Dizem que "Então é assim", mas há quem não concorde

| Partilhar
Nos passados dias 31 de Maio e 1 de Junho, a RTP2 fez serviço público. É a própria estação que assume a novidade, através do blog do programa Sociedade Civil:

“Então é assim” é uma co-produção dinamarquesa-canadiana, um filme de animação para crianças, que ensina tudo o que os mais novos precisam de saber sobre como se fazem bebés.
A novidade está em que na véspera à noite, 31 de Maio, às 23h30m, a RTP2 promove uma edição especial do programa “Sociedade Civil” em que será mostrado o dito filme e debatida a sua adequação às necessidades e sensibilidades nacionais. [O filme foi novamente transmitido no dia 1 de Junho, pelas 20h30m.]
Esta “ante-estreia” destina-se a dar aos pais a possibilidade de visionar antecipadamente “Então é assim” e decidirem se a sua informação e linguagem conferem com o que gostariam de transmitir aos seus filhos na fase de vida em que se encontram.

Goste-se ou não do teor do filme e concorde-se ou não com as vantagens da sua difusão, a verdade é que a RTP2 anunciou antecipadamente a exibição do mesmo, promoveu um debate esclarecido com especialistas e colocou nas mãos dos pais (para quem alguns reclamam a exclusividade da educação sexual) a decisão de permitir às inocentes criancinhas o seu visionamento (pelos vistos, é-se preso por ter cão preso por não ter...)

Todos estes cuidados da RTP2 tornam ainda mais disparatada e despropositada a posição das associações de pais católicos que consideram que o filme "sobrepõe a espontaneidade dos instintos à moral, reduzindo o sexo a um conjunto de técnicas" e que "a beleza da sexualidade humana fica empobrecia quando apresentada tecnicamente como animação". O que não deixa de ser espantoso é que os livros de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) tragam desenhos de um homem e uma mulher nús (pelo menos um dos meu livros trazia...), a propósito precisamente da discussão sobre sexualidade e as diferenças entre os corpos masculino e feminino. Porque não exigem os pais católicos que os livros de EMRC abandonem as animações para passarem a exibir fotografias de homens e mulheres nús? Não estará a beleza do corpo humano empobrecida quando apresentada tecnicamente num desenho?

É legítimo que se discorde do teor do filme, é legítimo que se discorde da inclusão de Educação Sexual nas escolas, é legítimo, até, que se promovam campanhas contra o uso do preservativo. O que não é aceitável é que uma parte da sociedade queira reduzir a educação sexual de todas as nossas crianças às aulas de catequese e à doutrina dos pais. É, também por isto, que é ainda tão comum ouvir dizer que os bebés nascem pelo recto...

5 comentários:

  1. Não vi o filme, mas mesmo assim a iniciativa da RTP2 parece-me boa.
    Afinal de contas são "serviço público"!

    http://psisalpicos.blogspot.com/2007/06/ento-assim-educao-sexual.html

    ResponderEliminar
  2. Vi e o filme e o debate e aquilo de que realmente não gostei foi da postura do Professor Daniel Sampaio, por quem tinha bastante respeito e admiração. Foi bastante agressivo com a única convidada que apontou algumas críticas negativas ao filme (apesar de não ser contra ele e de o ter visto com os filhos). Um psiquiatra devia antes de mais ser tolerante com opiniões diferentes da sua, e não usar os galões já conquistados para ter um comportamento de superioridade e paternalismo. Quanto à iniciativa, penso que é boa mas compreendo que algumas cenas não sejam bem recebidas por parte dos pais portugueses. Acho que é um filme útil para ser mostrado a crianças que já tenham alguns conhecimentos de sexualidade, mas não como primeiro contacto com este tema.

    Filipa Rodrigues

    ResponderEliminar
  3. OLá Filipa,

    Eu já não tinha grande impressão dele desde os tempos em que veio à nossa Universidade para "Uma pessoa confessa-se..."

    E, concordo contigo, ele foi extremamente agressivo e indelicado.

    ResponderEliminar
  4. ...isto é que vai uma crise...

    ResponderEliminar

Antes de comentar leia sobre a nossa Política de Comentários.

"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores