Via Aberta para o Eléctrico, Metro ou Comboio (III)

| Partilhar
Depois de tudo o que fomos dizendo e escrevendo acerca da mobilidade no Concelho de Braga e na Região do Minho, importa salientar o seguinte:

1. Não há dúvida de que o modelo de mobilidade actual foi construído em função do uso preferencial de transportes motorizados particulares. Trata-se de um modelo desaqueado para as necessidades de competitividade da cidade/região e para os padrões de exigência ambiental do momento actual.

2. O investimento na promoção do uso da bicicleta e no regresso do transporte urbano sobre carris à cidade de Braga são as medidas estruturantes que se impõem para solucionar grande parte dos problemas de mobilidade da cidade/região, constituindo-se adicionalmente como factores de redução das assimetrias sociais e de aumento da competitividade regional.

3. A criação de uma linha de Metro/Comboio entre Aveleda e Gualtar, construída num eixo claramente deficitário na qualidade da oferta de transporte público, afigura-se-nos como decisiva para a mudança do paradigma dominante em matéria de mobilidade interna.

4. Apesar do estudo postular que «a densificação da rede de transportes públicos na zona central através de um serviço "porta-a-porta" em sítio próprio (por exemplo eléctrico) e complementar a esse eixo ferroviário (pesado) estruturante, constitui uma possibilidade a explorar a médio/longo prazo», parece-me que não será de descartar esta solução no curto/médio prazo.

5. A proposta de supramunicipalização dos TUB/EM, avançada no Parecer ao Estudo de Mobilidade, parece assumir uma importância vital na reconfiguração do sistema de mobilidade interno da região, projectando o Minho no contexto nacional e internacional.

6. Do mesmo modo, importa não desprezar que «uma futura expansão da Linha [de comboio ou metro] até Guimarães, passando pelo AvePark e pelo Pólo de Azurém da UM, deverá constituir uma nova alavancagem no nível de utilização dos transportes urbanos, na medida em que o seu âmbito de influência é alargado por via de uma intermodalidade que pode ser bem programada.»

7. Tal como temos vindo a repetir, os autores do estudo não deixam também de salientar que «a organização do sistema de transportes públicos e da intermodalidade é assim uma peça-chave na colocação da cidade de Braga como pivot do arco de cidades entre Viana do Castelo e Felgueiras, ganhando espaço de influência à Área Metropolitana do Porto e dinâmica demográfica, económica e social comparável com a cidade de Vigo. E essa realidade é essencial ao equilíbrio da rede urbana no conjunto da Euroregião Norte de Portugal-Galiza e a uma Região do Norte menos portocêntrica

Cumpridos 8 meses sobre a Petição pelo Regresso do Eléctrico e conhecidos que são os resultados do Estudo de Mobilidade, importa registar com enorme satisfação que a competente opinião técnica venha corroborar aquilo que, enquanto cidadãos, temos defendido ao longos dos últimos anos. Contudo, o tempo da retórica está a chegar ao fim, sendo hora de se avançar para os planos concretos. Projectos que permitam desafogar o colete de forças em que os problemas da mobilidade ameaçam tornar-se caso tudo fique como está.

[fotografia de Dario Silva; esquema retirado do parecer técnico do Estudo de Mobilidade]

14 comentários:

  1. Uma rede sobre carris rápida e eficaz a ligar as quatro grandes cidades do minho seria excelente sem dúvida alguma!

    Sendo que o essencial, no meu entender, será a forma de se relacionar esse transporte com as camionetas.

    Pois, pelo menos em Guimarães, os horários dos transportes públicos são uma miséria. Mas o mais engraçado é que os que mais se atrasam são os que vem das centrais, tanto de Braga como de Guimarães.
    Sei disto porque vivo no meio, nas Taipas e tenho que percorer a desgraça, leia-se N101, todos os dias.

    ResponderEliminar
  2. A proximidade das eleições autárquicas vai, forçosamente, trazer novidades sobre esta matéria.

    ResponderEliminar
  3. Não estava à espera da ideia de prolongar o comboio até Gualtar, na medida em que é um grande investimento, para além de ter que restruturar uma estação com 4 anos. A ideia é boa. Aliás, é também sugerido transformar a estação numa inter-modal, algo que foi falado/sugerido muito na altura mas que não fizeram.
    No primeiro texto que escrevi no meu blog tinha focado este aspecto de ligar o hospital, INL e a universidade directamente a transportes para fora de Braga, nomeadamente em ligar ás restantes cidades.
    A supramunicipalização dos TUB/EM, no meu entender é obrigatória, não se justifica ficar cingido ao concelho de Braga, quando se sabe que existe grandes movimentos pendulares para fora/dentro do concelho, principalmente com os enunciados. Além do mais a empresa ganhará dimensão.

    Resta saber se a ligação a Guimarães faz-se a partir da UM ou pelo vale da Veiga. Se por um lado obriga a um túnel com 5km sobre uma montanha, não é um simples corte e cose como da estação até à UM; por outro obriga a uma inversão na UM (caso vá à UM) e um percurso mais longo logo mais tempo mas mais população serve.

    Agora elucidados e com matéria credível que avance a parte "solucionaria" e parte técnica .

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Vós que lá do vosso império
    prometeis um mundo novo,
    calai-vos, que pode o povo
    q'rer um mundo novo a sério.

    António Aleixo

    ResponderEliminar
  6. O Séc. XXI será o Século do Caminho de Ferro tanto quanto o foi o Séc. XIX.

    A ver se se torna menos verdade as palavras de Sebastião Alba, poeta bracarense, "Circulamos embolsados em automóveis de luxo".

    Até porque os "luxos" saem caros e pagam juros.

    E pelo Comboio é que vamos.
    Dario Silva.

    ResponderEliminar
  7. Bem... anda-se a misturar alhos com bogalhos. Uma coisa é um eléctrico em Braga, outra coisa é um metro/comboio a ligar as cidades do Minho. Braga tem um problema autónomo que não permite que essas discussões se misturem demasiado.

    A 2ª é facilmente exequível, apesar de exigir investimento. Mas a 1ª não é "a medida estruturante" que dizes ser. A eventual existência de um eléctrico em Braga é meramente instrumental de uma revitalização urbanística que se impõe. Pela brutalidade que a implementação de um eléctrico na cidade de Braga, tal como ela está, implicaria; é melhor pensar primeiro nessa reorganização e só depois pensar no eléctrico. Caso contrário existirá um caos maior do que se avizinha. Pois é muito bonito ter um eléctrico, mas, como tenho vindo a dizer, a sua eventual implementação será bastante problemática em certos pontos da cidade.

    Também discordo em absoluto dessa ideia de criar uma linha Aveleda/Gualtar. É demasiado redutor. É impossível envisionar uma rede de elétrico a ser construída ex novum e não prever uma passagem pelos 3 hospitais que Braga irá ter; uma passagem pelas várias zonas industriais; uma passagem pelos vários tribunais; uma passagem pelo estádio; e, evidentemente, uma passagem pelas várias zonas de maior densidade populacional; e podia-se continuar... A mera criação de uma linha Aveleda/Gualtar, com os autocarros a complementar esse trajecto que sugeres, não iria alterar grande coisa. Mas como referi, falas em "mobilidade", misturando o problema de Braga, com o problema do Minho e esses são problemas perfeitamente autonomizáveis.

    ResponderEliminar
  8. Parabens Pedro !

    Entretanto concordo com JLS. Não misturar electrico/metro de superficie com sistema ferroviárop sub-urbano. Esse erro foi cometido pelo MPorto com as extensões para a VConde e Trofa. Há ainda que considerar o uso de Funiculares e sistemas de metro usando pneus. E cuidado com as soluções que precisam de muito betão e tuneis...
    Volterei brevemente ao tema no Norteamos.

    ResponderEliminar
  9. Vale sempre a pena, Pedro!

    Para os profetas das dificuldades tudo é complicado ou impossível.

    Velhos do Restelo!

    Nada fazer significará sempre ficar para trás. Basta!

    Que outros, mais novos, tragam uma nova vida num tempo que já parece de velhos.

    ResponderEliminar
  10. T emos
    R elatório
    A utêntico
    N ós
    S ó
    D evemos
    E sperar para
    V er

    ResponderEliminar
  11. Tempo de velhos! Cuidado com os que envelhecem precocemente e nem chegam a ter ideias.As ideias não têm idade, o problema continua a ser de vontade politica, do agir, do fazer, ou não fazer.Das opções e politicas defenidas em projectos e programas, dos interesses que se confundem ou transformam de boas intenções ou ideias em negócios mediatizados por amizades.Nada de confusões o mérito e o demérito, não carecem duma idade mas de um tempo e vontade de agir.

    ResponderEliminar
  12. Teimamos em criticar sem nexo.Então não é verdade que o País cresce todos os dias e o progresso é dado adquirido?Temos menos Empresas, mas temos grandes oradores que falam em empresas mais competitivas, geradoras de riqueza.Temos hoje salários muito elevados, bem diferentes de décadas atrás.Desempregados e mal pagos? Pois também os outros Países os têm.Dificuldades nos tratamentos, nas consultas, dificuldades no ensino que sai caro e conduz a falsas expectativas, pois mas sabem como é lá fora? pois não sabem então esperem para saber, sabem quanto custa ao país formar um médico, um professor, um engº, pois nãõ sabem.Então calem-se, ouçam o nosso Primeiro, acreditem no que diz e esperem,isto há-de passar.Vivem mal, calma sosseguem há quem esteja pior.Vá lá não sejam pessimistas temos pessoas a viver até aos 100 Anos, temos mais esperança de vida, temos muitas potencionalidades a desenvolver, vamos vencer.Quanto ganha um Ministro?Um General? Um quadro superior da Ad.Pública? Não interessa somos muitos mais e temos reformas de 300Euros que chegam.Aprendam a poupar a cortar nas despesas, na ida ao médico, ao mercado, de comprar jornais...enfim aprendam a poupar mais...muito mais.

    ResponderEliminar
  13. Tem alguma razão o anónimo anterior, mas não é hoje e aqui esse o tema.Estamos noutra onda, procure compreender vai gostar de falar do tema aqui em debate.Esqueça essas questões sociais isso já é passado.Agora queremos falar do MEtro e dos Comboios, das ligações e do serviço a prestar.

    ResponderEliminar
  14. Penso de facto que o metro em Braga é um factor importantíssimo para o desenvolvimento da região e que deve avançar o mais rápidamente possível.
    Penso também que em interligação com o metro, deve existir algo como existe em Paris (RER) que é uma espécie de comboio usado para interligar o metro com as cidades circundantes(Versalhes,Sceaux, Orlie,etc). Desta forma o novo metro de Braga poderia ter ligação directa ao metro do Porto e facilitar em a comuicação entre as duas áreas metropolitanas.

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores