4 estudantes.. bem, na verdade, eram dois.. melhor, eram dois e não eram estudantes eram velhinhas que estavam a lutar...

    Ker dizer, não era lutar, estavam a insultar-se, aos berros.. ou então... isso isso, estavam a tentar conversar, só que como já não ouvem mto bem...

    Pronto, em suma, foi uma rixa com milhões de estudantes!

    ResponderEliminar
  6. Chamo à atenção para a grave tendência de problemas mentais associada a individuos da cidade Portuense, peço desculpa pelo preconceito mas n vejo disto em mais lado nenhum! Enfim so mesmo LABREGOS do Porto ( se bem que em todo o Norte se pense que as coisas se resolvem a paulada)..

    ResponderEliminar
  7. Atenção ao que vocês próprios afirmam aí, o grande problema é sem dúvida a generalização. Em 3500 estudantes que vieram do Porto e que deram um colorido engraçado e ordeiro a cidade. Existiam infelizmente desordeiros. Que quando provocados academicamente, reagiram de forma parva e ridícula. Foi rapidamente contida e não houve problemas de maior.
    Quanto as colheres de pau que sublinhas, não sei não estás a ser irónico. Mas o que alguns possam pensar que são armas de madeira, poderiam efectivamente ser Colheres de Pau - SÍMBOLOS da Praxe na academia Portuense.

    ResponderEliminar
  8. Fabuloosssso!

    Eu ainda admito a possibilidade aventada pelo T. Frada. É bem possível que tivessem sido duas velhinhas a tentar conversar...

    Se for mesmo, mesmo, mesmo, verdade, abriu-se uma nova etapa no relacionamento inter-academias, que vai, com certeza, revolucionar a praxe.

    Para o ano, o kit do caloiro incluirá, certamente, uma matraca, um pau de marmeleiro e, para os que passarem com sucesso em alguns testes, uma navalha de ponta e mola....

    Às etapas “informa-te”, “situa-te”, “orienta-te” e “cultiva-te”, o programa de recepção ao caloiro acrescentará o “prepara-te para a guerra”!

    A meio do primeiro semestre começarão as batalhas entre academias, mediante sorteio, que se prolongarão até ao fim do ano lectivo. Como prémio, os sobreviventes terão lugar cativo na direcção de algumas claques de futebol!

    Desculpem, mas isto é mau demais para ser verdade! As aulas já começaram há imenso tempo, o ano não se afigura fácil, com as novidades introduzidas por Bolonha, mas a grande preocupação dos estudantes é andarem à batatada! Depois, esperam ser levados a sério quando reivindicam?!

    Para quem se interessa por estas coisas da praxe, aconselho o livro “As lições dos aprendizes — As praxes académicas na Universidade do Minho”, de Rita Ribeiro, publicado, em 2001, pelo Grupo de Missão para a Qualidade de Ensino/Aprendizagem UM.

    A autora analisa as praxes académicas enquanto «rituais de passagem, como um conjunto de práticas simbólicas que acompanham uma transição estatutária».

    O trabalho mostra que «os rituais da praxe académica logram o efeito de sublinharem, sob a forma simbólica, a estrutura hierárquica no seio da Universidade, reproduzindo ao nível do grupo de estudantes a fractura hierárquica que encontramos, objectivamente, entre docentes e discentes».

    ResponderEliminar
  9. Falam e insultam sem conhecimento prévio!
    A história relatada pela agência Lusa em nada corresponde com a realidade.
    O que aconteceu foi que os representantes do ISEP (doutores e caloiros) que vinham no comboio vinham a vangloriar-se de que iriam "foder aquela merda toda" em Braga.
    Perante isto houve pessoal de outras faculdades do porto que avisaram o pessoal de Braga.. Inclusive Doutores de L.E.I.
    Daí que os doutores e caloiros de L.E.I. tenham preparado uma "surpresa" para os do ISEP.
    Quando o ISEP já se encontrava na rua nova de santa cruz, os caloiros de L.E.I. fizeram uma demonstração do seu famoso HAKA pelo que ao ver isto os drs. do ISEP pensavam que seria uma guerra de curso e alinharam os caloiros do ISEP em frente aos de L.E.I. e foi neste momento que veio um Dr. de L.E.I. com um extintor de incêndios e "pulverizou" os caloiros do ISEP.. Os drs. e caloiros de LEI dispersaram imediatamente. e 8 deles esconderam-se na tal oficina. Como foram os únicos que os do ISEP viram depois da "fumarada" juntaram-se todos para apanhar esses 8 e para, assim, conseguirem apanhar o dr. que tinha usado o extintor.
    E tal não teria passado de um confronto de cursos se, aquando da utilização do extintor, não tivesse ficado um caloiro do ISEP inconsciente devido a intoxicação pelo pó do extintor. De referir que após solicitada a intervenção do INEM este demorou 45min. a chegar ao local, e, em plena cidade de Braga, tiveram de recorrer a uma ambulância de Vila de Prado.

    ResponderEliminar
  10. Em LEI há "engenheiros" e não doutores...

    ResponderEliminar
  11. Ufa!
    Depois da explicação das 15h29, estamos agora todos muito mais esclarecidos. E sobretudo muito mais descansados.
    Afinal, ao contrário do que começávamos a suspeitar, são todos muito civilizados...

    Os “doutores”, “engenheiros” e “caloiros” precisam é de acções de formação sobre como usar extintores em lutas de curso. Depois, num segundo nível, virão umas sessões sobre “very lights”!

    O futuro promete... E assim se resolverão todos os problemas do nosso ensino superior, pois os alunos voltarão finalmente a estudar! Haja esperança!

    ResponderEliminar
  12. Afinal os estudantes estão vivos. Apesar de as razões não serem as melhores, os nossos estudantes mostraram, ao contrário do que eu pensava, que não são todos uns cócós, todos formais e com a mania que andam na Universidade.

    ResponderEliminar
  13. FEIOS, PORCOS e MAUS é assim que eu classifico os passeantes de livros que usam todos os pretextos para não fazerem aquilo que deviam estar a fazer que é ESTUDAR.
    Andam a vangloriar-se de um estatuto que ainda não tem à custa do contribuinte. Imaginação pobre, plágio de práticas que dos antigos alunos do liceu: (ENTERRO DA GATA) que fazia parar a cidade de Braga pela qualidade do desfile onde só exorcizavam os que transitavam de ano, (TESTAMENTO DA GATA) que não o fazem porque não sabem redigir, (BAILE DA GATA) excluído porque julgam que bailar é abanar o capacete ao som do tecno ou Quim Barreiros. Esqueceram-se que em Braga o uso da colher de pau era só no 1º de Dezembro (verdadeiro dia do estudante) onde os rapazes pediam assinaturas ás raparigas e vice-versa. Onde está o glamur de ser estudante e cavalheiro? (tudo isto era feito com MIUDOS de 15, 16 e 17 anos). Agora são uns coirões de 20 e muitos andam a chamar praxe a um conjunto de praticas animalescas.

    ResponderEliminar
  14. FEIOS, PORCOS e MAUS é assim que eu classifico os passeantes de livros que usam todos os pretextos para não fazerem aquilo que deviam estar a fazer que é ESTUDAR.
    Andam a vangloriar-se de um estatuto que ainda não tem à custa do contribuinte. Imaginação pobre, plágio de práticas que dos antigos alunos do liceu: (ENTERRO DA GATA) que fazia parar a cidade de Braga pela qualidade do desfile onde só exorcizavam os que transitavam de ano, (TESTAMENTO DA GATA) que não o fazem porque não sabem redigir, (BAILE DA GATA) excluído porque julgam que bailar é abanar o capacete ao som do tecno ou Quim Barreiros. Esqueceram-se que em Braga o uso da colher de pau era só no 1º de Dezembro (verdadeiro dia do estudante) onde os rapazes pediam assinaturas ás raparigas e vice-versa. Onde está o glamur de ser estudante e cavalheiro? (tudo isto era feito com MIUDOS de 15, 16 e 17 anos). Agora são uns coirões de 20 e muitos andam a chamar praxe a um conjunto de praticas animalescas.

    ResponderEliminar
  15. Aqui está o fruto das politicas de educação.A merda começa a vir ao de cima.

    ResponderEliminar
  16. Concordo com o Almerindo, sou licenciado em braga e admiro a cidade e as tradiçoes que nela vivem. NAo vale a pena criticar estes por serem de braga ou aqueles por serem do porto. O que vale sim a pena é usarmos a nossa voz enquanto sociedade, para mudar por completo esta tendencia que cada vez mais se desvirtua num sentido alheado de tudo e de todos, onde a violencia impera, e o bom senso nao é mais do que uma ilusao...

    P.S.: Para aqueles que gostam de generalizar quanto aos estudantes universitarios, ja quando la andei havia anormais (tanto em braga como no porto) e continua-los-há a haver...

    ResponderEliminar
  17. Nada como ler diferentes versões para se ter uma ideia do que é que se passou.

    Comum http://www.comumonline.com/index.php?option=com_content&task=view&id=168&Itemid=35

    Correio da Manhã
    http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=263328&idCanal=10


    SIC
    http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais/20071026Festa+de+Estudantes+acaba+em+viol%C3%AAncia.htm

    JN
    http://jn.sapo.pt/2007/10/26/ultima/


    LUSA
    http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/x57F%2BjFrl5ymCN%2FNdkJGWQ.html

    http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/xi6HpMvafsJ0d18ThiwGzQ.html

    http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/SLOps4X0tpPSfDNxj%2BmUmA.html

    E em todas elas a imagem dos estudantes não é famosa....

    ResponderEliminar
  18. está-se a fazer uma tempestade num copo de água....aconteceu, pelos vistos devido á burrice de um engenheiro (normal..lol)!!! já foi, venha a próxima noite académica que o povo quer festa e nada de complicações...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores