| Partilhar

13 comentários:

  1. Fica em Ofir, na Praia da Senhora da Bonança, se não me engano.

    Acertei?

    ResponderEliminar
  2. Se isto é a Senhora da Bonança, então prefiro a Senhora da Tempestade.

    ResponderEliminar
  3. Sim... são os sacos de barreira contra o avanço do mar...

    Eu gosto especialmente de ver os inteligentes que se põe a subir e descer este desnivel como de de uma duna "normal" se tratasse! Ou os que aproveitam a superficie dura e quente dos sacos para espetar os seus guarda-sois e cus gordos! Tb devem estar a pensar que os sacos foram ali colocados pelo mar!!!

    ResponderEliminar
  4. Oh André, isso ainda é o menos.
    O mal é que anda tudo a lutar contra o MAR. E mais, pensam que têm alguma hipotese de ganhar.
    Se tiveram de por esses sacos, é porque mais dia, menos dia aquilo o MAR leva aquilo tudo.
    É verdade que pode haver casas em risco... Pensassem nisso antes de as construir. E antes de usar carro por tudo e por nada, usar cfc´s a torto e a direito, licenciar todas as fábricas e tudo, e tudo, e tudo.
    Ou melhor, pensassemos todos.

    ResponderEliminar
  5. Fica em Ofir, agora se é a da Senhora da Bonança é que já não posso confirmar.

    ResponderEliminar
  6. Parece o deitar-fora de milhares de euros na Costa de Caparica para salvar um bar de madeira das marés vivas.
    Como se não fosse mais barato reconstruir a barraca; como se os dinheiros públicos tivessem que servir para estes remedeios.
    Já estou habitudo a ser roubado...

    ResponderEliminar
  7. O mar enrola na areia, ó ai, o mar enrola na areia, ninguem sabe o que ele diz, ó ai....

    ResponderEliminar
  8. A foto é junto às traseiras do Hotel de Ofir.

    As dunas são estruturas móveis, ora avançam, ora recuam, consante os os períodos de gelo e de degelo no Árctico.
    O actual cordão dunar de Fão-Ofir, tem apenas 200 anos e ao longo destes dois séculos, sofreu avanços e recuos, mesmo antes das tão propaladas alterações climáticas de influência antrópica (será?).
    Presentemente, estamos a assistir à consolidação de uma duna embrionária, que se está a forma a Norte do esporão que antecede a foz do Cávado, mesmo em frente ao Miradouro. É de uma beleza tal, que vale a pena perder algum tempo a aprecial tal formação.

    Isto significa que não se pode falar em vão da erosão costeira, uma vez que esta só acontece onde existem casas ou outras estruturas feitas pelo Homem. Porque, ao contrário das dunas, não avançam nem recuam.

    ResponderEliminar
  9. A intervenção do Zé dá que pensar. Nunca me tinha interrogado acerca dessa perspectiva.
    Talvez desse uma boa conversa "in situ". Agora começo a meditar que andamos (quase) todos todos "distraídos com o aquecimento global" e outras tretas, quando as causas naturais podem ser as mais plausíveis para explicar o problema da nossa orla costeira.

    ResponderEliminar
  10. Peço imensa desculpa, mas o Sr. Zé de Braga, não deve ter a noção do que é a protecção do ambiente. Deve estar a pensar demasiado alto, pois quem conhece Fão como eu conheço, sabe muito bem que tudo o que vemos acontecer não se enquadra na forma que ele vê esta questão. Telvez ele tenha que aprofundar mais os seus conhecimentos em matéria ambiental (se é que os tem)
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  11. Caro anónimo das 14:58
    A ignorância é atrevida e fica-lhe mal desacreditar quem sabe, sem apresentar um único argumento válido.
    Quanto à formação em questões ambientais, certamente que prefiro a minha à sua.
    Tenha uma boa noite. Mas não sonhe com este pesadelo.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores