Uma Viagem Para Ti, Um Voto Para Mim

| Partilhar
Não há Câmara Municipal nem Junta de Freguesia no Minho que não providencie uma viagem anual à Quinta da Malafaia (ou Santoínho) para os idosos e mais uns quantos lá da terra. Bem diz o povo que «não há jantares grátis» e, como se sabe, a festança, custeada a expensas do erário público, é uma excelente oportunidade para a promoção dos presidentes em exercício.

Confesso que não vejo grandes diferenças entre o caciquismo que se faz com ofertas de electrodomésticos e o que se faz com festarolas desta índole que, em meu entender, extravazam de sobremaneira as funções do Estado, delegadas no poder autárquico.

Deve o Estado financiar a viagem da senhora Y à Quinta da Malafaia? E porque não financia a viagem do jovem H ao Festival do Sudoeste? Ou do senhor X à Festa do Avante? Ou da senhora Z ao concerto da Madonna? Responda quem souber.

10 comentários:

  1. Declaração:

    Acho muito, muito melhor para a economia minhota enviar os eleitores para os arraiais de Viana do que dar vivas a um candidato a autarca de Lisboa.

    Os cabeceirenses em festa lá por Viana sabem que estão numa festa, os cabeceirenses despejados em Lisboa não sabem que estão a ser... os bombos da festa, e nem sequer sabem a que santinho vão pagar a promessa.

    Portugal no dilúvio, já e em força.

    ResponderEliminar
  2. É o problema das chamadas atribuições genéricas das autarquias, isto é, podem tratar de tudo excepto o que lhe for proibido por lei...
    O que dá lugar a baldas estratégicas!E, então, oferessem espaços desportivos ao FC Porto (Olival em Gaia), com renda simbolica para ganhar popularidade regional e nacional ao serviço de "outros voos" e para chatear o Rui Rio que, do outro lado do Douro, nada faz a favor do FC Porto...
    Mas que pode fazer a favor do Boavista, adquirindo o Bessa na hasta pública, pagando em 20 anos, e reabilitando o clube a quem alugaria o campo por 500 Euros/mês, por exemplo (também em nome das tais atribuições génericas, que topam a tudo...), com todos os argumentos jurídicos e politicos imaginaveis...
    A ida à Malafaia, perante isto, é mero folclore, mas pelo menos em nome da ética devia ser proibido no último ano de mandato.
    Os melhores autarcas deviam pura e simplesmente auto-inibir-se a tais práticas, não vendendo gato por lebre, isto é apresentando-se ao eleitorado com o que têm e mais nada...
    O que referi são, claro, exemplos populistas, mas muitos outros sobrevêm...
    A democracia tem, de facto, muitos defeitos...e os politicos perderam a vergonha, mas todos...

    ResponderEliminar
  3. hahaha, Pedro. Excelente. Pena que o senhor presidente da Área metropolitana do Minho (ainda existe) não tem quem lhe leia as biqueiradas que lhe mandas.

    ResponderEliminar
  4. ERRATA: onde se entoa afirmamentemente "ainda existe" deve-se dar-se tom de questão jocosa "ainda existe?"

    ResponderEliminar
  5. É a democracia em todo o seu esplendor...

    ResponderEliminar
  6. Só não concordo inteiramente contigo porque pecas pela generalização. Há juntas de freguesia e câmaras municipais minhotas que não pagam viagens ao Santoinho.
    Mas percebo a hipérbole. De facto, é esta política de caciques e populismo que impede o Minho de ser uma verdadeira força nacional.

    ResponderEliminar
  7. Só não concordo inteiramente contigo porque pecas pela generalização. Há juntas de freguesia e câmaras municipais minhotas que não pagam viagens ao Santoinho.
    Mas percebo a hipérbole. De facto, é esta política de caciques e populismo que impede o Minho de ser uma verdadeira força nacional.

    ResponderEliminar
  8. Estão-se a esquecer de uma coisa positiva.
    A oferta destas viagens lúdicas (nomeadamente nas autárquicas de Lisboa) constitui um óptimo incentivo ao exercício da cidadania Por duas vias

    - fomentam o debate democrático
    (do género, "a malafaia é melhor c'o santoínho" ou então "quem é este senhor ali no cartaz?)

    - fomentam o uso do transporte público!

    Logo, Portugal avança e diminui a poluição atmosférica.

    Al Gore devia ser avisado.

    ResponderEliminar
  9. ora ora ora minudências

    o sócrates oferece portáteis

    a câmara de lisboa oferece terrenos, compromete-se a construir neles urbanizações em favor do benfas e do sportem e, melhor ainda, paga-lhes os apartamentos ainda antes de serem vendidos.

    a beira disto as festanças minhotas e as habilidades menezianas são amendoins LOL

    ResponderEliminar
  10. O Sócrates oferece portáteis?
    Com a banda larga móvel contratualizada por 2 anos pelo escalão de 40 euros/mês aprox.?Ainda se fosse pela velocidade de entrada (até 4 mbs)...
    Carissimo...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores