A Ofensiva Neoliberal

| Partilhar
«Os custos decorrentes de uma deficiência genética e de certos cancros devem ser comparticipados a 100%.
O mesmo não acontece com os problemas auditivos da geração 'iPod'.»

Tiago Mendes, defendendo um sistema de saúde tipo auto-estrada utilizador-pagador, acaba por resvalar para um comentário acusador, sempre indesejável quando se fala de saúde. É que, quando se julgam os comportamentos dos outros, corre-se sempre um grande risco de errar. Desde logo, porque o fazemos mediante as nossas próprias construções mentais, porque nunca saberemos o que é 'ser o outro com o seu ser e as suas circunstâncias' e porque não temos o direito de dizer a ninguém o que é certo e o que é errado.

O Tiago devolve-nos uma visão medieval da doença em que era encarada como um castigo que acometia os prevaricadores. Recupera também a ideia de saúde caritativa para os que, mesmo comportando-se dentro dos cânones socialmente estabelecidos, acabam doentes. Este raciocínio, leva a simplicação do juízo valorativo ao limite, estabelecendo a dualidade bom/mau como critério. Será que o mundo ainda é preto e branco e ainda ninguém me avisou?

Ouvir iPod é mau... e estar a trabalhar durante 10 horas em frente a um computador é bom? Quem vai definir quem são os bons e quem são os maus comportamentos? Divide-se o hospital entre os culpados e os coitadinhos? Entre os que têm dinheiro para pagar e os que ficam à espera de morrer? E cria-se, também, o internamento condicional, para os que aguardam averiguação da bondade da etiologia? E uma junta médica para calcular a percentagem de causas aceitáveis e inaceitáveis e respectiva comparticipação para as doenças de etiologia mista?

Por este andar, não está longe o dia em que veremos o insuficiente renal de causa diabética morrer precocemente porque não tinha como pagar a diálise... E ainda os ouviremos dizer 'que não tivesse comido chocolatinhos'!

3 comentários:

  1. Todos temos direito a receber cuidados de saúde independentemente dos julgamentos de valor que possam ser feitos.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente no outro dia ouvi uma frase ainda mais disparatada de um médico de eleição em Portugal. Dizia que o futuro dos médicos Portugueses era o privado. Quando lhe perguntaram pelo serviço público disse que para isso estariam os emigrantes das ex colónias, e apontou um exemplo, o Reino Unido. No entanto, a ignorância deste médico traiu-o. Neste momento são os emigrantes das ex-colónias Britânicas os que criam serviços médicos privados. Em todo o caso, é para pensar que se um médico de destaque pensa assim está tudo lixado (com um f)...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores