Agência Lusa: Assim se faz jornalismo em Portugal

| 15 Comentários | Partilhar
A Agência Lusa convidou-me para uma entrevista a propósito da conclusão do meu curso de Medicina. Nada aparentemente diferente das cerca de 30 entrevistas que dei a diversos órgãos de comunicação social ao longo dos últimos 10 meses. A surpresa chegou quando me deparei com o texto publicado: pouco do que a jornalista escrevera transmitia o espírito do que fora dito por mim e pela minha colega Paula Fidalgo e, ainda mais grave, havia citações de frases que eu nunca proferi e com linguagem que, definitivamente, não utilizo naquele contexto. Contactei a jornalista que me pediu que enviasse uma correcção. Assim fiz. A correcção da Lusa, no entanto, apenas versa sobre um dos aspectos focados e continua a apresentá-lo de forma descontextualizada.

Transcrevo a comunicação que fiz à Agência Lusa e ao seu Director, aguardando que a verdade seja reposta.

«Tendo tido conhecimento da divulgação de uma notícia sobre os novos licenciados em Medicina da Universidade do Minho, a propósito de uma entrevista por nós concedida durante a tarde de ontem à Agência Lusa, cumpre-nos esclarecer que apesar de conter algumas afirmações que correspondem ao que por nós foi dito, muitas das ideias veiculadas e das frases citadas não correspondem àquilo que foi transmitido ao longo da referida conversa, encontrando-se outras completamente descontextualizadas.

1. «Tanto a universidade como os hospitais de Braga e de Guimarães fizeram um grande investimento em nós. Não só por sermos os primeiros alunos mas também porque a Escola de Ciências da Saúde vai ficar conhecida pela formação humana que dá aos futuros médicos». Estas afirmações não foram feitas na sequência/contexto apresentado. O que foi dito é que «Tanto a universidade como os hospitais de Braga e de Guimarães fizeram um grande investimento em nós, não só por sermos os primeiros alunos, mas também porque acreditam e estão motivados para o projecto de ensino-aprendizagem.» Noutro contexto foi dito que «a Escola de Ciências da Saúde vai ficar conhecida pela formação humana que dá aos futuros médicos ».

2. «há mais investigação e mais meios nos hospitais centrais». A afirmação é da jornalista e não da Paula Fidalgo. Em resposta à pergunta, Paula Fidalgo afirmou que os principais motivos que a prendiam ao eixo Porto-Braga eram a família e as oportunidades destas regiões e não necessariamente as condições dos hospitais.

3. «lutou durante todo o curso "contra o preconceito de que só os alunos com dinheiro é que estudam medicina" ». Esta afirmação não corresponde ao que foi dito. O que se disse foi: "é preciso desconstruir a ideia de que as pessoas só vão para Medicina por causa do dinheiro".

4. Por outro lado, a afirmação "Vou trabalhar e ser pago por isso. Não vou fazer beneficência" surge de uma forma completamente descontextualizada. O que foi dito é que as pessoas não deviam ver a medicina como beneficiência, mas sim como um serviço prestado à comunidade com competência científica, técnica e humana e, obviamente, remunerado.

5. «No início, algumas pessoas e algumas instituições torciam o nariz ao curso de Medicina em Braga ». Esta afirmação foi feita pela jornalista e não pelos alunos. E à pergunta que se seguiu (qual é a vossa opinião?) a resposta dos alunos foi precisamente: "no início sentimos alguma desconfiança não da parte das instituições mas apenas de algumas pessoas. Com o tempo sentimos que a maioria das pessoas procurava aprender com a experiência pedagógica do nosso curso, tendo mesmo sido convidados para falarmos sobre essa experiência em pelo menos duas faculdades clássicas."

6. «Entre essas iniciativas, alguns estudantes incluíram "fazer campanha pelo Sim no referendo pela Despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez» Esta afirmação surge mais uma vez completamente descontextualizada. Em momento algum foi afirmado que a campanha para o referendo fazia parte das iniciativas do curso de Medicina. Em resposta à pergunta da jornalista "Custa-me compreender os médicos que são objectores porque a função do médico devia ser exactamente ajudar quem procura ajuda?", Pedro Morgado afirmou: "Compreendo perfeitamente a posição de quem é objector de consciência. Estou à vontade para falar sobre este assunto porque até fiz campanha pelo sim, mas quando se fala de IVG têm que se respeitar os valores e as convicções de cada pessoa e assunto é bastante mais complexo do que a simples vontade da mulher…"

7. "Tenho a certeza que a grande maioria dos licenciados na Escola de Ciências da Saúde não será objector de consciência " Esta afirmação é completamente falsa. Quando questionados sobre a sua percepção sobre esta matéria os alunos responderam que não poderiam falar pelos colegas e que, por ser um assunto recente, ainda não tinha sido muito debatido entre eles.

Porque o direito de informar não pode estar dissociado do dever de informar com rigor e verdade, vimos solicitar a rápida reposição das afirmações feitas e a alteração do teor e do conteúdo da notícia apresentada.

Atenciosamente,
Paula Fidalgo e Pedro Morgado.»


Tantas horas depois, a notícia mantém-se... Todos temos dias maus. Ontem, a jornalista não captou, de modo algum, a mensagem que lhe transmitimos. A Lusa não pode dar-se ao luxo de colocar nas minhas palavras afirmações que nunca proferi.
Assim se faz mau jornalismo em Portugal.

Adenda - A Agência Lusa informou-me telefonicamente que a notícia iria ser retirada. Mas a notícia continua a ser replicada pelos jornais. (RTP, Correio da Manhã)

César das Neves é tão pós-moderno quanto a Floribela

| 1 Comentário | Partilhar
A última homilia de João César das Neves não merecia mais comentários para além do que, muito sensatamente, sugere O Jumento: «Arquive-se por cheirar ao mofo das sacristias.» Mesmo assim, sugere-se a avisada leitura de Mais um Serviço Womenage, Sexo pela Pátria, Momento Zen de Segunda e Este Post Não Existe. Boas leituras.

Braga: Silly City

| 26 Comentários | Partilhar
Ao bom estilo provinciano, tudo fecha durante em Agosto nesta cidade. Como se o deleite de ler um bom livro não fosse o mesmo, como se estudar pudesse ser circunscrito aos horários de expediente, como se a investigação se compadecesse com os horários dos gabinetes, como se a cultura se pudesse dar ao luxo de injustificados hiatos. Até o Theatro Circo foi de férias. Com essas férias percebemos, com maior clareza, que as promessas de cultura todos os dias não passaram de promessas e a anunciada qualidade da programação não é mais que um eufemismo para estranhas parcerias. O Theatro Circo não pode trair tão cruelmente as expectativas da cidade, adicionando desencanto à desilusão (e, ainda por cima, havia um interessante mercado a explorar durante o mês de Agosto).

Ao contrário do que seria expectável e desejável, tudo convida ao êxodo estival. Os encerramentos temporários, os encurtamentos dos horários e as más disposições dos funcionários acrescentam inferno ao inferno que é o Agosto bracarense. Ficamos entregues ao fumo do café do bairro, aos solenes desfiles de estandartes e andores, às Ágatas pindéricas, às farturas gordurosas, à música parola que alguns carros com matrículas estranhas nos impingem, aos centros comerciais em saldo e aos festejos populares de Dume, Arentim, Adaúfe ou Pedralva.

Valham-nos o BrunoSpot e o Fotocafé que, lavando a cara, são a única gota de novidade no estival deserto bracarense.

Boa Publicidade

| 19 Comentários | Partilhar

Causas do Nosso Atraso e Urbanismo Caótico

| 9 Comentários | Partilhar
Há coisas que não se compreendem. Além do que já se sabe (o urbanismo bracarense e minhoto é um caos demasiado real), a visita que os estudantes de Direito da Universidade do Minho realizaram desvenda as coisas estranhas que, invariavelmente, justificam muito do nosso atraso estrutural: «Este terreno foi vendido a uma empresa privada de construção por 4,5 milhões de euros, por uma entidade estatal, como Reserva Agrícola. Um ano depois, valia 12 milhões e a reserva agrícola deixava de existir: o encanamento do rio existente resolveu o problema».

Como houve um negócio destes, imagino que possam existir, por esse imenso Portugal, súbitas e injustificadas alterações dos Planos Directores, desvios convenientes de rios, autorizações de projectos estranhos e desenquadrados e cedências ruinosas de espaços públicos para construção de infra-estruturas privadas. Não sei o que há. Será que o senhor Procurador Geral da República sabe?

Save Harry Potter!

| 8 Comentários | Partilhar


[um cartoon de Gary Markstein]

Ideias para Braga: Reorganizar a Sinalética

| 8 Comentários | Partilhar
Normalmente, as placas colocadas nas ruas e eixos viários servem para ajudar os condutores e orientar o trânsito. Em Braga, as placas servem para... baralhar. Quem entra na cidade vindo de Chaves e quer ir para o Porto encontra uma primeira placa que indica que deve manter-se na faixa central para seguir em direcção à A3 (a indicação "Porto" era desejável aqui). Mas, uns metros à frente, desaparece a indicação da A3 e a sugestão da Câmara de Braga para ir para o Porto é passar para a faixa da esquerda, atravessar toda a rodovia e seguir pela EN14. Por outro lado, a indicação do "Parque da Ponte" é, no mínimo, curiosa. Imagino que as pessoas que chegam a Braga não virão propriamente à procura de um jardim abandonado... Em vez disso, afigura-se-me como bem mais útil indicarem o melhor trajecto para o Parque de Exposições ou a Estação de Caminhos de Ferro.

Em Braga, a sinalética é uma tremenda confusão. A poluição visual é enorme: existem uns 10 tipos de placas diferentes não havendo qualquer coerência gráfica nem sentido de estética na colocação das mesmas. Na rotunda das piscinas, por exemplo, a placa que indica o cemitério público está misturada com indicações para shoppings, stands e hóteis. Junto ao Braga Parque surge uma indicação de "trânsito local". Parecia-me mais preciso e adequado indicar "Qta dos Congregados" e "Enguardas", que são as principais zonas habitacionais servidas por aquele desvio.

Estes são apenas alguns exemplos. Fica o alerta: é tempo de se reorganizar toda a sinalética da cidade.

A Regionalização é a única saída

| 9 Comentários | Partilhar
Na edição de hoje do Jornal de Notícias, António Marques, Presidente da Associação Industrial do Minho, traça um interessante retrato económico e político do Minho, do Norte e do país centralista e centralizador: o diagnóstico apresentado é o correcto e as soluções propostas parecem as mais acertadas.

O Diagnóstico:
«E há uma incompetência a Norte para criar uma rede de cooperação entre actores, as instituições e a sociedade civil. No Norte as pessoas unem-se para protestar, mas não para apresentar soluções.»
«não há liderança a Norte e, pior, há uma fragilidade da rede institucional na região. Os actores são convidados a desunirem-se - há um subsídio para aqui, um programa acolá, uma iniciativa ali. Qualquer Poder faz isso deliberadamente - dividir para reinar. As autarquias não se entendem, nem as associações, as universidades só agora começam a trabalhar em conjunto, as empresas não trabalham com as universidades, as universidades acham que os empresários não estão lá. Além da ausência de liderança, conjugada com a fragilidade da rede institucional, o processo de descentralização parou.»

As Soluções:
«É necessária a regionalização.»
«É preciso legitimar o poder político local, o que só se consegue através da regionalização. Porque é mais fácil decidir conhecendo os problemas concretos, estando mais próximo de quem se terá de responder politicamente. As entidades que decidem sobre as regiões não as conhecem. É por isso que as políticas públicas parecem, por vezes, um contra-senso, pouco adequadas às regiões e às suas especificidades.»

No essencial estou completamente de acordo com a visão apresentada por António Marques. Aliás, o seu diagnóstico e as suas soluções vão ao encontro de muito do que aqui havia escrito. De toda a entrevista destacaria negativamente uma única passagem em que o Presidente da AIMinho diz que «Qualquer modelo [de regionalização] serve, desde que se faça». Parece-me que não podemos nem devemos ser tão ligeiros nas afirmações que fazemos, sob pena de acabarmos a defender a regionalização como um fim em si mesma.

De qualquer modo, a entrevista marca uma viragem no discurso dos agentes económicos do Minho. É essencial e é urgente que o processo de regionalização entre em velocidade de cruzeiro. Num momento em que estão reunidas na sociedade civil todas as condições para que se possa avançar ainda antes de 2009, só parece faltar vontade aos partidos políticos, apostados em deixar o referendo para depois das legislativas. No entanto, a importância deste processo não pode continuar refém das agendas político-partidárias eleitorais.

Sobre o Metro Braga-Guimarães

| 23 Comentários | Partilhar
Ao longo dos últimos meses, a blogsfera minhota tem centrado as suas atenções na discussão sobre a reorganização/construção de uma rede de transportes ferroviários no Minho, sem que os actores políticos mostrassem grande interesse no projecto. Mas, como refere Pedro Pereira, os políticos regionais «andam mesmo a ler os blogues». A inscrição da construção de uma ligação de Metro entre Braga e Guimarães na lista das intervenções prioritárias é o primeiro caso em que, com suficiente evidência, a discussão na blogosfera precedeu a agenda dos políticos do Minho, indo ao encontro da importância reclamada para os blogues minhotos no 1º Encontro de Blogues do Minho (o único sinal político relevante prévio à discussão blogosférica foi o anúncio tímido, em Abril de 2006, de um estudo da Câmara de Guimarães sobre esta matéria).

O Metro deve ser encarado a grande prioridade do Minho para os próximos anos. É esse sinal que nos chega de Ricardo Gonçalves, deputado socialista, num artigo de opinião publicado no Jornal Primeiro de Janeiro da passada Terça-Feira. É esse sinal que esperamos de todos os partidos. É urgente recolocar o Minho no (seu) lugar.

Importam-se de repetir?

| 18 Comentários | Partilhar
A Juventude Popular de Esposende, sempre expedita na defesa da (sua) moral e dos (seus) bons costumes, diz que «devem ser privilegiados os espaços de proximidade, como sejam os cafés ou bares em detrimento de espaços de grande aglomeração de pessoas, nomeadamente discotecas». E acrescenta que «as pessoas preferem ter os seus filhos no café das suas localidades do que em discotecas».

Os jotinhas têm razão. As discotecas são locais nauseabundos onde se fumam coisas esquisitas e há demasiado suor a escorrer pelos corpos. Já os espaços de proximidade têm um ambiente muito mais convidativo para uma tertúlia sobre a homilía do domingo que passou, sobre a última colecção da Gant ou sobre os horrores anti-natura da sociedade pôs-moderna, temas que certamente preenchem as conversas dos jovens conservadores da praia de Braga.

Eu vou mais longe: sugiro aos jotinhas que se opinem também sobre a qualidade da música que passa nas discotecas. Estou certo de que as pessoas preferem ter os filhos a ouvir João Pedro Pais e André Sardet do que essas inglesadas horríveis a bombar...

Braga: Futuro do 'quarteirão' dos Correios ainda por definir

| 8 Comentários | Partilhar
O Correio do Minho fez notícia da venda do 'quarteirão' dos Correios a uma imobiliária do grupo espanhol Confecções Regojo Velasco, Lda.

A dissociação dos edifícios mais relevantes das actividades a que tradicionalmente estavam associados é sempre uma perda dolorosa e embora a notícia seja recebida com uma certa nostalgia, a verdade é que esta venda não é mais que um sinal dos tempos. Na era digital, os correios de papel perderam muita da sua relevância, surgindo naturalmente o abandono dos edifícios mais emblemáticos e centrais das cidades.

No entanto, o que verdadeiramente me inquieta é o destino a dar a uma das zonas mais belas e importantes da cidade. O Correio do Minho, tradicionalmente bem informado nestas matérias que versam sobre negócios em que a Câmara está envolvida, especula que estará em cima da mesa a construção de um parque de estacionamento e de um centro comercial de luxo. Por outro lado, é essencial não esquecer que, a expensas das finanças públicas, aquela zona será brevemente tornada área pedonal, o que aumenta significativamente o seu aspecto exterior e o seu valor comercial.

De qualquer modo, há alguns princípios que me parece essencial preservar: 1) a renovação do edifício dos correios deve respeitá-lo arquitectonicamente tal como está (ao que parece isso estará garantido); 2) não deverá ser permitida a construção de nenhum edifício com altura superior à do o actual prédio dos correios; 3) deverá ser negociado o alargamento da rua entre este 'quarteirão' e o edifício do Hospital de São Marcos; 4) deverá ser negociado, na medida do possível, o alargamento da Rua do Raio para permitir uma maior exposição visual do Palácio do Raio.

É natural que a imobiliária pretenda rentabilizar ao máximo o seu investimento. É positivo que a renovação do centro se faça também por intermédio da intervenção de privados. É essencial que a Câmara saiba respeitar o carinho que os bracarenses têm por aquele que é o seu espaço urbano e não pactue com mais nenhum atentado urbanístico. Tenho a plena convicção de que não se repetirão erros antigos, mas nunca se sabe...

O Culto do Ridículo

| 12 Comentários | Partilhar
Pedro Sales, em tom irónico, critica o circo televisivo que os canais generalistas nos impõem nos seus noticiários de Verão, transmitindo directos dos treinos de três clubes portugueses. Tenho que discordar. Este não é um circo estival nem um exclusivo televisivo, infelizmente. Entra-nos por casa durante os 365 dias de cada ano e torna evidente a falta de critério editorial da maioria dos meios de comunicação social nacionais. Sobretudo quando se discute o aniversário da filha de um jogador qualquer enquanto se ignoram as vitórias internacionais de clubes como o ABC de Braga ou de inúmeros atletas amadores que, sem quaisquer apoios, conseguem projectar desportivamente o nome de Portugal.
Haja critério.

Um blog independente [também] incomoda muita gente

| 2 Comentários | Partilhar
.
«Há mais vida para além das lógicas de aparelho.»
.

A Crise do Regime

| 8 Comentários | Partilhar
Manuel Alegre, que continua a ser socialista apesar do seu partido ter desistido de o ser, assina, no jornal Público, uma das mais realistas e convictas críticas ao governo de José Sócrates, recusando o papel de figurante no imenso drama trágico-cómico em que, uns e outros, transformaram este país.

Da delação de colegas de trabalho à perseguição de bloggers, do aluguer de velinhos para simular festas partidárias à contratação de crianças para propaganda governamental, do novo estatuto do jornalista à governamentalização das universidades, dos sucessivos aumentos de impostos às sempre adiadas reformas, os capítulos sucedem-se.

O regime está em doente e a descrença dos portugueses estende-se, justamente. a todos os partidos. Até quando?

Ainda o Caso Charrua

| 2 Comentários | Partilhar
Embora administrativamente o caso pareça encerrado, politicamente não está. Se, por um lado, não restavam muitas saídas à Ministra para além do arquivamento do caso, a verdade é que, por outro, a manutenção de Margarida Moreira no cargo de Directora Regional é uma prova do assentimento político que o governo dá às suas atitudes e ao clima de delação instalado e instigado na sociedade portuguesa.

Braga e a Torre de Menagem

| 17 Comentários | Partilhar


Subir à Torre de Menagem e ver Braga pelo canudo da imaginação é um dos maiores deleites que me podem oferecer. A bela cidade, interompida aqui e ali pela dureza do firme betão, passa diariamente ao lado do pouco que resta do que já foi o seu castelo sem lhe dar a devida atenção. Ali ao lado, jaz um enorme edifício, quase desocupado, que por ser nobre e ter nobre localização deveria estar transformado em vida para uma cidade que à noite morre por dentro, vivendo em ebulição periférica.

Mas voltemos à Torre de Menagem. E façamos da Torre uma sala de visitas para os turistas que recebemos. E uma sala de reflexão para todos os bracarenses.

Aceitam-se mais ideias.

Ibéria: Portugal e Espanha vistos ao Espelho

| 65 Comentários | Partilhar
As declarações de José Saramago sobre a integração de Portugal em Espanha têm sido amplamente analisadas de ambos os lados da fronteira, servindo de mote para uma reflexão interessante e aprofundada sobre a história e os desafios que unem os dois países. O periódico El Pais publicou uma reportagem sobre o impacto das declarações do escritor português onde pode ler-se:

«España y Portugal son países hermanos, y la Santa Madre Iglesia no aprueba el matrimonio incestuoso. Esa frase histórica, que pronunció un canónigo luso en Braga con motivo de una visita de Alfonso XIII, sigue vigente. Los portugueses ya no odian ni miran a los españoles con el rencor y los prejuicios de otros tiempos ("De España ni buenos vientos ni buenos casamientos", dice el refrán) y, aunque su economía depende en gran medida del comercio con España y adoran ir a Zara o El Corte Inglés, antes muertos que renunciar a la patria y la bandera para convertirse en una comunidad autónoma y fundirse en un país de 55 millones de habitantes llamado Iberia.»

Por toda a Espanha multiplicam-se as reacções à ideia do Prémio Nobel. No El Faro de Cartagena surge uma interessante comparação entre a realidade portuguesa e a do País Basco ou Catalunha:

«Portugal, tan pobrete siempre, ha sido eso precisamente, pobrete, porque le ha faltado su mercado natural, que no es otro que España. O sea, ha sido pobre por independizarse de España. Es el caso contrario de Cataluña y el País Vasco, que siempre tuvieron el mercado español como horizonte de expansión. Abasteciendo a España, se hicieron ricos, y evitaron que España se desarrollase, por creer que ambos territorios eran España. Craso error, sabemos hoy.»

A opinião de Joaquín Roy, catedrático de Relações Internacionais e Literatura Hispano-Americana na Universidade de Miami, desenvolve-se numa tónica diferente, salientando o avanço ideológico da sociedade portuguesa relativamente à espanhola ao longo do último século. Avanço que o século XXI tem feito questão de inverter, com os espanhóis a assumirem a dianteira liberal e progressista mundial.

«En casi todos los acontecimientos del siglo pasado, Portugal se adelantó a España cronológicamente: se despojó de la monarquía antes (1910), instaló un régimen filofascista una década antes que Franco y defenestró los restos de la dictadura salazarista en 1974, más de un año antes de la muerte del dictador español. Incluso en las alianzas internacionales Lisboa dejó atrás a Madrid: Portugal fue miembro fundador de la OTAN, ingresó en la EFTA y firmó los documentos de adhesión a la Comunidad Europea en la mañana, mientras el Gobierno español lo hacía a la una de la tarde.»

A discussão/reflexão que nasceu das afirmações de Saramago tem sido bastante profícua e reveladora. Enquanto europeísta não auguro grande futuro para os desejos de Saramago, mas também não vejo o enorme disparate que lhe querem imputar. O território não deve ser mais do que um meio para a obtenção da prosperidade e a prática do humanismo, embora a sua defesa ainda seja encarada por muitos como um objectivo em si mesmo. Estará um bracarense mais ligado historica, social e culturalmente a um algarvio do que a um galego? Tenho muitas dúvidas.

As discussões nacionalistas e patrióticas, a par dos temas religiosos, são o terreno certo para a expressão dos postulados mais irracionais (pagarão os impostos devidos todos os que tão fervorosamente defendem a Pátria?). É curioso que as principais causas de quase as todas as guerras humanas dos últimos séculos tenham raízes tão distintas: a luta pelo território herdada filogeneticamente e a crença religiosa construída culturalmente. Para mim, nem uma nem outra são particularmente relevantes.

Outras opiniões: La Saramagada. Dominicana+Haiti. Iberia. Expansionismo Espanhol. Portugal mira a España.

Da Descredibilização da Política

| 16 Comentários | Partilhar
Em 22 de Março de 2006, Mesquita Machado anunciou que Braga seria Capital Europeia da Cultura em 2012. Era mentira: a escolha do Governo recaiu sobre Guimarães.

Em Outubro de 2006, a autarquia bracarense, congratulando-se com a escolha de Guimarães, anunciou sumptuosamente que «não sendo capital europeia da cultura por um ano, Braga garante, contudo, o sustentado desiderato de ser capital da cultura todos os dias». Era mentira: Braga e a cultura continuam a andar de costas voltadas.

É destas afirmações demagógicas e populistas, a par dos passeios organizados pela Junta de Freguesia e dos concertos de música popular, que se tece a realidade autárquica bracarense. É esta venda compulsiva do sonho irrealizável que afasta a sociedade da política dos partidos, entregando-se, protestantemente, à abstenção, aos extremos e aos independentes. São estas atoardas que nos relembram, em cada dia, que o maior foco de descredibilização da política são, precisamente, os políticos.

The PotterMania (Don't Kill Harry Potter!)

| 14 Comentários | Partilhar

.
[um cartoon de
Gary Markstein]

Uma questão de fé

| 3 Comentários | Partilhar
O anúncio de que as medidas do Governo têm como objectivo aumentar a natalidade é insuficiente para justificar tão importantes (e caras) decisões políticas. A questão fulcral, lembrada por Paulo Gorjão, no Bloguítica, continua por responder: qual é a percentagem de crescimento da taxa de natalidade que se pretende alcançar em 2008?

As decisões políticas, para serem sérias e credíveis, devem basear-se em estudos concretos e cenários bem definidos. Neste caso, a questão essencial está em saber-se até que ponto subsidiar a maternidade tem impacto no aumento da natalidade. Depois de respondida esta questão, e em caso de resposta afirmativa, importa quantificar esse impacto e traçar cenários comparativos entre a situação actual (como seria a natalidade em 2008 se não fizessemos nada?), os resultados esperados da medida proposta (como será a natalidade em 2008?) e os efeitos de soluções alternativas (como seria a natalidade se optássemos pela política X?). Estaríamos então em condições de analisar se os proveitos que advêm da sua implementação compensariam os seus custos directos e indirectos.

Em 2009, o Governo dirá que as medidas foram óptimas e tiveram um impacto assinalável. A oposição reclamará o contrário. Na ausência de estudos e perante a inexistência de metas concretas é tudo uma questão de fé: ficamo-nos pelo que nos parece. Na verdade, nunca saberemos a verdade.

Direita Moderna

| 1 Comentário | Partilhar
Descobri esta noite que a direita moderna, salutarmente arredada dos irracionais e equívocos dogmas católicos, existe. Felizmente.

Ainda o Estádio AXA (correcção)

| 7 Comentários | Partilhar
Ao contrário do que aqui afirmei, as despesas de manutenção são asseguradas pela Câmara Municipal de Braga, estando as despesas de funcionamento ao encargo do clube.

As questões essenciais mantêm-se: 1) não há outra instituição no concelho capaz de gerir aquele recinto; 2) não há associação que melhor promova internacionalmente a cidade; 3) em termos de naming, o valor comercial do Estádio advém exclusivamente da projecção que as actividades desenvolvidas pelo Sporting Clube de Braga lhe confere.

Projectos 6 | Escola de Ciências da Saúde

| 6 Comentários | Partilhar

© janberckmans

Tudo parece encaminhar-se para que o novo edifício da Escola de Ciências da Saúde possa ser inaugurado no próximo mês de Outubro. Mais que um projecto, uma realidade.

Dos Incentivos à Natalidade

| 8 Comentários | Partilhar
Os programas de subsidiação da natalidade são de eficácia muito duvidosa. Não me parece que alguém decida ter um filho só porque vai receber uns trocos e, além disso, a subsidiação implica burocracia e a burocracia paga-se. Por outro lado, uma verdadeira política de incentivo à natalidade não pode excluir as famílias monoparentais e não tradicionais, a criação de um verdadeiro sistema de assistência aos casais inférteis, o finaciamento de programas de investigação científica para o desenvolvimento de novos métodos de terapia da infertilidade, a protecção laboral da maternidade/paternidade e o estímulo à criação de uma rede abrangente (pública e privada) de instituições de ensino pré-escolar.

Partido Político Procura Dono

| 7 Comentários | Partilhar

.
Os contributos repetem-se, os comentários sucedem-se e as análises avolumam-se. Surgem mesmo ideias com contornos altamente improváveis. Parece óbvio que o PSD precisa de mais do que uma simples mudança de actores. O PSD precisa de se reformar e de se refundar, sob pena de poder vir a afogar-se ainda mais no seu próprio pântano ideológico.

Como Educar para o Civismo

| 6 Comentários | Partilhar
A Câmara de Braga e a Unidade Operativa de Saúde Pública lançaram, há poucos dias, uma campanha de sensibilização sob o lema "Não alimente os pombos", dadas as justificadas ameaças que estes animais fazem pender sobre a saúde pública e os danos que provocam no património edificado da cidade. Hoje de tarde assisti a uma cena que exemplifica todas as nossas culpas na falta de civismo que polula entre os mais jovens: a dona de uma pastelaria do centro de Braga levou comida a um grupo de crianças de um jardim de infância que passeava pela cidade para que alimentassem aos pombos. Tudo sobre o olhar embevecido das acompanhantes e responsáveis das crianças. Falei tanto com a dona da pastelaria como com uma das responsáveis pelo acompanhamento das crianças. Fiquei absolutamente incrédulo: ambas sabiam que era desaconselhável (e proibido) alimentar os pombos; ambas insistiram em não fazer nada, mesmo após terem sido alertadas. Portugal no seu melhor.

Abaixo o Provincianismo (III)

| 4 Comentários | Partilhar
Pedro Vieira no Irmão Lúcia

«não há coincidências. centenas, quiçá dezenas, de naturais de cabeceiras de basto vieram engrossar as fileiras de apoio a antónio costa na noite eleitoral. em reconhecimento do esforço, dois depois o autarca socialista daquela localidade é absolvido em processo de corrupção. margarida rebelo pinto é uma filósofa cheia de razão.»

Projectos 5 | Novo Hospital de Braga

| 11 Comentários | Partilhar
Novo Hospital de Braga

PSD em Suspenso (II)

| 11 Comentários | Partilhar
O desfecho das próximas eleições internas do PSD são vitais para se compreender a evolução da crise: com Marques Mendes mantém-se, com Luís Filipe Menezes agrava-se e com Manuela Ferreira Leite começa a resolver-se.

PSD em Suspenso

| 5 Comentários | Partilhar
A política tornou-se num espectáculo mediático de qualidade duvidosa. Os comícios perderam toda a espontaneidade, as declarações políticas são preparadas ao milímetro, as expressões faciais não são genuínas e as ideologias são coisas que o tempo fez questão de substituir por amorfas, desinteressantes e canibais lutas de poder.

Assim se explica o impasse que o PSD está a viver: um partido inteiro em suspenso à espera da decisão de Manuela Ferreira Leite.
| 4 Comentários | Partilhar
~..~...~...... ~........ ~............~................... ~.......................... ~
.
pensar é estar doente dos olhos
.
alberto.caeiro [inspirado num projecto gráfico do Spicka]

Abaixo o Provincianismo (II)

| 12 Comentários | Partilhar














Porque é que um partido laico e republicano organiza uma excursão de militantes a Fátima? Além da gritante incoerência, este tipo de iniciativas denuncia o populismo repugnante do Partido Socialista de Cabeceiras de Basto.

Reagindo ao facto de alguns dos idosos transportados até Lisboa terem dito que a viagem era paga pela Câmara, China Pereira, líder da concelhia socialista de Cabeceiras de Basto, considera que "é natural que as pessoas confundam devido à idade". Eu vou mais longe: é naturalíssimo. O que não é natural é que o PS tenha levado para o circo de Lisboa precisamente as pessoas que se confundem devido à idade, num inaceitável aproveitamento da confusão alheia.

No fundo, estas notícias não passam de singelos acrescentos aos ecos que nos chegam das terras de Basto. Terras onde o bafio fascista ainda tem demasiados protagonistas (e apoiantes).

Uma questão de matemática

| 3 Comentários | Partilhar
Vital Moreira está tristinho porque a comunicação social tem relevado a escassez da vitória de António Costa (que teve 30% dos votos). É o mesmo Vital Moreira que se referiu à vitória de Cavaco Silva, como 51% dos votos, como "uma vitória fraca".

A avaliar pelas contas de Vital Moreira, a partidarite provoca sintomas extremamente graves e matematicamente muito desagradáveis. E depois ainda se queixam que as criancinhas não aprendem matemática. Com exemplos destes...

Abaixo o Provincianismo

| 22 Comentários | Partilhar
Podiam ter ido bailar à Quinta da Malafaia e assistir à missa do Sameiro, mas, desta vez, os idosos do Arco de Baúlhe foram rezar a Fátima e gritar ao Altis. Quem pagou? A candidatura de Costa ou a Distrital do PS-Braga? É que, nem quero acreditar que a factura não foi paga por nenhuma destas hipóteses.

Mas, independentemente de quem pagou, torna-se evidente que a subserviência de Joaquim Barreto, líder da Distrital de Braga do PS, relativamente aos interesses de Lisboa e aos desígnios do partido socialista se sobrepõe às necessidades do povo cá da terra.

Tudo isto é ainda mais repugnante porque se tratam de idosos que não sabiam muito bem ao que iam. Não terá António Costa apoiantes mais jovens no Minho? Ou será que não houve, entre os mais jovens, quem estivesse disposto a participar em tamanho espectáculo circense?

Lisboa é Portugal: As Eleições vistas da Paisagem (IV)

| 5 Comentários | Partilhar
Momento da Noite: António Costa e José Sócrates saúdam as populações do Arco de Baúlhe e do Alandroal que gritam "PS, PS, PS" enquanto agitam compassadamente as bandeiras que lhes entregaram à porta.

Visto isto, não admira que os independentes façam tanta mossa aos partidos. E admira ainda menos que, desde cedo, os carneiros dos rebanhos partidários locais se degladiem em pavlovianas dissertações sobre quem recusa a militância doentia e não prescinde de pensar enquanto espera que os líderes da manada se pronunciem.

O certo é que com 57.907 votos em 524.248 eleitores se fez uma grande festança. A silly season costuma começar a 1 de Agosto. Estas eleições de Lisboa anteciparam-nos o deleite.

Lisboa é Portugal: As Eleições vistas da Paisagem (III)

| 4 Comentários | Partilhar
Levar povo do Arco de Baúlhe até Lisboa para envergar uma bandeira socialista e gritar "António Costa" é verdadeirmente desolador: são tiques característicos de um sistema político-partidário atrasado e terceiro-mundista; são expressões de um provincianismo que envergonha.
.

Lisboa é Portugal: As Eleições vistas da Paisagem (II)

| 1 Comentário | Partilhar
(1) A enorme aposta de Sócrates não deu grandes resultados. Qualquer candidato socialista teria conseguido 30 e poucos por cento. A montanha pariu um rato.
(2) Sócrates encostou o PS à direita e, com isso, abriu espaço para que a esquerda além-Sócrates obtenha um resultado próximo dos 30% de votos.
(3) Carmona Rodrigues recusou-se a ser mais um independente militante. Deu uma lição ao PSD e a Marques Mendes.
(4) Marques Mendes perde em toda a linha. A sua estratégia errática é penalizada tanto pelo eleitorado como pela ausência de mobilização das estruturas locais do PSD.
(5) Helena Roseta convence. PCP mantém-se. BE não capitaliza o mediatismo conseguido com o caso BragaParques (terá sido penalizado pelo efeito Roseta?)
(6) O PP de Paulo Portas teve um resultado demolidor. Alguns dos votos fugiram, concerteza, para o PNR e o PND. A seguir com atenção a radicalização do discurso do PP.
(7) O bom povo de Famalicão (?) foi a Lisboa felicitar António Costa. São as malhas que os aparelhos partidários tecem.

Lisboa é Portugal: As Eleições vistas da Paisagem (I)

| 2 Comentários | Partilhar

O bater de asas de uma borboleta em Lisboa tem mais impacto que um tornado em Braga. Por muito dolorosa que nos seja, esta variação da teoria de Edward Lorenz espelha o caos nacional sintetizado nestas eleições de Lisboa.
.
Mas comecemos pelo princípio: no princípio era o PSD que se travestiu de apreogada independência, apoiando um candidato que iria meter as mãos... à obra. Quem também meteu mãos à obra foi o MP, criando palco para mais um me(n)diano espectáculo de seriedade inaudita. E a independência, porque não se vergou ao líder do bando, fez-se incómodo. Do incómodo nasceram as eleições. E das eleições brotaram o folclore, as acusações do costume, as demagogias de sempre, os desfiles popularuchos, as fingidas viagens de eléctrico e a desatinada subserviência dos media nacionais.
.
Mas tudo isto para quê? Não sabíamos já, porventura, que os partidos não gostam de independentes? E que os independentes se não forem militantes são incómodos? E que o PS já não é socialista? E que Paulo Portas já não está nas graças do povo? E que a liderança de Marques Mendes já não é mais que o estrebuchar convulsivo do morto? E que o Estado iria propor programas de intervenção urbanística em Lisboa? E que o apoio de Júdice havia de ter um cargo de 'grande mérito' acoplado?
.
Moral da história: este bater de asas, porque altamente emético (e caro), era absolutamente desnecessário.

Outras Avenidas

| 0 Comentários | Partilhar
Vencedores, Vencidos e Empatados. O Jumento.

A crise é do sistema. O Insurgente.

Faça um favor aos não-socialistas: VÁ-SE EMBORA!. Blasfémias.

Boa Viagem.

| 8 Comentários | Partilhar

Uma Questão de Vida

| 1 Comentário | Partilhar
«Non-Hodgkin’s lymphoma is the fifth most common cancer in the United States, with 60,000 new cases and almost 20,000 deaths a year. But fewer than 2,000 patients received Bexxar or Zevalin last year, only about 10 percent of those who are suitable candidates for the drugs. The reasons that more patients don’t get these drugs reflect the market-driven forces that can distort medical decisions, Dr. Press and other experts on lymphoma treatment say. A result can be high costs but not necessarily the best care.
The drugs have not been clinically proven to prolong survival, compared with other therapies. But patients are more likely to respond to them than standard treatments, and trials to test whether the drugs do have a survival benefit are nearly complete.
One reason is that cancer doctors, or oncologists, have financial incentives to use drugs other than Bexxar and Zevalin, which they are not paid to administer. In addition, using either drug usually requires oncologists to coordinate treatment with academic hospitals, whom the doctors may view as competitors. [...]
In a study published in The Journal of Clinical Oncology in 2002, the tumors in 80 percent of patients who received chemotherapy and Zevalin shrank, compared with 56 percent who received chemotherapy and Rituxan. Of patients who received Zevalin, 30 percent went into complete remission, compared with 16 percent who got Rituxan.» [New York Times]

Esta notícia ilustra o impacto de alguns interesses económicos nas decisões de alguns médicos. O debate acerca da privatização do Sistema Nacional de Saúde [1, 2 e 3] não pode ignorar os sinais que nos chegam de um país onde a saúde está completamente (neo)liberalizada. É absolutamente inaceitável que o benefício do doente (e nele se incluiu a necessidade de sustentabilidade do Sistema de Saúde) não seja o único factor relevante na tomada de decisões clínicas.

[fotografia de Pedro Guimarães]

Madeira, Alberto João Jardim e a Deriva Independentista

| 3 Comentários | Partilhar
Quem trata a Madeira como o centro do anedotário nacional está a subvalorizar os obsessivos ataques à coesão nacional perpetrados pelos seus líderes. Detenhamo-nos nas últimas declarações de Jardim Ramos, a propósito da recusa do Govenro Regional em cumprir a Lei da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG):

«o Governo da República não pode impor colonialmente a esta região autónoma uma lei que 64 por cento da população rejeitou no referendo»

Esta afirmação encerra vários equívocos que, acreditamos, não serão fortuitos ou acidentais. Desde logo, a população da Madeira não rejeitou a Lei referida porque esta não foi referendada. O que se referendou foi a despenalização da IVG até às 10 semanas de gestação. O Partido Socialista, com o mandato que os portugueses lhe conferiram nas últimas Legislativas, entendeu que a IVG, despenalizada até às 10 semanas com a concordância dos portugueses em Referendo, deveria realizar-se a título gratuito nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (opção da qual, aliás, discordo). Esta posição não invalida que, sem referendo, seja politicamente legítimo que outra maioria parlamentar venha a taxar ou retirar do SNS a prática da IVG.
Por outro lado, o resultado do referendo na Madeira (ou noutra região) não tem qualquer valor jurídico ou político por si. Tratou-se de uma consulta nacional e os seus resultados só poderão ter, juridicamente, uma leitura global.

Assim, a argumentação aduzida pelo Governo Regional é demagógica, populista e intelectualmente desonesta, não lhe restando outra saída que não seja o estrito cumprimento da Lei que as instituições democráticas portuguesas legitimamente aprovaram.

Braga: Antes como Agora

| 1 Comentário | Partilhar
As 'duas Bragas' são mais antigas do que se imaginava: «O Campo de Santa Ana parecia um arraial. Aglomeravam-se ali as duas Bragas – a fiel, a caipira, pletórica de fidalgos, de grandes proprietários, cónegos, de chapeleiros e da clerezia miúda; – a liberal, muito anémica, encostada ao 8 de infantaria, toda de bacharéis e empregados públicos, o Manso, o Meio Cavacão, o Mota, o Rocha Veiga, o Alves Vicente, negociantes de tendas mesquinhas, professores muito retóricos, o Capela, que ensinava francês, o Pereira Caldas, soneteiro e polígrafo, o velho Abreu bibliotecário, lacrimoso, o Pinheiro, muito grande, filósofo sensualista, mas bom vizinho, todos à volta do Monte Alverne, um cónego muito assanhado, que foi, meses depois, comandante da brigada dos serezinos.»
.
Camilo Castelo Branco,
A Brasileira de Prazins : Cenas do Minho.

Justiça: Noves fora nada

| 14 Comentários | Partilhar
Por muito iluminados que sejam os discursos sobre agravantes e atenuantes...

Onze anos de prisão para jovem que matou trolha que atirou piropo à namorada
Principal arguido no caso Douro Negro condenado a seis anos e meio de prisão

...não se compreende.

Jornais de Referência Excrescência

| 4 Comentários | Partilhar
No seu estilo infundivelmente assertivo, Carlos Abreu Amorim, constatando que alguns semanários anteciparam a edição nacional por causa da eleição de Lisboa, propõe uma reflexão:

Vamos então reflectir. Nas nossas casas, fora de Lisboa, com os nossos amigos que não são de Lisboa e com a nossa família que não quer nada com Lisboa, pensemos em Lisboa, falemos de Lisboa e, sobretudo, consideremos com toda a discrição e precaução, o sentido de voto... dos lisboetas.
Por mim, a reflexão está feita: estes jornais acabaram de provar que lhes falta estofo para terem âmbito nacional - com este gesto, mostraram qual a sua visão do país e a medíocre dimensão do seu pequeno mundo.
São semanários de Lisboa. Nada mais. O resto é paisagem...

Não é grande novidade. Fica registada mais uma evidência.

Boa Viagem.

| 8 Comentários | Partilhar

Comovo-me sempre...

| 11 Comentários | Partilhar
.
... que constato que o fervor clubístico tolda a razão. Muitas das críticas ao negócio AXA, ao arrepio dos interesses da cidade, não são mais que o espernear de gente que é do Porto, Benfica e Sporting, não conseguindo esconder o incómodo de já não poder festejar vitórias consecutivas em solo bracarense.

... que me deparo com o triste cenário da antena espetada no Monte do Picoto. Será o princípio da requalificação?

Eu, que não sou bandidagem, me confesso: O Cimento Dói

| 7 Comentários | Partilhar
As conversas de rua e de café, no escrupuloso respeito pelo superiormente sugerido, repetem em surdina o que não há coragem de vociferar com clareza. O povo gosta e repete a dose com a mesma naturalidade com que se esconjurou na recepção clamorosa dessa tal Fátima Felgueiras que, culpada ou inocente, fugiu à justiça e virou costas às leis do país.

Braga é uma terra peculiar, uma espécie de cumulado de negócios de sacristia, cujos contornos são difíceis de entender e ainda mais tortuosos de explicar. Entendo-os mas abstenho-me de os comentar, limitando-me a deleitar, mas sem narcotizar, ante a melodiosa surdina. Porque se há jornais que são boletins, também haverão muitas perversões da democracia que, não se vendo com idêntica clarividência, acabam por encantar a cidade.

Mas não nos detenhamos demasiado tempo ante visões que, por muito certas que possam estar, não são mais que um aproveitamento oportunista da maré. Braga precisa de políticos consistentes e cidadãos conscientes que saibam apropriar-se dos anseios das suas populações e que tenham mestria para penetrar no (quase) impenetrável tecido social da ruralidade concelhia, quase sempre comprometida com um socialismo de poucas causas e muitos interesses. Já a cidade, que não se deixa acobardar perante a deriva, escolherá, indelevelmente, o caminho da mudança.

É na gestão do município que devemos centrar-nos porque ela tem sido incompetente e injusta. Deixaram que se apropriassem da praça pública, da água e até do lixo, alimentando um rio de ouro cinzento. Hipotecaram o futuro num estádio que é mais cimento e que era perfeitamente desnecessário. Deixaram que o cimento tomasse os espaços nobres obstaculizando horizontes de memória, seja na Rua Justino Cruz, em S. Lázaro, na Santa Cruz ou em tantas outras esquinas cravejadas de história e afundadas em tanta construção. Cimento que custa mais que o que se investe em saúde e educação. Cimento que sinaliza, em espaços públicos, stands de automóveis mas se esquece de actualizar as placas de saída da cidade na Avenida João Paulo II (por exemplo). Cimento que não se cansa de reproduzir em construções mal dimensionadas, mal projectadas e mal inseridas no meio. Cimento que dói.

A ETAR Louçã

| 30 Comentários | Partilhar
Do meio de um persistente e acomodado silêncio perante a consagração de um sistema local, feito de pequenas e grandes influências, de medos e cumplicidades variadas, surgiu a estupefação geral diante de uma naturalíssima demonstração de amizade a um homem que tem sido acusado publicamente sem que nada tenha sido ainda provado.

Põe-se o crédito de uma empresa da cidade na lama e, com todo esse esgoto mediático, o nome de Braga vai ficando ainda mais encardido. Sempre sedento de chafordar na porcaria, o profeta messiânico da verdade, travestido de ETAR purificadora desse lamaçal pestilento, anuncia solenemente que «os empresários de Braga são uma bandidagem».

Mas há empresário que não seja bandido para Francisco Louçã? Talvez encontrem em Salvaterra...

Campus Party em Braga

| 7 Comentários | Partilhar
O (Minho) Campus Party foi um evento de grande sucesso que conseguiu (re)colocar Braga no mapa dos grandes eventos tecnológicos nacionais. Mas, coisa repetidamente trágica em Portugal, os sucessos são normalmente explorados até à exaustão sem se adaptarem aos tempos (basta reparar nesse vómito televisivo que são a Floribela e os seus dramas sentimentais).

É por demais evidente que a massificação da banda larga torna o Campus Party, no moldes em que nasceum bem menos apetecível do que outrora. Este facto, associado a uma deslocalização mal planeada, levaram ao fracasso da iniciativa que era para se realizar na Batalha no final deste mês. No entanto, o Campus Party, cancelado na Batalha, está de volta às origens e vai realizar-se em Braga, precisamente no Estádio Municipal.

Uma Questão de Educação

| 2 Comentários | Partilhar
No dia em que o circo voltou a descer a S. Bento e a Ministra da Educação repetiu o assobiar para o lado relativamente às tenebrosas perseguições políticas movidas ao professor Charrua, o Presidente da República quebrou finalmente o silêncio e, com avisada autoridade, lembrou que "alguns agentes dos poderes públicos" devem ter "cuidado com as suas atitudes" e defendeu que é preciso dar "mais qualidade à democracia" portuguesa. [Público]

Depois deste recado, Maria de Lurdes Rodrigues (e outros seus colegas de governo) bem podem passar a noite a carpir. É que o dia também ficou manchado pelo anúncio do chumbo massivo nos exames do 9º ano de Matemática, apesar de todos os programas de especiais de salvação do ensino. Será que a senhora Directora Regional de Educação do Norte está tão empenhada em contribuir para a resolução deste problema quanto esteve para fazer face aos terríveis acontecimentos do corredor do seu feudo? Ou será que não lhe chegou nenhuma SMS a delatar o mau comportamento dos estudantes do 9º ano na dita prova?

Mas estas coisas têm sempre duas visões possíveis. Se por um lado constatamos que vivendo na era global ainda há quem tenha consciência de corredor, por outro acabamos por cumprir o desígnio de formar gente feliz - com tão poucos dotes matemáticos, as gerações vindouras nunca chegarão a saber o dinheiro que lhes retiram do bolso em taxas, impostos e outras coisas afins.

Reacções ao Negócio AXA

| 15 Comentários | Partilhar
Partido Popular (PP)
Miguel Brito, do CDS-PP, diz mesmo que o acordo "não cheira bem", defendendo que a SAD "teria primeiro que levar à Câmara essa nova realidade para eventual aprovação".

Bloco de Esquerda (BE)
João Delgado, da concelhia do BE, considera "incrível" o acordo e rotula de "absurdas" as explicações de Mesquita Machado. "A SAD não pode vender direitos sobre um estádio que não lhe pertence. Cabe à câmara rentabilizar o estádio para poder pagar a dívida que ainda tem da sua construção", concluiu.

Partido Social Democrata (PSD)
Ricardo Rio, do PSD, elogiou António Salvador pelo "golpe de mestre" ao efectuar o negócio e lamentou que Mesquita Machado não o tenha feito antes em nome da câmara com o fito de amortizar a dívida.

Ricardo Rio acaba por não criticar directamente nem o negócio nem o clube, optando por censurar a falta de visão da autarquia liderada por Mesquita Machado. Na realidade, o que há que questionar é a opção de construir um estádio de luxo, com custos de manutenção elevadíssimos e perfeitamente desasjustado das necessidades e dos recursos da autarquia e do concelho. Hoje está mais que claro que a câmara nunca devia ter apostado num projecto tão arrojado e dispendioso, remetendo a factura para as gerações futuras.

Uma vez construído, o Estádio Municipal foi cedido à única instituição do concelho capaz de custear as despesas de manutenção. E pelo valor justo. A Câmara não pode querer apropriar-se do sucesso dos outros: se o SC Braga consegue bons resultados e, com isso, atrair mais investimentos, o retorno pertence obviamente à SAD e ao clube. A ideia de taxar todo o sucesso alheio revela tiques estalinistas e é contrária aos princípios liberais (tal como era, a meu ver, imprudente e injustificado aumentar os impostos da banca pelo simples facto dos seus lucros terem crescido significativamente).

[reacções retiradas do Jornal O JOGO]

Causas

| 6 Comentários | Partilhar
Na próxima Quinta-Feira, o Pavilhão Desportivo da Universidade do Minho vai acolher um jogo muito especial: os jogadores da Universidade do Minho (UM) vão jogar em cadeira de rodas para defrontar a equipa da Associação Portuguesa de Deficientes de Braga (APD-Braga). No final do encontro, quem estiver interessado poderá experimentar a sensação de jogar basquetebol numa cadeira de rodas. A iniciativa está a ser organizada pela minha colega Judite Sousa, no âmbito da área curricular de Projecto de Opção I. .
Num momento em que o Sporting de Braga tem sido o centro de todas as discussões blogsféricas, deixo o repto aos seus dirigentes para que abracem uma iniciativa desta envergadura e criem uma equipa de basquetebol adaptado. Seria mais uma excelente forma de servir a cidade e a região e de colocar as bandeiras do clube ao serviço da sociedade inclusiva.

Noutro âmbito, o centro comercial Braga Parque, em conjunto com o Instituto Português de Sangue, está a promover uma campanha de recolha de sangue até ao próximo dia 14 de Julho. Poderá efectuar a sua dádiva de segunda a sexta, entre as 10h e as 19 h, e no sábado das 10h às 13h, nas instalações do centro comercial.

Comove-me sempre...

| 5 Comentários | Partilhar
.
... reparar que, afinal, alguma política se resume a lutas pelo poder.

... descobir que a falta de ideias conduz sempre à falácia do argumentum ad hominem.

Uma questão de cidadania

| 7 Comentários | Partilhar
Por imperativo de cidadania, compareci na vigília de homenagem a Artur Silva, o professor da Escola Secundária Alberto Sampaio que faleceu às mãos de um cancro sem que lhe tivesse sido concedido o direito a aposentação. Talvez por já ter provado o amargo sabor das agruras oncológicas, o caso chocou-me particularmente. Como me choca esta Braga que se acobarda perante a injustiça e a indignidade de uma decisão que fez dos últimos dias daquele homem um súplico desnecessário.

Artur Silva colocou, ainda em vida, as questões que se impunham, numa missiva enviada ao Presidente da Caixa Geral de Aposentações e da qual nunca obteve resposta cabal: Como pode uma Junta Médica fechar os olhos àquilo a que me submeti: amigdaletomia esquerda e laringectomia total com esvaziamento ganglionar cervical funcional bilateral e traquostomia permanente, o que para o comum dos mortais significa tão simplesmente ausência total e irrecuperável da voz? Como pode uma Junta Médica dizer a um Professor de Filosofia que a afonia total e incurável não o impede absoluta e permanentemente de exercer as suas funções?

No fundo, a estas questões é necessário juntar outras: Alguma vez o Governo, através dos seus Ministérios, efectuou qualquer tipo de pressão ou estabeleceu algum tipo de quotas nas juntas médicas? Que medidas foram tomadas para apurar as responsabilidades deste caso imensamente bárbaro? Porque é que os serviços públicos fazem insistentemente letra morta dos prazos que o Código de Procedimento Adminsitrativo estabelce para resposta aos requerimentos e reclamações dos cidadãos?
.
[Imagem retirada do Público. Versão intregal da carta, aqui]

Estádio AXA: Braga fechou contrato inédito em Portugal

| 47 Comentários | Partilhar
O Sporting Clube de Braga foi o primeiro clube português a ceder o naming right do seu Estádio. Assim, durante todas as iniciativas organizadas pelo S.C. Braga que decorrerem no Municipal, o recinto adoptará a designação de Estádio AXA. Ao apostar no 4º clube português com maior projecção internacional, a AXA faz um investimento com retorno garantido tanto no mercado nacional como internacional. Por seu lado, o Sporting de Braga garante um encaixe financeiro ao nível dos grandes clubes e começa a pensar em voos ainda mais altos. Haja ambição.

Adenda: Que fique bem claro que a Câmara de Braga não faz nenhum favor ao Sporting de Braga quando lhe cede a utilização do Estádio. A manutenção do recinto, com custos elevadíssimos, está a cargo do clube e, como tal, representa menos um encargo para a autarquia. Por outro lado, a cedência do nome do Estádio aplica-se apenas aos eventos organizados pelo Sporting de Braga e, como tal, a Câmara não tem nada a ver com o negócio. Conseguiria a Câmara vender o nome do Estádio se o Sporting de Braga não o utilizasse, projectando-o além fronteiras? É óbvio que não.
O aproveitamento político que Mesquita Machado tem feito do Sporting de Braga não pode levar a que alguns sectores da oposição elejam o clube como alvo da sua chacota política. Quem quiser ser Presidente da Câmara tem que perceber que o Sporting de Braga é o maior emblema da cidade e o seu maior embaixador nacional e internacional e que, como tal, merece todo o apoio institucional da autarquia.

Vigília

| 9 Comentários | Partilhar
A cidade de Braga está a mobilizar-se para uma vigília em honra do professor da Escola Sécundária Alberto Sampaio que faleceu no passado dia 9 de Janeiro, vítima de um cancro na laringe, sem que lhe tivesse sido concedida a aposentação.

A vigília será hoje (segunda-feira), às 19 horas, em frente à Escola Secundária Alberto Sampaio.

Outras Avenidas

| 1 Comentário | Partilhar
O Primeiro-Ministro quer fugir à «festa da democracia» apenas durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, ou está a pensar que é possível manter este rumo evasivo até 2009? [Paulo Gorjão, no Bloguítica]

Só mesmo iniciativas fora do universo futebolístico para os benfiquistas verem fogo-de-artifício no seu estádio. [Tiago Ribeiro, no Kontratempos]

Quanto aos apupos e pateadas à Estátua da Liberdade, que tal como o Cristo Redentor do Rio de Janeiro nunca deveria estar na tal lista, (porque estão longe de serem postas ao mesmo nível das restantes obras grandiosas) sabemos que existe uma tendência global para misturar os povos com os seus lideres, o que é lamentável. [LNT, no Tugir]

Não é a primeira vez que o PP, sob a direcção de Paulo Portas, recorre ao populismo mais rasteiro e primário para salvar a face num acto eleitoral. Em 2002 foram os ciganos, que "roubavam" o Rendimento Mínimo Garantido. Agora chegámos à purificação da raça. Dêem-lhes tempo. [Pedro Sales, no Zero de Conduta]

Depois de levar uma vaia diluviana no estádio do Benfica o primeiro-ministro descobriu a melhor forma de inaugurar tranquilamente a nova ponte sobre o Tejo, encerrou as vias de acesso e os populares ficaram longe dos ouvidos de Sócrates e dos jornalistas. [no Jumento]

Centralismo Levado ao Extremo

| 3 Comentários | Partilhar
Sócrates não é mais que um provinciano que, chegado a Lisboa, se deslumbrou com os encantos da capital. A teimosia lúgubre de querer fazer da capital portuguesa a sede do novo Tratado da União Europeia revela, além do parolismo latente, um enorme falta de visão estratégica. Lisboa já tem notoriedade que chegue. Quererá Sócrates perder a oportunidade de promover outra cidade ou vila turística de Portugal?

Estranhas conclusões

| 1 Comentário | Partilhar
Many jeered when the Statue of Liberty was announced as one of the candidates. Portugal was widely opposed to the U.S.-led invasion of Iraq.

Washington Post [via O Inominável]

Maravilhas

| 15 Comentários | Partilhar
1. O folclore mediático é efémero. Daqui a 20 ou 30 anos (se não for antes) ninguém se lembra das maravilhas de 2007.

2. Não deixemos o folclore parar. Porque não escolher as 7 Maravilhas da Natureza de Portugal? Há muito que o Parque Eduardo VII, o Parque de Monsanto e os Jardins do Palácio de Belém merecem uma distinção.

3. Já agora, porque é que a Ministra foi de avental à cerimónia?

Não estudei numa Faculdade. Felizmente!

| 11 Comentários | Partilhar


Eis o vídeo que abriu a V Gala Adeus SOF's, um evento obviamente desconhecido para a maioria dos leitores deste blog. Trata-se da festa de despedida de uma das mais importantes, interessantes e longas áreas curriculares do curso de Medicina da Universidade do Minho - Sistemas Orgânicos e Funcionais. Terminar SOF's é dobrar um dos Cabos Bojadores do curso.

Este vídeo, de uma das melhores e mais imaginativas galas de sempre, é o mote para uma conversa que queria ter convosco há algum tempo. Num momento em que o ensino superior passa por diversos constrangimentos, os nossos governantes deviam pôr os olhos (com olhos de ver) na experiência de ensino-aprendizagem do curso de Medicina da Universidade do Minho. Não porque seja melhor que as outras (nem é isso que está em causa), mas porque é a prova de que quando é dada às universidades verdadeira autonomia e oportunidade para inovar é possível fazer muito com poucos recursos, criando vias alternativas para, como bem lembrou o Professor Pinto Machado na aula magistral de abertura do curso, formar médicos peritos em ciência, arte e consciência.

Integrado numa universidade jovem, dinâmica e prestigiada, o curso de Medicina da Universidade do Minho soube aproveitar todas as virtudes do sistema matricial, acrescentando-lhe várias inovações. Desde logo, a integração horizontal e vertical do conhecimento em áreas curriculares, a aprendizagem por objectivos, o contacto precoce com a clínica e a permanente interação com as ciências básicas nos anos mais avançados, o acompanhamento de uma família ou a possibilidade/liberdade de compor uma parte significativa do currículo através do desenvolvimento de Projectos de Opção. E, claro, os Domínios Verticais - dias em que, mais que em todos os outros, radiografamos a condição humana nas suas mais diversas vertentes (do cinema ao desporto, passando pela política, ética, história, literatura, cultura ou visitas a instituições de solidariedade e museus).

Assim foram, entre outras coisas que fiz (algumas das quais só possíveis porque nesta universidade, como em nenhuma outra, é possível o contacto diário com estudantes das várias áreas do conhecimento), os meus últimos 6 anos na Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho. Apesar de sistematicamente apelidada de Faculdade de Medicina de Braga, a verdade é que não estudamos naquilo que classicamente se entende por faculdade. Felizmente.

Maravilhas de Portugal

| 12 Comentários | Partilhar





Outras Avenidas

| 4 Comentários | Partilhar
«Porque é que o braço direito da direita bracarense foi ao jantar do braço direito da esquerda no poder?»
[Pedro Antunes, no Para Quando a Nossa Revolução]

«Para corrigir os 10 mandamentos, embelezar o Sumo Sacerdote e mudar-lhe as fitas ...... 170 reis.»
Irónico. Cópia de uma factura apresentada em 1853 pela reparação na capela do Bom Jesus de Braga. [Via abnoxio]

«Berardo escolhe as actividades de acordo com a sua fracção de tansos e respectivo poder de compra.»
[João Miranda, no Blasfémias]

Que bem que ele falava...

| 14 Comentários | Partilhar



«Porque essa nódoa não vai ser apagada facilmente. Porque essa nódoa fez regressar Portugal aos tempos em que havia condicionamento da liberdade de expressão. E peço-lhe senhor primeiro-ministro, peço-lhe senhor primeiro-ministro, resista à tentação do controlo da comunicação social. Não vá por aí porque nós cá estaremos para evitar essas tentações.» [José Sócrates, na casa da democracia]

Será que José Sócrates resistiu à tentação?

Avenida dos Leitores: Braga segundo Mesquita

| 1 Comentário | Partilhar


Crítica muitíssimo pertinente enviada por Carlos Gonçalves.

O Estado da Coisa

| 1 Comentário | Partilhar
A graça mediática que sustentou Sócrates durante os primeiros anos de governação perdeu a piada. Primeiro surgiu o caso Charrua com o silêncio conivente do governo, depois o processo a Caldeira, seguiu-se o episódio de Vieira do Minho e soube-se, finalmente, que o Governo Civil de Braga havia participado às autoridades uma manifestação espontânea de vários cidadãos aquando da visita do Primeiro Ministro a Guimarães. Recuperar as declarações de Sócrates a propósito de idêntica manifestação em Abrantes (“tudo faz parte” da “festa da democracia”) evidencia o cinismo político de tudo isto.

Como se não bastasse a gravidade do que sucede, constatamos que a secretária de Estado Adjunta e da Saúde revela não ter percebido absolutamente nada do que se passou nas últimas semanas. E como ela, parece que todo o Governo se mantém obstinadamente autista, ciente de que está no caminho certo por muitas que sejam as evidências em sentido contrário.

Se a moratória dada ao estudo de alternativas à OTA não trouxer mais que jogada política de ocasião, a coisa fica definitivamente complicada. E nem as atoardas de Mário Lino gozarão da indiferença anímica das outras vezes. Enquanto vamos assistindo alegremente a um desfilar esquizofrénico de desmesurado dislate, a política vai-se degradando e os políticos vão desvanencendo a ponta de credibilidade que ainda lhes restava. A coisa não está definitivamente para brincadeiras.

Braga dos Desamores

| 5 Comentários | Partilhar
[...] uma das imagens mais negativas da cidade resulta deste crescimento urbano recente. Outra imagem negativa da cidade presente nas monografias históricas advém-lhe das características dos seus habitantes, algumas vezes acusados de se consagrarem excessivamente ao luxo e às suas vidas privadas e de não serem coesos nem se identificarem à cidade.

Esta análise emanada do IV Congresso Português de Sociologia [via Socióloga Avense] vai ao encontro do que vimos sucessivamente denunciando. Os acentuados fluxos migratórios e a rápida ascenção social são alguns dos elementos justificativos da progressiva descaracterização da urbe e do desapego (tantas vezes desamor) dos bracarenses pela sua cidade e pelos seus principais elementos identitários. Esta crise espelha um passado em que identidade colectiva se confundia com religiosidade comum e ritualização não era mais que pura exibição. O recato imposto e a sacralização do espaço e da vivência privados por contra-ponto à fruição do viver em comunidade encarregaram-se do resto.

Braga é hoje uma cidade que se divide entre os que veneram esse passado ('dos valores') e os que procuram emancipar-se da herança dos tempos. É por isso que vivemos sitiados entre o fervor anti-clerical (seja ateu, agnóstico ou cristão) e o catolicismo ortodoxo. Sofremos pela contradição entre o amor cego e o ódio consistente ao clube da terra (seja porque já não perde sempre com os grandes ou porque está conotado com a autarquia). Dividimo-nos entre o incómodo e a conformação no que respeita à gestão autárquica da cidade.

Haverá algo que nos une? Talvez o facto de não gostarmos da outra Braga que não é nossa.

Projectos 4 | Ideia Atlântico

| 4 Comentários | Partilhar
Ideia Atlântico Braga

Braga vai ter, nos finais do próximo ano, um Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. O novo centro é construido pela Associação PME-Portugal (Pequenas e Médias Empresas de Portugal) e pelo IDEIA Atlântico (Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Inovação do Atlântico), e vai ser cons-truído na Variante do Fojo. O investimento ronda os 4,5 milhões de euros, sendo que dois milhões de euros são destinados à construção do edifício. Os restantes dois milhões de euros vão ser aplicados na aquisição de mobiliário e de equipamentos.[Correio do Minho]

Quanta Intolerância?

| 7 Comentários | Partilhar
An high school student loans a friend, another high school student, his copy of The God Delusion. Two things happen: the friend's father loses his cool and complains to their school, and a school administrator suggests that this was an establishment clause violation. And this was at a school that allowed the Gideons to distribute bibles in the parking lot!

É com enorme repulsa mas sem grande espanto que, dia após dia, nos deparamos com situações deste teor. A intolerância dos que professam determinada religião relativamente aos que se abstêm de partilhar as suas crenças é o traço que, historicamente, melhor une todas as religiões e seitas. Afinal, quanta intolerância cabe nas barbas de deus(es)?

[via Pharyngula]

Blogosfera na Rádio

| 15 Comentários | Partilhar
Só para lembrar que estarei às 12h com o Hélder Guimarães e o Vitor Pimenta no Rádio Clube para debatermos a blogosfera e o seu impacto no desenvolvimento regional do Minho.

Adenda (14.32): Foi uma experiência muito gratificante. Durante 50 minutos percorremos, de forma descontraída, os principais problemas e constrangimentos do Minho. Da libertação dos centralismos de Lisboa e do Porto ao défice de cidadania e de mediatismo desta região, muitos foram os temas abordados. Ficou no ar (literalmente) a possibilidade de se avançar para uma discussão mais regular. O Rádio Clube Português deu assim a primeira resposta concreta aos reptos lançados pelos bloggers no 1º BlogMinho.

Record de Visitas

| 3 Comentários | Partilhar
O que é europeu é bom!

Braga, Cidade Milenar, de Arcebispos, de Cónegos, bla bla bla

| 2 Comentários | Partilhar
Um retrato de Braga, traçado com grande realismo pela Grande Loja do Queijo Limiano:

Braga, cidade milenar, cidade de arcebispos, de Igreja e de Sé, de cónegos, monsenhores e cursos de cristandade, organizou o seu poder autárquico, desde há décadas, à volta de uma pessoa, seus acólitos, mesmo religiosos e de um partido. Braga precisa de um estudo sociológico aprofundado e agora que tem universidade de mérito, pode e deve fazê-lo.

O que as instituições da região permitem, no entanto, há décadas, é a consagração de um sistema local, feito de pequenas e grandes influências, de medos e cumplicidades variadas, num esquema organizativo notável.

[...] façam ao menos um Prós & Contras. Todos precisamos de saber em que país vivemos e que valores queremos proclamar.

Diz que é uma espécie de comparação séria

| 8 Comentários | Partilhar
São os fumadores, que contribuem anualmente (excluindo outros impostos que eventualmente paguem) com 1.395.000.000 Euros para os cofres do estado e que custam uns míseros 434.000.000 Euros ao Serviço Nacional de Saúde.

Citando esta comparação simplista e disparatada apresentada no blog Crónicas do Migas, João Miranda considera que os impostos sobre o tabaco são mais do que uma medida justa para compensar externalidades. São uma forma de paternalismo.

Mesmo considerando irrelevante o facto de se compararem as despesas do SNS em 2005 com a previsão de receitas do imposto sobre o tabaco de 2007, a verdade é que João Miranda se esqueceu de somar à factura das despesas não só as verbas dispendidas com a saúde dos fumadores passivos mas também os custos sociais das doenças dos fumadores, os efeitos sobre o absentismo e a diminuição da produtividade decorrente do tabagismo.

Tendo em conta os dados apresentados, o paternalismo a que João Miranda alude não passa de uma especulação sem qualquer rigor ou fundamento mas com muita oportunidade. Parece que tudo vale no combate contra uma pretensa e inexistente (em Portugal) guerra contra os fumadores. E, enquanto assistimos ao desfile deste tipo de argumentos, vamos levando, pulmões a dentro, com o fumo tirano dos outros.

[imagem retirada do Humoral da História]
"Mi vida en tus manos", um filme de Nuno Beato

Pesquisar no Avenida Central




Subscreva os Nossos Conteúdos
por Correio Electrónico


Contadores