(Re)Enterrar o Tesouro Romano? [2]

| Partilhar
«A Câmara de Braga respeitará as indicações que forem dadas pela Universidade do Minho sobre os vestígios arqueológicos romanos encontrados numa obra em curso na Avenida da Liberdade, revelou hoje o adjunto do presidente da autarquia. [...] Agora, e de acordo, com as indicações da autarquia, a Unidade de Arqueologia concordou em permitir o seu enterramento, com a opção de, um dia mais tarde, ser feita uma escavação mais ampla no local.» [Jornal de Notícias]

No dia em o PSD exigiu a divulgação permanente das descobertas sobre o templo romano, a Câmara de Braga imputa aos arqueólogos da Universidade do Minho a decisão de voltar a enterrar o templo romano de grandes dimensões que foi encontrado sob a Avenida da Liberdade. Torna-se cada vez mais evidente que o processo não está a ser conduzido de forma completamente transparente.

Convém lembrar que o assunto não é consensual entre os arqueólogos e que o próprio Luís Fontes defendeu a musealização do achado aquando da visita dos deputados municipais. Recuso aceitar que decisões tão importantes sejam tomadas num aparente contra-relógio eleitoral em que a posição da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho pode vir a ser interpretada como um mero aceno às «indicações da autarquia».

Porque é que Luís Fontes mudou de opinião? Ninguém sabe. E também ninguém sabe o que é que a musealização do templo representaria em termos de potencial turístico para a cidade nem que opções foram estudadas como alternativa em caso de suspensão definitiva da obra nem se o alegado acordo com os promotores imobiliários da requalificação do quarteirão do Correios pesou nesta decisão. O que está claro é que o executivo de Mesquita Machado pretende lavar as mãos, acusando a Unidade de Arqueologia de ter optado por enterrar o tesouro romano agora descoberto. Tudo está a ser decidido sem o necessário debate público, sem a audição de outros especialistas e fazendo tábua rasa das opiniões versadas por alguns dos mais conceituados arqueólogos nacionais.

O destino que lhe querem traçar é certamente melhor do que o que deram aos achados arqueológicos encontrados na Avenida Central e noutros pontos da cidade. Ainda assim, importa salientar que o primeiro compromisso dos arqueólogos é para com a sociedade, os contribuintes e a defesa do património histórico. A ideia que transparece é que a arqueologia está a perder mais uma oportunidade e, pior do que isso, que Braga está outra vez a hipotecar o futuro mal tratando o passado...

9 comentários:

  1. Até os arqueólogos vão no jogo da câmara... enfim!

    ResponderEliminar
  2. Onde estão todos aqueles que se apresentam como alternativa para os destinos de Braga?

    Desconhecem a Acção Popular?

    Reinventem o "Zé"!

    Sejam consequentes...

    ResponderEliminar
  3. O João Leite lembra bem a possibilidade de acção popular.

    Eu continuo a perguntar: o que é que, em concreto, entendem por musealização?

    Transportar as ruínas para outro lado?
    Construir uma qualquer infraestrutura para se "admirar" aquilo no local, ad eternum?

    ResponderEliminar
  4. http://www.ipetitions.com/petition/SaveTheTemple/

    Esta petição tem como objectivo, a criação de um movimento que visa a total escavação do local onde se encontra o Templo Romano, o Quarteirão dos CTT, assim como toda a zona de Intervenção afecta ao Prolongamento do Túnel.

    Esta petição torna-se necessária uma vez que tal como em 1994, a decisão de não parar as obras parece estar tomada à partida. A suspensão temporária das obras, ou até mesmo o abandono ou modificação das construções previstas, tem que ser sempre uma alternativa face aos achados que forem encontrados.

    As eleições que se aproximam não poderão ser o prazo máximo de conclusão das obras.

    ResponderEliminar
  5. Uma vez mais, decisões egocêntricas demonstram-nos que o Sr. Presidente da CMB vê Braga como o seu reduto.
    Queria a ampliação do túnel, e conseguiu iniciar a obra. Entretanto lembrou-se que era necessário arqueólogos e lá os arranjou para procederam ao trabalho.
    Assim que se descobriu algo relevante para a cidade e agora que surgem manifestações de apreço pelo património, os arqueólogos dizem que o templo devia ser musealizado. Como isso poderia por em causa o túnel, então Mesquita dá um murro na mesa e diz "Chega de bincar às escavações" (titulo do Correio do Minho de 28.11.08). Ora aí está uma declaração bem democrática ao estilo da suspensão desta por 6 meses.
    Mesquita Machado não se lembra que foi eleito pelos cidadãos e que os representa a estes e às suas vontades (logo, não manda neles, mas deve auscultar a cidade). Por isso imputa as responsabilidades na UAUM. Se os arqueólogos mudaram de ideias e deixaram enterrar os vestígios, então lembremos que não compete à UAUM dizer à CMB o que fazer. Eles apenas devem sugerir ao IGESPAR e esta entidade é que deve comunicar à CMB o que fazer.
    Se há essa comunicação por parte da tutela, esperamos que ela seja tornada pública para termos a certeza que o processo está a ser conduzido legalmente.

    ResponderEliminar
  6. A comissão especializada da Assembleia Municipal, aquando da visita aos achados arqueológicos, foi informada de que a solução para preservar os achados romanos será enterrá-los e esperar que seja elaborado, no futuro, um projecto que integre estes no património visitável da cidade. Isto passa por um grande projecto que obrigará o tráfego automóvel a passar num viaduto. Grande projecto que implica um investimento avultado.

    Jorge Faria
    Pres. Com. Especializada da AM Braga

    ResponderEliminar
  7. Caro Jorge Faria,

    Obrigado pelo esclarecimento. Na verdade, há uma incongruência entre o que está escrito nos jornais e o que o arqueólogo Luís Fontes terá dito. Aguardam-se novos desenvolvimentos nesta matéria...

    ResponderEliminar
  8. De facto não foi em qualquer momento anunciado à Comissão da AM que os achados iriam ser soterrados de novo num prazo de duas semanas.
    Antes pelo contrário, o arqueólogo Luís Fontes afirmou que se iria proceder a um estudo aprofundado do "templo" e que só depois disso seria recoberto, sendo opinião pessoal deste técnico que no futuro deveria ser musealizado in situ.
    Nem entrarei aqui na questão do investimento avultado que refere o Jorge Faria, no exacto momento em que se está a prolongar um túnel, num investimento avultadíssimo sem qualquer premência, ou se está a construir uma piscina olímpica com tanque de saltos, ou se está a pagar um estádio que foi entregue a um privado, etecetera, etecetera...
    Para fim de conversa, a decisão inopinada de esconder os vestígios é uma vergonha para Braga, e o presidente da Comissão da AM deveria partilhar essa vergonha em lugar de pretender justificar o acto lesa cultura.

    João Delgado
    deputado municipal do BE

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores