A Devassa da Vida Privada

| Partilhar
NATIONALRAT: HAIDER / PETZNER

Sempre desconfiei que as teorias da sexualidade propostas por Freud ajudavam a explicar a postura recalcada de alguns crónicos insurgentes contra a liberdade sexual dos outros. Parece que a minha desconfiança assenta na perfeição ao caso de Jörg Haider, o líder da extrema-direta austríaca. Seja como for, e independentemente das suas ideologias e opções políticas, é-me absolutamente indiferente saber com quem Jörg Haider ía para a cama.

A apologia da homofobia, do racismo, da xenofobia e do sexismo é abjecta, independentemente do sexo, da cor de pele, da orientação sexual, da religião, da nacionalidade e do partido político de quem a promove.

6 comentários:

  1. Mas não foi o namorado dele que anunciou o caso entre ambos?
    Porra!
    Agora a culpa é dos outros?

    ResponderEliminar
  2. Estou de acordo com o post mas não com a tua outra opinião que estes casos não deviam ser tornados públicos quando há uma flagrante hipocrisia.

    ResponderEliminar
  3. "é-me absolutamente indiferente saber com quem Jörg Haider ía para a cama".
    Então, abordas o assunto com que intuito?

    E colocas uma imagem nada elucidativa!

    ResponderEliminar
  4. Claro que «A apologia da homofobia, do racismo, da xenofobia e do sexismo é abjecta, independentemente do sexo, da cor de pele, da orientação sexual, da religião, da nacionalidade e do partido político de quem a promove.»

    Mas não quando, por exemplo, quem promove essa mesma apologia da homofobia (também por exemplo) é homossexual (ainda por exemplo). Nesse caso, e por maioria de razões quando se trata de uma ideologia e não de simples opinião, o que existe é a mais profunda, total e, essa sim, abjecta, repugnante hipocrisia.

    A vida pessoal é com cada qual, a vida pública é com todos. Em privado que se lixe, ninguém é apanhado porque não há nada para apanhar, em política lixa-se quem for apanhado em flagrante contradição com aquilo que apregoa.

    São dimensões diferentes.

    ResponderEliminar
  5. Só uma ressalva. A frase "é-me absolutamente indiferente saber com quem Jörg Haider ía para a cama." é elucidativa mas forte.
    Não concordo com este modo de expressão "rude" em blogues embora eu próprio o utilize por vezes para demonstrar o que penso.

    Isto é uma crítica construtiva e sinceramente tens um sério "atenuante": não tens receio de expressar a tua opinião (fundamentada).

    ResponderEliminar
  6. Afinal onde está o penis grande da extrema-direita anti gay?

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores