«Como o fascismo sobrevive, tranquilamente, em Braga...»

| Partilhar


Título e Imagem roubados descaradamente do abnoxio.

9 comentários:

  1. Acredito que não se deve apagar a história, por muito má que esta tenha sido.
    Até para não esquecermos e não voltarmos a repetir erros, coisa em que somos pródigos.

    ResponderEliminar
  2. Seria ridículo retirar essas estruturas metálicas do 1º de Maio.

    ResponderEliminar
  3. Ninguém falou em retirar nada... É uma metáfora...

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pelo comentário. Foi o resultado possivel, com todas as vicissitudes.

    ResponderEliminar
  5. O problema é: "O Desporto ao serviço do Poder".

    ResponderEliminar
  6. O passado é parte da nossa História e temos o dever de saber viver com ela independentemente das ideias de cada um.Salazar, Silva Pais, Cerejeira e tantos outros foram figuras adoradas, veneradas e mais tarde duramente criticadas, porém são e fazem parte da nossa História, tal como a nossa família que não podemos escolher.Os amigos escolhem-se mas os factos históricos ou personalidades, ficam para recordar bons e maus momentos.

    ResponderEliminar
  7. Actualmente poder-se-ia perguntar:Qual desporto?Qual poder?Massa e betão?!
    O monumento actual da servidão do desporto ao poder, na minha modesta opinião, é o Estádio AXA.
    O 1º de Maio, actualmente, é um monumento à imbecilidade de quem o deixa cair.
    Cada cidade tem o que merece.

    ResponderEliminar
  8. Pedro, não é fascismo é um testemunho histórico. Porque deveremos destruir a arte só porque a ideologia mudou? Lembras-te do choque que o mundo sentiu quando os paquistaneses explodiram com dois budas gigantestos milenares, esculpidos na pedra? Beijinhos!

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores